Facebook Twitter Gplus Flickr Pinterest LinkedIn YouTube E-mail RSS
magnify

Home Militar IMAGENS: Caça é transportado pela primeira vez a bordo de um C-5 da USAF
formats

IMAGENS: Caça é transportado pela primeira vez a bordo de um C-5 da USAF

Publicado em 24/08/2011 por em Militar

Membros do 451º Esquadrão Expedicionário de Prontidão Logística se preparam para carregar um caça F/A-18F Super Hornet a bordo de uma aeronave de transporte C-5 Galaxy da USAF, no dia 18 de agosto de 2011, no Aeródromo de Kandahar. (Foto: Senior Airman David Carbajal / U.S. Air Force)

Pela primeira vez na história, um avião de carga dos EUA irá transportar um avião de combate dos EUA de volta para os Estados Unidos depois de sofrer danos à sua fuselagem. O 451º Esquadrão Expedicionário de Prontidão Logística preparou um vôo em um C-5 Galaxy onde a tripulação permitiu com sucesso carregar um F/A-18 Super Hornet no compartimento de carga do Galaxy no dia 18 de agosto de 2011, no Aeródromo de Kandahar, Afeganistão.

Em março, ao apoiar a Operação Liberdade Duradoura, um mau funcionamento no caça Hornet que causou um pouso prematuro no Aeródromo em Kandahar. Após tocar na pista, a aeronave teve um super aquecimento nos freios e após a parada, os dois freios estavam em chamas. A equipe de combate a incêndio de Kandahar extinguiu o fogo, mas a fuselagem ficou severamente danificada do lado direito.

Essa foi a primeira vez que um caça é transportado a bordo de um C-5 Galaxy de volta para os EUA. (Foto: Senior Airman David Carbajal / U.S. Air Force)

Charles Miller, o vice-gerente do programa F/A-18, e uma equipe de quatro civis do Departamento de Defesa foram até o Afeganistão para preparar e iniciar o processo de recuperação da aeronave, a fim de trazer ela de volta para os EUA, no Southwest Fleet Readiness Center onde serão realizados os reparos necessários, que começaram em julho. A preparação incluiu uma coordenação com a liderança sênior do Comandante da Aviação Naval da Marinha dos EUA e o Comando de Mobilidade Aérea da Força Aérea, a fim de obter a certificação necessária para transportar a aeronave de volta em um C-5 para a Estação Naval de North Island, em San Diego, California.

“Normalmente, uma aeronave seria levada de volta voando para os Estados Unidos se o dano fosse menor”, disse Miller. ”Mas este F/A-18 sofreu danos substanciais que nossa equipe de suporte de engenharia determinou serem críticos e impossível de voar novamente antes de reparos”.

“Ter transportado ele de volta para os Estados e reparado provavelmente irá custar um terço do que uma nova aeronave custaria”, disse Miller. O custo de produção de um novo Super Hornet é cerca de US$ 65 milhões.

A aeronave de caça F/A-18F Super Hornet foi levada para reparos na Estação Naval de North Island, próximo a San Diego, California. (Foto: Senior Airman David Carbajal / U.S. Air Force)

Uma vez que essa tarefa de transporte nunca havia sido tentado antes, o plano para carregar a aeronave não foi tão fácil.

“Sendo que esta é a primeira vez que fizemos isso, a coordenação e o planeamento extenso para possibilitar o transporte da aeronave está em andamento desde março”, disse Miller.

Uma vez que o plano foi aprovado, a tripulação do C-5 estava ansiosa pela oportunidade.

“Estamos dispostos a ajudar qualquer um dos serviços que a Marinha dos EUA precise”, disse o major da Força Aérea Steven Hertenstein, o piloto do C-5, que foi destacado a partir da Base Aérea de Travis, na Califórnia “O transporte de carga é o que esta aeronave foi projetada para fazer, e estamos felizes por fazer parte disso. ”

Mesmo antes de as equipes começaram o carregamento, Hertenstein estava confiante que seria bem sucedido.

“Esses mestres de carga irão fazê-lo. Eles têm as habilidades necessárias para levar as cargas de diferentes tamanhos e encontrar uma maneira de carregar na aeronave com segurança e eficácia”, disse Hertenstein.

O caça teve problemas durante um pouso de emergência em Kandahar e ficou impossibilitado de retornar em voo para os EUA. (Foto: Senior Airman David Carbajal / U.S. Air Force)

As equipes da tripulação de carga aérea e da base não foram as únicas a contribuir para este transporte de sucesso.

“Todas as unidades através da base se reuniram para fazer isso acontecer”, disse Miller. A Unidade da Força Aérea RED HORSE construiu as rampas de madeira em camadas chamado de “escoramento”, que foram usadas para levar a fuselagem do Super Hornet até a rampa do C-5. O 40º Esquadrão de Logística de Aviação dos Marines, Destacamento Bravo, auxiliou Miller e sua equipe com o equipamento de apoio necessário para o desmonte da aeronave. O Comando de Operações da Base da OTAN ofereceu espaço no hangar na Rampa Kilo que permitiu realizar a tarefa fora dos elementos.

“Quero agradecer a todas as unidades que contribuíram para esta missão”, disse Miller. ”Nós não poderíamos ter feito isso sem eles.”

 

3 Respostas

  1. Francisco AMX

    Me desculpem… mas é muita frescura! é nítido que o único trabalho "trabalhoso" foi desmontar as asas do SH… o bixo entrou rodando no grande C-5… muita frescura! rsrsrsrs
    Como alguns sabem, sou gráfico, já vi o pessoal de logística da Heildeberg (empresa alemã, fabricante de máquinas gráficas) em conjunto com transportadora especializada, colocarem máquinas de de mais de 30 tonelas em locais inacreditáveis… tudo na técnica e na criatividade, um trabalho de pura improvisação e eficiência…. até mesmo a minha máquina de menos de 10T, foi instalada num local de difícil acesso, tudo isso sem qualquer tipo de dano ao material….
    Sem desmerecer os militares do processo, mas esta equipe que eu presenciei, levando este trem de 20 metros de comprimento e 30 toneladas, passando por pisos irregulares, por acessos estreitos onde não sobravam mais que 20cm de cada lado do mesmo… colocariam este SH dentro do C-5, com o pé nas costas…

    Sds!

  2. Vinicius Modolo

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    o DOV tem que fazer o balanço, calibrar, ver se ta certo, ancorar a carga e etc…mas tbm acho que o texto tem um certo exagero…mas os caras tem que fazer valer o salário né rrsrssrrsr

  3. Rafael

    Agora o preço de "produção" do Hornet é de 65 milhões, isso varia todo dia ?
    Se o preço de produção é 65 m, como podem oferta-los a outros paises por 55 milhões (como preço final), provavelmente vem sem as asas, como este ai da foto.

Você deve estar logado para postar um comentário.