Um caça F-22 Raptor sobrevoa Panama City Beach, na Florida. (Foto: U.S. Air Force)

Um caça Lockheed F-22A Raptor caiu hoje, dia 15 de novembro, às 15:30 hora local (17:30 horário de Brasília) na Base Aérea de Tyndall, na Flórida, a um quarto de milha a leste da pista. A aeronave fazia parte da 325ª Ala de Caça situada na base. A base fica localizada a 12 milhas da cidade de Panama City Beach.

A Rodovia 98, que passa próximo da base, foi fechada num trecho como medida de precaução, embora o acidente não tenha ocorrido na estrada.

O piloto conseguiu ejetar com segurança e está atualmente sob a supervisão do 325° Grupo Médico. Uma equipe de socorristas foi enviada ao local da queda, uma área desabitada próxima da estrada. Não houve feridos no local.

A causa do acidente ainda está sob investigação e detalhes adicionais serão fornecidas assim que estiverem disponíveis.

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta
Anúncios

52 COMENTÁRIOS

  1. Acidentes infelizmente acontecem embora quando se trata de aeronave norteamericana, especialmente o F-22, determinados comentários de cunho ideológico venham macular o debate.

      • Que dizer se até o presente suas criticas ao Raptor são em geral equivocadas meu caro Giba?

        • Questão de opinião, eu tenho a minha e tu tem a sua…

          E EU acho que é a sua que é equivocada…

          0 x 0, empate, bola ao chão…

    • Caiu que nem Su-27, Mig 21, F-15. De cima pra baixo, batendo no chão e explodindo.

      Se soltou pecinha ou não, ainda não se sabe.

    • Já pensou c fosse ak, depois da compra dos 36 do efixis? Os 35 restantes iam sair caro.. rsrs

      • Apesar de (em teoria) o americanos terem dinheiro sobrando, perder um aparelho destes, mesmo lá, deve
        ser de grande prejuízo.

  2. Caro Fernando,

    Ao tentar cadastrar no intensedebate ele acusa que já existe um nome igual o meu sendo usado, como faço então?

    • Acho que você terá que criar um novo usuário para se logar, mas tem como escolher depois o nome que aparece nos seus comentários, onde então você coloca Symon.

      Abraço,

      Fernando Valduga
      Editor Cavok Brasil

    • Symon,eu tive o mesmo problema,mas eu usei o meu cadastro do wordpress para entrar no intensedebate e funcionou,crique no "log in" e digite os seus dados no wordpress,claro se essa for a causa da duplicidade de nome.

  3. Que bom o piloto conseguir ejetar…
    Infelizmente este é o risco que o homem corre ao desafiar sua natureza e conquistar os céus.
    Desejo uma rápida melhora para o piloto.

    • Como já fechou a linha de produção, está até começando a apodrecer de TÃO MADURO…

  4. Num avião em fase de implantação apesar de parecer macabro, é aceitável este tipo de perda. Mas aí, caiu decolando, pousando, chuva, sol…

    (HMS Tireless, se fosse Russo, aí sim, choveriam críticas e quem defendesse a normalidade deste tipo de incidente seria tachado de alienado comunista radical… Pesquise o histórico do blog e verás… 😉 )

    (Valduga, deu maior trabalho me lembrar do email aonde cai o reset da conta do wordpress! mudamos de novo???)

    • Basta dar uma lida nos comentários sobre aquele SU-24 que caiu recentemente, que veremos esse comportamento.

  5. Como não tem maiores detalhes deste acidente, resta aguardar se é causa "natural" ou novamente algo relacionado à falta de oxigênio ou ma-estar de piloto. Mas acredito, que como o piloto ejetou, o mesmo não estava inconsciente. 🙂

    []'s

    • Amigo se foi o OBOGS não vão falar nem amarrado, se no hospital o piloto falar algo que sugira mau funcionamento do OBOGS ou disser que ficou tonto ou a visão turvou ele não vive até colocar o relato em papel…

      NÃO FOI DEFINITIVAMENTE O OBOGS…

  6. Rapaz, tem coisa errada aí, esses acidentes com os raptor andam meio frequentes….

  7. Eu pereço um piloto venezuelano tentando entender o Su 35 nestes comentarios…

    • Na verdade o irmão piloto bolivariano deve estar tentando entender o Su-30, o Su-35 ainda está só na encomenda… he he

  8. Well, se o piloto conseguiu ejetar PODE SER que o problema não seja relacionado ao MARDITO OBOGS…

    Kibão já sou cadastrado no Intense Debate…

  9. Seja F-22, SU-35, T-50, F-35, J-31..Acidentes acontecem..Até mesmo os melhores caças do mundo tem problemas..sejamos razoáveis com as criticas…

  10. A Boeing deve estar achando graça dos projetos bilionários da LM, moderniza mais F-15 correndo.

  11. Shit happens. Mas é triste acontecer isso com um avião que, por questões estratégicas, passa por um crivo de revisão e preparação muito mais criterioso.

    O mais importante é que o piloto ejetou com segurança.
    A América não perdeu mais um ás.

    Ah, é sempre bom colocar a fonte da notícia.

    • A divulgação para todos meios foi feita através da assessoria de imprensa da USAF. Como o texto foi editado e incluído trechos que não estavam no press release da USAF, o texto é do Cavok, assim como é feito por sites de notícias Fox, ABC News, Tampa News, entre outros, que não informaram a fonte mas usaram da mesma informação para escrever o texto.

      Entendido?

      Abraço,

      Fernando Valduga
      Editor Cavok Brasil

    • Cara com um preço unitário de meio bilhão de dólares, por mais que SEJA desumano, a perda da aeronave É muito mais danosa para a USAF.
      Pior, ainda por cima não pode mais ser recuperada pelo fechamento da linha de produção!

      Embora seja uma discussão meio sem sentido pois em 99,99 % dos acidentes militares não há esta alternativa de salvar aeronave e perder o piloto.
      Existem muito poucos casos onde o piloto ferido ou com problema sistêmico (coração/pulmão) consegue pousar a aeronave e morre na pista. Mesmo na 2WW.

      Normalmente é perder os dois ou só a aeronave…

  12. ainda to aguardando alguem fala o seguinte: com certeza usaram pecas pirateadas ou falsificadas da China no F-22!

  13. Parece que ainda existem sérios problemas com o F22;
    Nenhum programa 5G no mundo esta plenamente operacional, os mais desenvolvidos são os americanos F22 e F35, mas a custa de rios de dinheiro;
    No cenário mundial atual os caças 5G só tem utilidade como ferramenta de dissuasão, porém cada vez mais discutível; na prática os caças 4G ou 4G+ dão conta de qq demanda existente, até mesmo um Super tucano tem mais utilidade prática que um 5G;
    Continuo com a opinião que os programas 5G serão apenas laboratório para o que virá depois e nunca entrarão em combate;

  14. Falando SÉRIO:

    Sou ex-militar e um leitor de Sci-Fi toda minha vida em relação a "tese" dos caças de 5G (como foi proposto pelos americanos) ela NUNCA se concretizará COMPLETAMENTE da maneira como preconizada, no máximo o fará por um período breve de tempo.

    Por tudo que a história real CONTA e por tudo que CONTAM os que se esforçaram em imaginar o futuro dos combates militares na literatura científica.

    Num design que privilegia absolutamente a furtividade, sofrem todas as demais características de combate e há SEMPRE um comprometimento de capacidade militar máxima IMPLÍCITO.

    Num cenário de conflito real a furtividade absoluta é um nicho composto de operações especiais de infiltração, ataque inicial e superioridade aérea pura.

    Para a manutenção de uma campanha territorial mais prolongada contra um inimigo e com a necessidade de bater alvos em terra, depois que a surpresa acabou ou que alguém assumiu a superioridade aérea local (você ou seu inimigo) a furtividade é um valor BEM RELATIVO em relação a NECESSIDADE PRIORITÁRIA de você poder colocar a maior carga de armamentos no ar em cada sua aeronave…

    Para as aeronaves militares, em que seus airframes devem operar por 30/40 anos (ou mais), SEMPRE me pareceu uma loucura sem base científica ACREDITAR que num período de tempo tão longo se pode apostar todas as fichas na furtividade pois a eletrônica de radar e física de sensores, ambas baseadas na eletrônica e informática (ramo de crescimento exponencial) a sua vantagem de furtividade inicial não será relativizada ou anulada eventualmente. Basicamente uma aposta ARRISCADA OU IRRESPONSÁVEL conforme você encara a questão.

    PARA MIM o caça de 6 ª geração acabará sendo um caça de 4,5ª +++ com furtividade relativa e sem baias internas que em missão com necessidade furtiva será equipado com mísseis furtivos conformais de asa ou um tanque lateral conformal que na verdade será um POD furtivo que comporá um sistema similar ao conceito do lançador brasileiro Astros podendo conter 2, 4, 6 ou 8 mísseis conforme o TAMANHO que você quiser usar na missão…

    Se a furtividade não for requerida na missão a ser realizada, e a maioria não é, coloca-se os hardpoints externos e usa-se os armamentos não furtivos usuais…
    A DIFERENÇA é que seu projeto será otimizado para ESTA configuração onde a furtividade é apenas uma característica DESEJÁVEL e não MANDATÓRIA.

    O conceito ATUAL de caça 5G tem seu calcanhar de Aquiles nas limitações de baias internas (pequenas ou grandes).

    TALVEZ quando a tecnologia militar evoluir ao ponto de que as armas de energia embarcadas em caças puderem anular qualquer míssil atacante e até atacar alvos terrestres de superfície
    este conceito do caça 5G superfurtivo pode ser revisto como o design apropriado para toda frota.

    No estado atual da tecnologia militar com armamento ainda massivamente tradicional (e não furtivo) sou um crítico CÉTICO da viabilidade de substituição TOTAL das aeronaves 4,5G por QUALQUER caça de conceito 5G no cenário atual…

    • Talvez em parte vc tenha razão, Gil, porem como se chega em uma tecnologia mais avançada sem passar por esta etapa?

      • Não tem como, o problema é passar para esta etapa ABANDONANDO a anterior…

        Com dor e muito dinheiro desperdiçado, que é o caso do F-22 Raptor.

        O programa JSF tem como META substituir as aeronaves F-16, F/A-18 (até as versões C/D), AV-8 Harrier II e o A-10…

        O problema aqui é a velocidade da mudança e o F-22 CLARAMENTE não é um substituto INTEGRAL do F-15 que era o objetivo do programa.

        NESTE SENTIDO, com os recentes anúncios de que a USAF terá de implementar um programa de modernização URGENTE E CRÍTICO na frota de F-15 em que as unidades mais antigas já tem o TRIPLO de horas realizadas além do limite inicialmente estabelecido para seu ciclo de vida operacional, o terminado programa F-22 Raptor só pode ser CLASSIFICADO COMO UM PROGRAMA QUE FALHOU SEU OBJETIVO PRINCIPAL. E ponto final.

        Veremos se os F-35 aposentarão TODOS os F-16 na USAF…

        OFICIALMENTE a única aeronave de caça americana que não tem um substituto de 5G DESIGNADO é o F/A-18 E/F Super Hornet…

        • Em verdade Giba,todo esse seu arrazoado é no afã de encontrar justificativas e/ou atenuantes para o fato de nossos “parceiros estratégicos” até o presente terem sido incapazes de desenvolver um aparelho de quinta geração.E sim, o SH já tem um substituto 5G designado,o futuro F/A-XX

    • Engraçado você vir defender a tese de que os EUA erraram ao desenvolver a 5 geração mas não explica o porque de Rüssia e China estarem literalmente correndo atrás da mesma tecnologia. Por que será?

      • HMS

        Ele nao disse isso. Ele disse que apostar unica e exclusivamente em projetos apenas voltados para stealth, em detrimento de todo o resto, é o grande erro.

        Eu nao sou contra o stealth, eu sou contra apostar tudo nele… daqui a pouco vao querer substituir os Refueller por um F 35 !! ( Rf35 – refueller !!) KKKKKKKKK !! 🙂

    • EXCELENTE COMENTARIO !!! Eu sempre disse essas coisas, mas fui taxado de comunista, maoista, trotskista stalinista pol-potista chavista fanatico, e ainda, petista… ( petista nao, pelo amor, ate pol-potista aguento, mas petista ?? kkkk !)

      Muito boa análise ! É o melhor comentario que ja vi o Cavok !

  15. Nós aqui falando dos caças alheios (bem ou mal), e discutindo qual seria o melhor para nosso amado Banania, e esquecemos que para termos (e operarmos adequadamente) estas maquinas maravilhosas (e tremendamente caras de adquirir e operar) precisaríamos de uma politica de defesa de verdade, com um orçamento também DE VERDADAE. Nos esquecemos que os PNDs, PEAMBs e outras siglas esquisitas que infestam a nossa burocracia. Não passam de alegorias, sem nenhuma valia prática. Vejam abaixo, nem mesmo o orçamento dos submarinos (contrato assinado e bla-bla-bla) foi cumprido novamente. Foram gastos meros 24% do orçamento dos subs. Imaginem então se vai ter dinheiro para aviãozinho?

    Menos da metade do orçamento previsto em 2012 para a Política Nacional de Defesa foi gasto.
    http://www.contasabertas.com.br/WebSite/Noticias/

  16. giltiger,

    A quantidade de armamento levado é perfeitamente equilibravel pela precisão dos mesmos nos dias de hoje. Se antes era necessária uma quantidade enorme de bombas para atingir um objetivo, hoje apenas algumas armas guiadas resolvem o mesmo problema. Em outras palavras, é possivel eliminar a quantidade em favor da qualidade, visto que a precisão permite acertos neutralizantes com uma menor quantidade de bombas. E também, óbvio, minimiza-se a quantidade de danos colaterais… Ou seja, é mais conveniente uma arma de precisão do que várias de tecnologia obsoleta… E em suma, a aeronave não precisa levar uma quantidade monstruosa de bombas ou mísseis como no passado, pois apenas algumas farão o necessário. Aliás, isso já ocorre nos dias de hoje.

    Por seguinte, hoje verifica-se que os sistemas anti-aéreos tornam-se cada vez mais capazes. Mísseis velozes, com mais alcance, e com capacidade de manobrar além do que qualquer caça jamais seria capaz. Logo, a melhor maneira de evita-los é justamente não ser localizado pelos sistema de defesa aérea. Aí entra o conceito de aeronaves stealth. Quanto mais tempo a aeronave permanecer fora das telas dos radares, maior a chance de sobrevivência e completar a missão.

    Dentro desse cenário, as aeronaves de quarta geração somente seriam capazes de sobreviver se adotarem potentes sistemas de proteção eletrônica. Contudo, mesmo a utilização desses sistemas não oferece uma proteção total… Sistemas "home on jam" podem muito bem utilizar as próprias emissões dos dispositivos de proteção para localizar os alvos e ataca-los. Ou seja, quanto menos depender deles, melhor será… Ponto para o stealth.

    Em suma, quem não possuir a quinta geração, será simplesmente varrido dos céus…

    Quanto a sexta geração, ainda é cedo para se especular muita coisa… Contudo, é provavel que seja dominada por UAVs para as funções mais perigosas, como ataque e reconhecimento, com uma margem muito pequena para aeronaves tripuladas…

Comments are closed.