Uma aeronave aposentada Breguet Atlantic da Força Aérea Italiana foi transportada por um Erickson S-64F Skycrane até um museu em Lago di Bracciano. (Foto: AMI)

A transferência de uma aeronave desativada Atlantic da Força Aérea Italiana (AMI – Aeronautica Militare Italiana), desde Pratica di Mare para o Museu da AMI junto ao lago Bracciano, foi realizada em colaboração com o Corpo de Bombeiros Nacional da Itália (Corpo Nazionale dei Vigili del Fuoco) graças a um helicóptero de transporte especial S-64F Skycrane.

E a aeronave de patrulha “pousou” nas margens do lago Bracciano no dia 18 de outubro, onde ele irá se tornar parte da coleção do Museu da Força Aérea Italiana, o último exemplar da aeronave anti-submarino e de patrulha marítima Breguet Br.1150 Atlantic (MM40118/41-03), que estava em serviço até novembro passado na 41ª Ala de Sigonella.

A transferência especial foi feita em voo com um helicóptero especial Erickson S-64F da Brigada de Incêndio Nacional operado no evento pela European Air Crane Company (EuAC).

O helicóptero, normalmente utilizado para atividades de combate a incêndios e emergências, levantou o Atlantic por um cabo especial abaixo da fuselagem a partir da pista do aeroporto militar de Pratica di Mare, onde pousou pela última vez no dia 22 de novembro, após sua última atividade de voo, e foi transportado para a sede do Museu Histórico da AMI ao longo de um caminho autorizado e previamente acordado com as autoridades de tráfego aéreo civil, as prefeituras e autoridades locais envolvidas.

Para chegada do Breguet Br.1150 em Vigna di Valle, o General Brigadeiro Charles Moscini, inspetor de aviação para a Marinha, quando a transferência foi concluída entregou simbolicamente o Atlantic ao Diretor do Museu, o tenente-coronel Adelio Roviti. Estavam presentes os técnicos e executivos do Serviço Aéreo do Corpo Nacional de Bombeiros que acompanharam todas as fases preparatórias da missão e a transferência da fuselagem do Atlantic.

“O Atlantic vai direto para as fileiras dos aviões de prestígio do Museu da Força Aérea” – disse o general Moscini. “As atividades operacionais realizadas pela aeronave no campo operacional foram incríveis: mais de 45 anos de serviço registrando mais de 260.000 horas de voo. O “Submarine Hunter” foi uma combinação perfeita de operações e eficácia resultantes de uma aeronave muito confiável, e com capacidades operacionais incríveis para o qual não poderia ficar fora da coleção do Museu”.

O primeiro avião Atlantic da Força Aérea Italiana chegou em Sigonella na tarde de 27 de junho de 1972. Durante vários anos, já havia começado na Ala 41 a fase de transição para o novo sistema de armas, a aeronave ATR-72 na versão militarizada de “patrulha marítima” P -72A, que chegou em Sigonella no dia 25 de novembro de 2016.

O 41º Stormo de Sigonella é uma verdadeira força operativa no campo da Defesa Italiana. Esta especificidade é, desde 1965, um exemplo de sinergia e cooperação entre agências, de modo a receber em 28 de março de 2007, pelo Presidente da República, a Medalha de Prata de Mérito Civil em reconhecimento pelo trabalho meritório e incansável realizado pelo Departamento, no período de 1990 a 2005.

O Atlantic é uma aeronave que tem operado com tripulações compostas de 13 unidades com a particularidade de ser formado por oficiais pilotos e oficiais não comissionados a bordo pertencentes tanto à Força Aérea quanto à Marinha. Uma das principais características da aeronave foi a capacidade de permanecer em voo por mais tempo que qualquer outra aeronave similar, atingindo um recorde de 19 horas e 20 minutos sem nenhum tipo de suprimento.

Em 45 anos de atividade, dezoito aeronaves Atlantic da AMI trabalharam nas águas do Mediterrâneo para defender as fronteiras nacionais, mas também em muitas missões internacionais que participaram em numerosos exercícios da OTAN e não-OTAN. Os Atlantics chegaram em destinos de prestígio, como o Pólo Norte em 1997, todos os grandes aeroportos militares europeus incluindo a Islândia e até mesmo sugestivos voos transoceânicos e para outras regiões do mundo, como para Índia, Marrocos, Canadá, Groenlândia, Egito, EUA, Líbano, Emirados Árabes, etc.

O Atlantic agora é adicionado às mais de 80 aeronaves já existentes no Museu da Força Aérea Italiana, uma estrutura com 13.000 metros quadrados de área de exposição coberta é um dos maiores e mais interessantes museus aeronáuticos existentes. Dispostos em quatro grandes salas de exposições, o museu abriga também uma grande coleção de motores e memorabilia de aviação de vários tipos, que contam, em ordem cronológica, a história do voo militar na Itália e dos homens que foram protagonistas desta história.

Anúncios