Jatos de treinamento KAI-T-50I da Força Aérea Sul Coreana (RoKAF).

O plano da agência de aquisições de defesa de assinar um acordo para troca de aeronaves militares com a Espanha está chamando a atenção, já que seria a primeira vez que um fabricante coreano exportaria jatos de treinamento para a Europa.

Segundo o plano, a Coreia deverá vender 30 jatos básicos de treinamento KT-1 e 20 jatos de treinamento avançado T-50, fabricados pela Korea Aerospace Industries (KAI), para a Espanha. O país europeu também planeja vender quatro a seis aviões de transporte A400M da Airbus para a Coreia como parte do acordo de troca de aeronaves.

O contrato relatado, se assinado, aumenta as esperanças de que a Coreia e a KAI se aprofundem na Europa e aumentem seu perfil global no setor de defesa. O acordo está estimado em 2 trilhões de won (US$ 1,77 bilhão).

Mas a Administração do Programa de Aquisição de Defesa da Coreia (DAPA) negou o plano, dizendo que “nenhuma discussão está em andamento” entre Seul e Madri sobre o acordo de troca de aeronaves.

“Autoridades militares e governamentais espanholas ainda não entraram em contato conosco por meio de rotas oficiais sobre o acordo”, disse um funcionário da DAPA no domingo. Depois que relatórios sobre o possível acordo de troca surgiram nas últimas semanas, a agência de aquisições de defesa entrou em contato com a Espanha para confirmar se o país está considerando o acordo, mas o governo espanhol negou o boato, segundo o funcionário.

Aeronave A400M reabastece em voo dois Hornets da Força Aérea Espanhola.

O boato veio quando o Ministério da Defesa espanhol supostamente planeja vender para outros países 13 dos 27 aviões A400M encomendados pela Airbus.

As autoridades de defesa da Coréia e da Espanha se reunirão na próxima semana na capital do país para uma reunião conjunta do comitê de defesa.

Por esta razão, a atenção da mídia tem tentado descobrir se ambos os lados terão alguma discussão aprofundada sobre o acordo de aeronave relatado. Mas a DAPA negou a possibilidade de que qualquer dos lados a traga para a mesa de diálogo durante a reunião.

“O possível acordo de troca não está na agenda de diálogo da reunião”, disse o funcionário da DAPA. “Como não houve propostas oficiais da autoridade espanhola, a questão não será discutida.”

Na semana passada, reportagens locais disseram que um oficial de defesa espanhol entregou o interesse do país em assinar o acordo de troca em uma reunião com uma autoridade coreana nos bastidores do Farnborough International Airshow no Reino Unido em julho. Alguns relatórios alegaram que a Coreia não respondeu à oferta.

Mas a DAPA disse que conduziu um processo interno de checagem de fatos sobre a reportagem, e nada foi confirmado sobre se a autoridade espanhola contatou a agência coreana de defesa sobre o acordo de troca.

Treinador sul-coreano KT-1B Woongbi.

A DAPA está em uma posição que o possível contrato de troca de aeronaves é um acordo ganha-ganha para ambos os lados e que irá receber o contrato se a Espanha entregar uma proposta oficial.

A KAI também está disposta a assinar o grande contrato com a Espanha, já que a empresa recentemente não conseguiu ganhar um contrato de jatos nos Estados Unidos. Em setembro, a Força Aérea dos EUA concedeu um contrato de Treinamento Avançado de Piloto (T-X) de US$ 9,2 bilhões para um consórcio liderado pela Boeing.

Naquela época, um consórcio da Lockheed Martin e da KAI não conseguiu competir com a estratégia de baixo preço do consórcio da Boeing em parceria com a Saab.

A KAI estava desesperada para ganhar a licitação, já que o projeto T-X foi citado como uma oportunidade de ouro para a empresa coreana elevar sua imagem de marca global. Além disso, a KAI acreditava que o projeto abriria caminho para a empresa assinar mais contratos nos EUA e outros mercados estrangeiros.


Fonte: Korea Times

Nota do Editor: Autoridades da Coreia do Sul e da Espanha se reunirão na próxima semana em Madri (Espanha) para uma reunião conjunta do comitê de defesa. Somente aguardando o resultado da reunião para sabermos se é verdade ou não a negociação.

Anúncios

4 COMENTÁRIOS

  1. As empresas militares coreanas têm um trunfo importante para competir em mercados externos, os conglomerados industriais que estão por trás das mesmas. Uma atuação concertada com o Estado sul-coreano pode sim abrir mercados, inclusive para meios navais e terrestres.

  2. Realmente desesperada devia estar a KAI para aceitar uma troca de suas aeronaves por esta jaca A-400M. Os espanhóis querendo se livrar de metade do que encomendaram reforça o que já foi divulgado sobre esta aeronave ser problemática, caríssima de operar e não cumprir os requisitos exigidos pelos sócios do projeto. Vale lembrar que a Emirates também está querendo se livrar de receber as últimas encomendas do faraônico A-380.

    • A intelligentsia blá blá blá só porque é mais caro que um C17 e uma dor de cabeça.

Comments are closed.