Cessna Citation VII, prefixo PT-WQH, pertencente ao Banco Bradesco (2)
Aeronave Acidentada – Cessna Citation VII, prefixo PT-WQH, pertencente ao Banco Bradesco / Foto: Ícaro Roberto

O comando do Corpo de Bombeiros do município de Catalão, no sudeste de Goiás, confirmou a morte de quatro pessoas na queda de um jato executivo Cessna Citation VII, prefixo PT-WQH, pertencente ao Banco Bradesco, ocorrida na noite desta terça-feira (10) na zona rural do município, entre o distrito goiano de Santo Antônio de Rio Verde e a cidade mineira de Guarda-Mor.

Cessna Citation VII, prefixo PT-WQH, pertencente ao Banco Bradesco (3)
Destroços da aeronave acidentada: Cessna Citation VII, prefixo PT-WQH, pertencente ao Banco Bradesco

O acidente ocorreu por volta das 20 horas e foi comunicado aos bombeiros por moradores de uma fazenda vizinha. As equipes deslocaram-se até o local, mas não há informações mais detalhadas, porque o contato telefônico na área é precário. O avião teria caído entre as fazendas Chapadão e Junqueira, provocando incêndio na plantação.

Uma enorme cratera de cerca de 10 metros de largura com 4 de profundidade se abriu no local do impacto da aeronave com o solo. Funcionários da fazenda disseram que o avião estava voando baixo e balançando de um lado para outro e logo em seguida sofreu a queda.

Segundo informações da Perícia de Paracatu  que chegou ao local durante a madrugada, a aeronave certamente está debaixo da terra.

Alguns pedaços do avião foram lançados cerca de 150 metros do local do impacto. Peritos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos(CENIPA) chegaram ao local por volta de 06 horas da manhã para investigar as causas do acidente.

Nenhum corpo foi localizado no local, o que levanta a hipótese de que grandes partes do avião estejam debaixo da terra.

Próximo do local do acidente há uma pista de pouso de aviões. Certamente o piloto teria percebido a falha e tentou pousar na pista , porém o avião caiu cerca de 2 quilômetros antes.

Segundo a Força Aérea Brasileiroa (FAB), a aeronave modelo Citation VII, de matrícula PT-WQH decolou às 18h39 do aeroporto de Brasília com destino a São Paulo e desapareceu dos radares do controle de tráfego às 19h04.

Obs: Entre as vítimas estão o presidente do Bradesco Vida e Previdência, Lúcio Flávio de Oliveira, e o presidente da Bradesco Seguros, Marco Antônio Rossi, que também era presidente da CNSeg, da Fides.

Rossi era o nome escolhido internamente para suceder Luiz Carlos Trabuco no comando do Bradesco.

divider 1

FONTE: O Popular, G1, Patos Agora

EDIÇÃO: Cavok

NOTA DO EDITOR: Assim que soubermos de informações adicionais, atualizaremos o artigo.

Anúncios

15 COMENTÁRIOS

  1. Qualquer acidente aeronáutico eh triste, principalmente com vítimas fatais.
    Lá se vai um grande administrador. Grande perda.

  2. Xíííí..
    A Coisa tá feia ultimamente….
    Uma tragédia após a outra….
    São dias sombrios para a aviação…
    Moradores disseram que viram uma explosão (trovão) e fogo no ar…
    E o FlightRadar não conseguiu acompanhar esse vôo..
    Olha o manual do Citation 7 no "Crash Site": https://pbs.twimg.com/media/CTfkl2fWwAAreoF.jpg:l
    Realmente uma pena….

  3. Lamentável ! Pelas fotos dá pra ver que bateu com velocidade alta ! Entre os grupos de pilotos estão comentando que a aeronave despencou do nível 390 até o chão ! Vamos aguardar mais detalhes ! Sinceros pêsames aos familiares da tripulação e dos passageiros ! 🙁

    • Puts…
      Testemunhas falaram que viram destroços flamejantes…
      Será que houve comunicação com a torre?

      • Talvez amigo ufric ! Temos que aguardar mais detalhes ! Abraço Edu !

  4. Pelas imagens, e sabendo que a cratera tem cerca de 05 metros, podemos supor que a aeronave colidiu com o solo em velocidade de voo, ou seja, não houve a tentativa de pouso. Confirmam?

  5. Porque executivos de grandes empresas voam nestes jatos? Eu se fosse um destes caras nunca colocaria os pés neste tipo de aeronave, principalmente com a manutenção sendo feita no Brasil. Que tragédia.

    • Ainda bem que você não é um executivo né, a empresa estaria falida ou atravancada no século passado.

      Viajaria do que? De avião de carreira? Esperando horas para o voo? Fazendo escalas? O ganho de tempo em jatos particulares é algo imensurável. Talvez você prefira ir de ônibus ou carro, afinal, 52.000 mortes no trânsito por ano deve ser mentira.

      Imagina estes caras que são a cabeça das operações destas empresas tendo que sair apressado de uma reunião para pegar um voo para retornar para São Paulo.

      Jatinhos foram feito para que o cara possa trabalhar com tranquilidade sem atropelos e se deslocar na hora que quiser.

      Já presenciei executivo realizar reuniões em 4 cidades em um dia, para agilizar o processo da cadeia produtiva em suas fábricas.

      Enviam engenheiros e outros funcionários com rapidez para todas as sedes da empresa, chegam em cidades onde as companhias aéreas não chegam.

      • Mas é fato que o índice de acidentes na aviação executiva é maior que na aviação comercial.

        • Com toda certeza Marcelo, mas não é o ponto central da discussão e sim a dúvida do rapaz em não saber o porque as pessoas utilizam jatos executivos.

          Se todos tivessem esse medo todo dele, não haveria jatinhos e toda a industria nesta área, nem para-quedismo existiria.

  6. Tudo lindo mas se a manutenção não estiver perfeita da nisso
    basta um fio no lugar errado.

Comments are closed.