Boeing 707 da British Caledonian. (Foto: Steve Fitzgerald / Wikipedia Commons)

Atualmente, muitas companhias aéreas oferecem apenas uma classe executiva e uma classe econômica. Algumas começaram a oferecer uma versão de econômica premium para os passageiros. Cada vez menos companhias aéreas oferecem uma verdadeira primeira classe. Houve, no entanto, momentos em que havia apenas uma primeira classe e classe econômica a bordo – e nenhuma classe executiva. Foi somente em 1978 que um conceito de classe executiva foi introduzido pela primeira vez nos serviços aéreos regulares.

Boeing 707 da British Caledonian em 1968. (Foto: Dotonegroup / English Wikipedia)

Você pode pensar que foi uma das grandes companhias aéreas como PanAm, Air France ou Lufthansa que ofereceu a opção pela primeira vez. No entanto, foi uma companhia aérea agora desconhecida e extinta que lançou esta ideia: a British Caledonian.

O British Caledonian foi fundada na Escócia em 1970 como Caledonian Airways e se tornou o British Caledonian depois de assumir a British United Airways no mesmo ano. A companhia aérea tornou-se a maior companhia aérea privada da Grã-Bretanha – a British Airways e outras eram estatais – e mudou seu hub para o aeroporto London Gatwick.

Depois de resistir aos problemas da crise do petróleo de 1973, enfrentou uma concorrência cada vez maior nas rotas dos EUA para o Reino Unido. Os preços estavam caindo rapidamente e as companhias aéreas estavam cada vez mais incapazes de voar com capacidade suficiente para equilibrar as contas, especialmente no período de entressafra. A British Caledonian reagiu à redução das margens de lucro ao introduzir a cabine Super Executiva – a primeira classe executiva do mundo.

A publicação “Flight International” observou em sua edição de abril de 1978 que a British Caledonian havia introduzido um serviço de três classes. Um Boeing 707 voava de Gatwick para Houston com “24 assentos de primeira classe, uma cabine executiva com 54 assentos e 48 assentos na classe Thrift”. A Thrift era a classe econômica da companhia aérea.

Boeing 707-320C da British Caledonian em voo.

Logo, a British Caledonian introduziu a nova classe de viagem em suas outras rotas, anunciando “balcões de check-in separados, mais espaço para as pernas na cabine e uma maior variedade de alimentos e bebidas durante o voo”.

Outras companhias aéreas reconheceram as vantagens da nova classe e seguiram o mesmo caminho no mesmo ano. A Air France foi a primeira companhia aérea europeia (continental) a introduzir uma classe executiva, a PanAm copiou o produto do outro lado do Oceano Atlântico. Segundo a Flight International, a Air France cobrava cerca de 14% a mais por seu serviço de classe executiva do que por sua classe econômica. A British Caledonian foi claramente pioneira em uma nova classe de viagens.

A British Caledonian chegou a ser a maior companhia aérea privada da Grã-Bretanha.

A British Caledonian continuou a operar com sucesso até 1986, quando as viagens aéreas dos EUA para a Europa caíram drasticamente como resultado de ataques terroristas na Alemanha e no desastre de Chernobyl. Além disso, a turbulência política na Nigéria tornou repentinamente a lucrativa rota Londres-Lagos em uma rota que trazia prejuízos. Enquanto a companhia aérea ainda registrava um lucro de 21 milhões de libras esterlinas em 1985, sua perda em 1986 chegou a quase o mesmo valor.

A British Caledonian chegou a operar no Brasil. (Foto: Michel Gilliand)

A British Caledonian nunca se recuperou deste ano desastroso e foi comprada pela British Airways em 1988, exatamente dez anos depois de ter inventado a Cabine Executiva. A ideia de classe executiva, no entanto, sobrevive até hoje.


Fonte: AirlineGeeks

Dotonegroup at English Wikipedia

4 COMENTÁRIOS

  1. A BCal começou a operar no Brasil quando assumiu a British United. Inicialmente ela manteve o mesmo equipamento, o majestoso VC-10, que depois foi substituído pelo 707-320 e por fim pelo DC-10. Uma curiosidade é que o primeiro voo internacional a pousar no novo aeroporto do Galeão foi justamente um da empresa britânica.