Aeronave de transporte tático An-32 da Força Aérea Indiana.

A frota de aeronaves de transporte militar tático Antonov An-32, da Força Aérea Indiana (IAF), foi formalmente certificada, no dia 24 de maio, para voar com combustível misto de aviação contendo até 10% de biocombustível de aviação fabricado no país.

O certificado de aprovação foi recebido nas instalações de testes de motores de aviação em Chandigarh, pelo Comandante Sanjiv Ghuratia VSM, Oficial Aéreo no Comando da 3ª Base de Reparo e Manutenção da IAF (3 BRD), em nome de P. Jayapal, Chefe Executivo do Centro para Aeronavegabilidade e Certificação Militar (CEMILAC).

O CEMILAC é um laboratório, sob a Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO) do Ministério da Defesa da Índia, cuja função principal é a certificação e qualificação de aeronaves militares e sistemas aerotransportados.

A IAF realizou uma série de testes de avaliação e testes com este combustível de aviação ecológico durante o último ano. O escopo dessas verificações estava em consonância com os padrões da aviação internacional.

A aprovação é um reconhecimento dos testes meticulosos que são usados o biocombustível de aviação desenvolvido pela IAF, disse uma declaração do Ministério de Defesa da Índia. Este biocombustível seria produzido a partir de óleos de árvores (TBOs).

O biocombustível indiano foi produzido pela primeira vez pelo laboratório CSIR-IIP (Conselho de Pesquisa Científica e Industrial – Instituto Indiano de Petróleo) em Dehradun em 2013, mas não pôde ser testado ou certificado para uso comercial em aeronaves devido à falta de teste nas instalações no setor da aviação civil. Em 27 de julho de 2018, o Chefe da Força Aérea Indiana, Marechal BS Dhanoa anunciou formalmente a intenção da IAF de permitir o uso de todos os seus recursos para testar e certificar o combustível indiano. Desde então, a equipe e os engenheiros de testes de voo da IAF avaliam o desempenho desse combustível em relação aos padrões internacionais.

Anúncios