Jatos de ataque Su-25 russos sobrevoam a ponte que cruza o Estreito de Kerch.

Vários jatos e helicópteros de combate russos foram posicionados para ajudar no bloqueio ao Estreito de Kerch. O incidente levou a força aérea ucraniana a ficar em alerta máximo.

Uma fonte local confirmou que a Força Aérea Ucraniana foi colocada em alerta máximo pelo Presidente Petro Poroshenko durante uma reunião com o Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia na noite de 25 de novembro de 2018. Poroshenko disse que proporia que o parlamento imponha a lei marcial.

No dia 25 de novembro de 2018, três navios da marinha ucraniana estavam transitando de Odessa para o porto de Mariopol quando a marinha russa interceptou o comboio enquanto tentava atravessar o estreito de Kerch, sob a ponte recém-construída entre a Crimeia e a Rússia.

A Rússia impediu que os três navios ucranianos entrassem no Mar de Azov, colocando um navio de carga sob a ponte.

Quando os navios ucranianos apareceram nas águas do estreito de Kerch, os moradores viram aviões voando sobre a ponte de Kerch.

Dois aviões Su-25 Frogfoot, de ataque terrestre, armados com armas anti-navio (tanto mísseis antinavios Kh-31 como Kh-35), foram acionados pelos militares russos para apoiar as operações da marinha.

Um helicóptero Mi-8 também foi visto acima do confronto, quando a Guarda Costeira Russa ameaçava o rebocador ucraniano.

Imagens indicam a presença de pelo menos um helicóptero de combate russo Ka-52 armado com tanques extras de combustível e foguetes. Vários helicópteros de transporte Mi-8 também foram vistos, supostamente desembarcando as Forças Especiais Russas perto da vila de Zavitne, a oeste da entrada do estreito.

A Marinha Ucraniana disse na mídia social que seis marinheiros ucranianos foram feridos na apreensão subsequente de seus navios que parecem ter sido abalroados e embarcados, e que o ataque russo a eles ocorreu depois que eles recuaram e se dirigiram de volta a Odessa, porto do Mar Negro de onde haviam começado sua jornada.

Jatos Su-25 ucranianos.

Durante meses, a Ucrânia alertou que a Rússia iria negar o acesso ao Mar de Azov aos navios que se dirigem para os portos ucranianos, em um esforço para corroer ainda mais a economia da Ucrânia e confirmar o controle total sobre o acesso ao mar. Alguns postulam que tal ato seria um prelúdio para uma grande ofensiva militar para tomar as cidades portuárias ucranianas e eventualmente conectar o território separatista apoiado pela Rússia no leste da Ucrânia com a Criméia, controlada pela Rússia.

A Rússia anexou a Crimeia em 2014 e depois construiu uma gigantesca ponte rodoviária ligando-a ao sul da Rússia, que atravessa o Estreito de Kerch – uma estreita faixa de água que liga o Mar Negro ao Mar de Azov, que abriga dois dos portos mais importantes da Ucrânia.

O controle da Crimeia pela Rússia, onde a Frota do Mar Negro está baseada, e da ponte, demonstra a capacidade de controlar os fluxos de navios.

Aeronaves RC-135V River Joint e RQ-4B Global Hawk dos EUA realizaram voos de reconhecimento no dia seguinte ao incidente, perto da península da Crimeia.

De acordo com o ItaMilRadar (monitoramento de movimentos de aeronaves militares), a aeronave não tripulada Northrop Grumman RQ-4B da USAF, da Estação Aérea Naval (NAS) Sigonella, realizou uma missão de vigilância no sul e no leste da Ucrânia, verificando a situação no território controlado pelos grupos pró-Rússia.

Além disso, o Boeing RC-135V Rivet Joint de reconhecimento da Força Aérea dos EUA, que decolou da Base Aérea de Souda Bay, realizou uma missão semelhante em relação ao Mar Negro na península da Crimeia.

A União Européia afirmou que esperava que a Rússia restaurasse a liberdade de passagem através do Estreito de Kerch e pediu aos dois lados que agissem com a máxima moderação para reduzir a situação. Um porta-voz da OTAN fez um apelo semelhante aos dois lados.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Interessante que está briga pelo mar de Azov ,não começou agora ,mas logo quando a URSS acabou , Russos e Ucranianos já se "besliscaram" umas 4 vezes por este mar semi fechado, a primeira briga foi em 1993,se não me engano… Os Russos nunca engoliram a "doação da Criméia para a Ucrânia" , logo ao fim da União Soviética ,aquela região caiu num clima Ruin entre os dois países…
    Há algumas semanas atrás varias embarcações de pescadores Russos foram apreendidas pela Ucrânia ,agora outro incidente… Seria uma alternativa para os Ucranianos abrir um "canal"no norte da Criméia..

  2. Jamais deve se defender a Rússia e desprezar a Ucrânia ou vice versa, pois são praticamente o mesmo povo ..
    E Países com os mesmos problemas, Corrupção ,falta de liberdade , não respeita direitos humanos etc…Se o Ocidente acha que a Rússia e má e a Ucrânia Santa , estão enganados..mas com certeza não acham,pois ainda não o aceitaram na OTAN ,e está cada vez mais longe dela ser aceita na UE também..

  3. A Ucrânia me lembra os argies, incapazes de resolverem seus problemas a todo custo querem que a merd* deles caia sobre os outros…

    • A Polonia passou pela mesma opressão, olha o que ela é hoje…
      Culpar os russos na GF ou pior ainda pós GF é culpar os outros pelos seus erros, por ser incapaz ou não ter coragem.

  4. Ucrânia é para a ONU o que a Checoslováquia foi para a Liga das Nações.

Comments are closed.