Facebook Twitter Gplus Flickr Pinterest LinkedIn YouTube E-mail RSS
magnify

Embraer

DHL adquire 13 aeronaves Airbus A300-600

Uma aeronave Airbus A300B4-200 da companhia aérea de carga DHL.

A DHL Express adquiriu 13 aeronaves Airbus A300-600s as quais serão convertidas em cargueiros pela EADS na sua unidade EFW em Dresden, Alemanha. As aeronaves substituirão as atuais A300B4-200 que a DHL possui na sua frota, com a previsão de entrarem em serviço na empresa no começo de 2013.

O primeiro A300-600 está programado para entrar na linha de conversão no começo de junho e será entregue para a DHL em Leipzig em outubro.

O diretor de operações da rede DHL Express na Europa, Bryan Jamison, disse que os jatos A300-600s, os quais tem uma capacidade de carga de 94 toneladas e queimam 20% menos de combustível que os modelos A300B4-200s, permitirão que a DHL “dê um grande passo rumo ao objetivo de reduzir a emissão de carbono em 30% até 2020″.

A DHL Express não passou maiores informações sobre o assunto.

Fonte: Flight Global – Tradução: Cavok

 

Helicópteros AB 412SP da Força Aérea Holandesa atingem a marca de 15.000 horas de voo

Os três helicópteros Agusta Bell 412SP do Esquadrão de Busca e Salvamento 303 da Real Força Aérea da Holanda. (Foto: Ministério da Defesa da Holanda)

O Esquadrão de Busca e Salvamento (SAR) 303 da Real Força Aérea da Holanda (RNLAF) atingiu a marca de 15.000 horas de voo com seus três helicópteros Agusta Bell 412 SP.

O esquadrão de busca e salvamento da Holanda foi introduzido em 1959, quando operava com helicópteros Alouette, e desde então a unidade já realizou 4.584 surtidas médicas nas ilhas holandesas. O Esquadrão 303 está disponível 24 horas/7 dias da semana na Base Aérea de Leeuwarden.

Num futuro próximo a RNLAF vai substituir seus modelos Agusta Bell 412SP pelos novos NH90, que voarão a partir da Base Aérea de De Kooy, próximo a Den Helder.

 

VÍDEO: Testes de decolagens abortadas no Boeing 747-8F

O novo Boeing 747-8F é uma aeronave majestosa e comprova a descendência da família dos jumbos. Juntamente com toda sua majestade, vem muito peso, e quando falamos em peso, significa quase 1 milhão de libras (cerca de 442 mil quilos). Para ele poder decolar totalmente carregado com todo esse peso, a Boeing precisa ter certeza que a aeronave pode abortar a decolagem com sucesso caso ocorra algum problema. Para testar isso, a Boeing carregou totalmente sua mais recente aeronave de carga, colocou os freios de cerâmica de carbono mais desgastados possíveis (algo que não aconteceria numa manutenção normal) e iniciou a corrida de decolagem conforme pode ser visto no vídeo acima.

O testes de Decolagem Abortada (ou Rejected Take-off) inicia quando o grande jato atinge a velocidade de 200 mph (321 km/h) e então o piloto de testes da Boeing, o Capitão Kirk Vinicius, aciona os freios. Durante teste normal de decolagem abortada o piloto também usaria os reversores das turbinas, mas nesse teste nem esses são utilizados. Toda a energia utilizada na frenagem é direcionada para o teste de frenagem.

O 747-8F foi capaz de parar cerca de 200 metros antes do esperado pela Boeing. No entanto, parar a aeronave é apenas um dos resultados testados. Como pode ser visto no vídeo, uma vez que o avião para totalmente, os freios ainda continuam vermelhos, após atingirem 1.400ºC! Normalmente a equipe de bombeiros chegaria no local em 3 minutos, para “refrescar” o sistema de freios, mas no testes aguardaram cinco minutos antes de agir.

O teste mostrado no vídeo ilustra um dos piores cenários possíveis nesse caso, servindo para demonstrar que é extremamente segura a operação de grandes aeronaves como o jumbo mesmo em condições críticas.

 

 

Destaques do programa de testes de voo do Lockheed F-35 Lightning II

Publicado em 12/05/2011 por em Militar

O primeiro voo da aeronave F-35C "CF-02" realizada em Fort Worth, Texas. (Foto: Liz Kaszynski / Lockheed Martin)

Desde a última atualização do programa de testes de voo do caça F-35 divulgada no dia 31 de março, as aeronaves Lockheed Martin F-35 Lightning II conduziram 125 voos de testes, elevando o número total de voo no ano para 331.

Os caças F-35Bs, BF-2 e BF-3 durante os respectivos voos de testes 105 e 95, no dia 17 de março de 2011. (Foto: Lockheed Martin)

Várias etapas chaves do programa foram alcançadas desde o último relatório:

O primeiro voo do caça F-35A "AF-07", o primeiro caça de produção que foi entregue para USAF no dia 6 de maio. (Foto: Randy Crites / Lockheed Martin)

Abaixo seguem os totais e os principais números do programa F-35 desde o dia 31 de março, e os totais cumulativos para 2011:

  • As aeronaves F-35A (CTOL) conduziu 57 voos. Em 2011, os jatos CTOL voaram 146 vezes.
  • As aeronaves F-35B (STOVL) conduziram 43 voos. Em 2011, as aeronaves STOVL completaram 144 voos e 84 pousos verticais.
  • As aeronaves F-35C (CV) realizaram 25 voos. Em 2011, os caças embarcados voaram 41 vezes.
  • Desde o começos dos voos de testes em dezembro de 2006 até essa terça -feira, os caças F-35s voaram 878 vezes.

Fonte: Relatório da Lockheed Martin – Tradução: Cavok

 
Tags: , , ,

Força Aérea da Rússia compra aeronaves An-140

Publicado em 12/05/2011 por em Militar

Uma aeronave turbohélice Antonov An-140-100. (Foto: Tom de Mewer)

A Força Aérea da Rússia fez um pedido de sete aeronaves de transporte militar turbohélices Antonov An-140 desenvolvidas na Ucrânia, enquanto a cooperação aeroespacial entre os dois países se intensifica, informou o presidente da fabricante ucraniana de motores de aeronaves Motor Sich, Viacheslav Boguslav, nessa terça-feira.

O An-140 é um avião bimotor desenvolvido pela Antonov na sede em Kiev, Ucrânia. O primeiro vôo ocorreu em 1997, mas até o momento o modelo só foi utilizado como avião de passageiros para fins civis, principalmente, pelas companhias aéreas na Ucrânia, na Líbia e no Irã.

Boguslav não divulgou o valor do contrato, durante entrevista para a agência de notícias russa Interfax. O preço de lista de um An-140 é de cerca de 9 milhões de dólares, segundo a imprensa ucraniana.

O governo liderado pelo presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, um político pró-Rússia, pediu boas relações com Moscou sugerindo o desenvolvimento econômico do país, em parte por causa da possível venda de aeronaves militares da fábrica ucraniana para Rússia.

Estima-se que 28 An-140s foram construídas pela Antonov ou sob licença por fabricantes de aviões na Rússia e Irã. Três aviões caíram matando todos a bordo desde que o avião entrou em produção em 2007.

A Antonov está disposta a vender um avião de carga de quatro motores chamado de An-70 para Força Aérea Russa, mas Moscou está estudando desenvolver o seu próprio avião de carga médio militar.

A Motor Sich é um grande fabricante de motores de aeronaves a jato para aviões e helicópteros russos.

Fonte: Deutsche Presse – Agentur – Tradução: Cavok

 

Exercício Arctic Fighter Meet ocorre na Finlândia

Um caça F/A-18 Hornet da Força Aérea Finlandesa taxia por trás de um caça Gripen da Força Aérea Sueca durante o exercício militar Arctic Fighter Meet 2011. (Foto: Força Aérea da Finlândia)

O Comando Aérea de Lapland, na Finlândia está realizando desde o dia 9 de maio um exercício bilateral de voo tático em cooperação com a Força Aérea da Suécia, o Arctic Fighter Meet 2011.

A Finlândia participa do Arctic Fighter Meet 2011 com oito caças F/A-18 Hornets e três jatos de treinamento BAE Hawk. A Suécia enviou seis caças JAS 39 Gripens para participar. Os caças Gripens operam a partir das bases de Rovaniemi, na Finlândia, em da Ala Norrbotten, em Kallax, Suécia.

Os voos ocorrem basicamente nas áreas próximas a Rovaniemi, Kemijärvi, Kuusamo, Ranua, Pudasjäri, Taivalkoski e Puolanka, nos períodos entre 9 da manhã e 6 da tarde.

O exercício termina na sexta-feira, dia 13 de maio de 2011.

 

IMAGENS: Três helicópteros Mi-171Sh do Peru estão prontos para entrega na Rússia

Um dos novos helicópteros Mil Mi-171Sh, destinados para o Ministério de Defesa do Peru, durante testes na Rússia. (Foto: Russian Helicopters)

Nos termos do contrato assinado pela empresa estatal russa de exportações de armas, a Rosoboronexport, em maio de 2011, a Russian Helicopters da Rússia irá fornecer ao Ministério da Defesa do Peru, três helicópteros Mi-171Sh fabricados pela fábrica de aviação de Ulan-Ude. Em 2010, a Rússia e o Peru assinaram um contrato para a venda de seis helicópteros de transporte militar Mi-171Sh. Os primeiros três helicópteros já estão na fábrica de aviação em Ulan-Ude prontas para o embarque.

Os helicópteros serão entregues ao Peru em um avião de transporte An-124. Pelos planos oficiais, o segundo lote de helicópteros Mi-171Sh chegará no Peru no segundo semestre de 2011. O contrato também inclui uma série de equipamentos da aviação e de assistência técnica e suporte para pilotos e técnicos de manutenção.

Equipado com novos sistemas, os multifuncionais helicópteros Mi-171Sh oferecem maior eficiência militar, recursos de defesa especial para os usuários e tripulantes do helicóptero, assim como uma instrumentação eletrônica e equipamentos de rádio para garantir a operação do helicóptero em condições meteorológicas adversas, a qualquer hora do dia ou da noite. O Ministério da Defesa do Peru planeja usar o Mi-171Sh para uma ampla gama de tarefas, incluindo a luta contra o tráfico de drogas.

Os três novos helicópteros Mi-171Sh do Peru estão agora prontos para serem enviados ao Peru, a bordo de uma aeronave An-124. (Foto: Russian Helicopters)

Hoje, o Mi-171Sh é um dos helicópteros mais populares no mundo quando se trata de helicóptero de transporte militar da classe média. Especialistas salientam a versatilidade desta máquina e admiram suas brilhantes especificações. Com grande dignidade, o Mi-171Sh tem sido demonstrado em vários locais com conflitos militares, em operações de ordem pública, e no combate ao terrorismo, tráfico de drogas e operações de busca e salvamento. Além disso, as máquinas são capazes de operar sob condições de grandes altitudes e clima quente.

 

Depois de vários testes em 2002, o Mi-171Sh produzidos pela fábrica de aviação de Ulan-Ude também foram oferecidos aos clientes em outros países. Mais de 120 unidades de Mi-171Sh foram fornecidas pela Rosoboronexport para o Oriente Médio, Sudeste Asiático, África e Europa Oriental. Vale ressaltar que os Mi-171Sh foram adquiridos não só pelo tradicional parceiro técnico-militar da Rússia, mas também aos Estados e membros da OTAN. Entre 2005 e 2008, 26 helicópteros foram entregues para a República Tcheca e Croácia.

Peru já tem mais de 10 anos de experiência com helicópteros da fábrica da aviação Ulan-Ude. Em particular, as companhias aéreas civis do país já tem os Mi-171 em sua frota. Os clientes elogiaram os helicópteros russos pela sua ficha técnica, alta confiabilidade, simplicidade e precisão de condução, além de capacidade de operar nas condições mais difíceis.

Os helicópteros Mi-171Sh do Peru foram fabricados na unidade fabril de Ulan-Ude, na Rússia. (Foto: Russian Helicopters)

O número de países da América Central e América Latina que preferem o Mi-171 e helicópteros Mi-171Sh fabricado pela fábrica de aviação de Ulan-Ude está aumentando a cada ano. Estas máquinas são populares no Peru e outros países da região.

 

Em 2010, o Mi-171A1 venceu o concurso, realizado pela petrolífera brasileira Petrobrás para realizar trabalhos sobre a bacia do Rio Amazonas. Além disso, nos termos dos contratos assinados pela Rosoboronexport e a fábrica russa de Ulan-Ude, mais helicópteros serão fabricados para clientes da América Latina.

 

VÍDEOS: Ensaios das apresentações de aeronaves da Força Aérea de Israel no Dia da Independência

A Força Aérea de Israel realizou os ensaios para celebrações do 63º aniversário de independência que vai contar com um desfile de aeronaves incluindo jatos de combates, aeronaves de reabastecimento e helicópteros. O sobrevoo de aeronaves da Força Aérea de Israel é uma tradição no Dia da Independência, com os pilotos iniciando os treinamentos semanas antes da ocasião.

Para este ano está prevista a passagem de diversas aeronaves, incluindo três helicópteros Sikorsky CH-53, três aeronaves de transporte Hercules, uma aeronave Boeing 707 com três caças F-15I em ala, cinco jatos F-16I, cinco caças F-16 e três aeronaves Gulfstream V. Pelas bases pelo país os visitantes poderão observar as decolagens e pousos, históricas aeronaves e demonstrações de aeronaves de combate a incêndios.

Durante a celebração, os israelenses também poderão ver a demonstração do novo esquadrão de demonstração aérea de Israel com as novas aeronaves T-6A Texan II, visto no vídeo que abre a matéria.

 

VÍDEO: ‘Homem-pássaro’ voa em asa a jato sobre Grand Canyon

Mais uma vez o aventureiro conhecido como o “homem-pássaro” fez o que parecia coisa de desenho animado. Usando uma asa impulsionada a jato, o suíço Yves Rossy fez um vôo inédito sobre o Grand Canyon, nos Estados Unidos. Durante oito minutos, o “homem-jato”, como ele também é conhecido, sobrevoou os cânions mudando a direção da rota apenas com o corpo. Ele atingiu velocidades de cerca de 300 km/h, voando acima dos 60 metros de altitude.

Rossy já cruzou o Canal da Mancha e sobrevoou os Alpes suíços na asa a jato.

Sobre a aventura no Grand Canyon, ele disse que foi “uma das experiências mais inesquecíveis” de toda a sua vida.

Fonte: BBC Brasil

Dica do amigo e colaborador Symon. Obrigado ;-)

 

Patria recebe sua primeira aeronave Tecnam P2002JF

As aeronaves Tecnam P2002JF encomendadas pela Patria Pilot Training da Finlândia. (Foto: Tecnam)

A Patria Pilot Training recebeu seu primeiro avião de treinamento Tecnam P2002JF no aeroporto de Helsinki-Malmi, na Finlândia. As primeiras 9 aeronaves Tecnam P2002JFs encomendadas devem ser integradas na frota da Patria nesse trimestre, como parte de uma atualização completa e modernização da frota disponível para treinamentos dos pilotos finlandeses. Além disso, a Patria também adquiriu uma opção de compra de pelo menos mais 3 aeronaves P2002JFs Tecnam em 2011.

A primeira aeronave, registada como OH-TPA, foi entregue via rodoviária vindo da unidade da Tecnam em Cápua, no sul da Itália, com suas asas separadas para remontagem no local, em Helsinque. As restantes oito aeronaves serão levados para a Finlândia pelo próprio pessoal da Patria, voando a partir da Itália.

A Patria é um fornecedor confiável de soluções de tecnologia e de ciclo de vida para os negócios de segurança, defesa e aeroespacial da Finlândia. A Patria é uma empresa global de defesa, segurança, e de de aviação que oferece aos seus clientes soluções competitivas com base na sólida experiência e colaboração com parceiros de confiança.

 

Grupo holandês Rekkof assina acordo para abrir fábrica de peças de aviões em Goiás

A aeronave XF-100NG proposta pela nova proprietária da marca Fokker. (Foto: Rekkof)

O Brasil pode se tornar o lar da nova geração dos aviões Fokker. A empresa holandesa Rekkof Aircraft, que comprou todas as licenças e projetos da antiga Fokker, declarada falida em 1996, já assinou com o governo de Goiás os termos do contrato da instalação, na cidade de Anápolis, de uma fábrica de peças para os aviões. A planta começa a ser construída em agosto e deve iniciar a produção até julho de 2014.

Num primeiro momento, os aviões serão produzidos na Holanda, com 35% das peças fabricadas no Brasil – entre elas a fuselagem, asas e outros componentes. No início da operação, essas peças vão fazer parte dos primeiros 60 aviões a serem fabricados na Europa. Em 2019, no entanto, a Rekkof pretende que o primeiro avião decole da fábrica brasileira, já com 75% de nacionalização de seus componentes.

As informações são do consultor-geral da empresa e responsável pela implantação da Rekkof do Brasil, Paulo Almada. O secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Alexandre Baldy, que participou da assinatura do protocolo de instalação da empresa, também falou da importância do projeto para o Estado e para o País, e comemorou o investimento que a Rekkof Aircraft fará, da ordem de R$ 1,23 bilhão. Baldy disse que, de início, serão gerados 1,8 mil empregos diretos, que ele acredita que se transformarão em pelo menos 5 mil indiretos.

Paulo Almada disse que o Brasil foi escolhido para receber o projeto “pela segurança política, econômica e jurídica que o País oferece”. Antes de se decidir pelo Brasil, foram feitas negociações com outros países, como China, Turquia e Argentina.

Não é a primeira vez, no entanto, que a Rekkof anuncia estar perto de retomar a produção dos aviões. Em 2006, o grupo indiano Cades Digitech informou estar discutindo com o grupo holandês a instalação de uma fábrica em Bangalore. O investimento estimado, à época, era de US$ 300 milhões. O acordo, porém, não foi à frente.

A Rekkof pertence à holding holandesa Panta, que já foi dona de duas empresas de aviação – a Denim Air, que parou de voar, e a VLM Airlines, que foi vendida à Air France-KLM. As duas empresas operavam com aviões Fokker 50.

Cronograma

O go­ver­na­dor Mar­co­ni Perillo, cumprimenta o presidente da Rekkof no Brasil, Pau­lo Al­ma­da, durante assinatura do acordo em Goiânia.

O nome Rekkof que batiza a empresa que vai fabricar a nova geração dos Fokkers foi escolhido propositalmente, por significar Fokker ao contrário. Paulo Almada lembrou que o Fokker é um projeto de sucesso no mundo inteiro – mais de 600 aviões deste modelo continuam voando em empresas como, por exemplo, a Avianca, que tem 14 unidades – e que a nova empresa comprou todos os projetos e licenças para fabricar a nova geração de aeronaves. A licença para a fabricação do Fokker é estimada em US$ 7 bilhões. “Vamos fabricar a evolução de um projeto de sucesso. Será um avião com tecnologia completamente nova e evoluída”, disse ele, ao esclarecer que não faz parte dos planos da empresa reformar ou revitalizar os Fokker 100 que estão em operação.

O primeiro Fokker F100NG deverá ficar pronto na unidade holandesa no final de 2015, e a primeira leva de 30 aeronaves – metade da produção do primeiro ano – será endereçada a países na Ásia. O dirigente da empresa no Brasil, porém, não disse quais países seriam esses.

De início, a fábrica da Rekkof em Anápolis vai produzir peças do NG 100 e enviá-las para a Holanda, onde será feita a montagem dos aviões. No primeiro ano, a nacionalização das peças começará com 35%, com transferência de tecnologia para o Brasil, e atingirá 75%, em oito anos, segundo informou Almada.

“Será um projeto binacional de cooperação”, assegurou. “Vamos iniciar a geração de novos produtos que podem colocar o Brasil na vanguarda da aviação tecnológica mundial”, disse o executivo, acrescentando que a Rekkof da Europa transferirá tecnologia para a Rekkof do Brasil. Para isso, lembrou, o governo de Goiás assegurou a instalação de um polo de ensino e capacitação de profissionais.

Fonte: O Estado de São Paulo – Tânia Monteiro

Dica do amigo e colaborador Symon. Obrigado ;-)

 

Aviação Virtual

Virtual Marco Ferreira
Aumentando a “realidade” do seu simulador com o A-29 Super Tucano e o Track IR
Saiba como ter o addon do Super Tucano no seu FSX e conheça o dispositivo Track IR para aumentar a realidade de seu voo virtual.

Histórias da Aviação Comercial

Virtual Marcelo Magalhães
Um Boeing 707 voando há mais de 50 anos
Conheça a trajetória de mais de 50 anos de operação de um Boeing 707-138B que atualmente está voando na África.

Asas Antárticas

Virtual Oswaldo Claro
Sempre alerta
Vocês sabiam que a FAB mantém equipamento e pessoal em alerta 24 horas em TODOS os seus esquadrões? Saiba mais aqui.

Notice: Undefined offset: 0 in /home/content/05/8942405/html/blog/wp-content/themes/ifeaturepro/core/actions/twitterbar-actions.php on line 90

No tweets to display