O único porta-aviões da Marinha da Rússia está previsto para ser reintegrado ao serviço ativo em 2021.

O porta-aviões está passando por reparos programados. “O porta-aviões sofrerá a substituição de todas as caldeiras e equipamentos. Há um acordo com os construtores de navios para concluir os reparos em 2020 e, em 2021, o navio de guerra retornar à frota“, disse o vice-ministro da Defesa, Yuri Borisov.

O Admiral Kuznetsov é o único porta-aviões da Rússia. Ele foi lançado em 1985 e entrou em serviço em 1990. O navio de guerra tem 305 metros de comprimento, sendo o convoo com 72 metros de largura. O navio desloca 59.000 toneladas.

O Kuznetsov está armado com mísseis de cruzeiro Granit em 12 lançadores inclinados sob o convés. O navio de guerra pode transportar até 30 caças entre MiG-29K/KUB e Su-33, além de helicópteros de ataque Ka-52K e helicópteros de guerra anti-submarino Ka-27 e Ka-29.


FONTE: TASS

15 COMENTÁRIOS

    • Pelo que eu entendo de caldeira, Ramanogem não é o caso…

      Ramonagem é induzida, com propósito de limpeza, ou seja, é soprar fuligem presa nas tubulações. Ali o problema é de regulagem de queima. Estão trabalhando fazendo uma queima incompleta.
      O maior problema que isso aí acarreta é questão de custo, pois estão trabalhando com baixa eficiência.
      .
      Talvez o problema também possa ser a qualidade do combustível.

  1. Piadas à parte quanto à fumaceira, trata-se de uma belonave com mais de 30 anos de serviço e que ainda passou pelo período de sucateamento-geral da Rússia de Yeltsin nos anos 90. Diante disso, até que está bem conservado.
    Não se compara aos dos EUA, mas penso eu que a Rússia o esteja mantendo em atividade para manter a doutrina até que consiga construir uma nova geração. Já está provado que manter uma belonave dessa complexidade é uma tarefa hercúlea e cheia de percalços, aí estão os FS Charles de Gaulle, HTMS Chakri Naruebet e A-12 São Paulo para comprovar.