A Airbus entregou 800 aeronaves comerciais em 2018.

A Airbus entregou 800 aeronaves comerciais para 93 clientes em 2018, cumprindo as diretrizes de entrega para todo o ano e estabelecendo um novo recorde na empresa. As entregas foram 11% maiores do que o recorde anterior de 718 unidades, estabelecido em 2017.

Pelo 16º ano consecutivo, a Airbus aumentou o número de entregas de aeronaves comerciais anualmente.

No total, as entregas de aeronaves comerciais de 2018 foram estas:

  • 20 A220s (desde que se tornou parte da família Airbus em julho de 2018);
  • 626 aeronaves da Família A320 (contra 558 em 2017), das quais 386 eram da Família A320neo (contra 181 NEOs em 2017);
  • 49 A330 (contra 67 em 2017) incluindo os três primeiros A330neo em 2018;
  • 93 A350 XWBs (contra 78 em 2017);
  • 12 A380 (contra 15 em 2017).

Em termos de vendas, a Airbus obteve 747 pedidos líquidos durante 2018, em comparação com 1.109 pedidos líquidos em 2017. No final de 2018, a carteira comercial da Airbus atingiu um novo recorde na indústria e ficou em 7.577 aeronaves, incluindo 480 A220s, em comparação com 7.265 no final de 2017.

A Airbus incorporou a linha de aeronaves C Series, e renomeou as aeronaves como A220.

“Apesar dos desafios operacionais significativos, a Airbus continuou seu crescimento de produção e entregou um número recorde de aeronaves em 2018. Saúdo nossas equipes em todo o mundo que trabalharam até o final do ano para cumprir nossos compromissos”, disse Guillaume Faury, presidente da Airbus Commercial Aviation. “Estou igualmente satisfeito com a entrada saudável de pedidos, pois mostra a força subjacente do mercado de aeronaves comerciais e a confiança que nossos clientes depositam em nós. A minha gratidão vai para todos eles pelo seu apoio contínuo”. Ele acrescentou:“ Ao procurarmos aumentar ainda mais a nossa eficiência industrial, continuaremos a fazer da digitalização do nosso negócio uma prioridade chave”.

Nos últimos 16 anos, a Airbus aumentou sua produção ano a ano com as linhas de montagem finais em Hamburgo, Toulouse, Tianjin e Mobile, complementadas pela adição da linha A220 em Mirabel, Canadá, durante o ano de 2018. Uma contribuição notável para a Airbus. O aumento de entregas da Airbus em 2018 veio das linhas de montagem finais nos EUA e na China.

A primeira aeronave A330neo entregue, para TAP Air Portugal.

Para a família A320 em particular, a Linha de Montagem Final (FAL) em Mobile, Alabama, alcançou a sua 100ª entrega e agora produz mais de quatro unidades por mês. Enquanto isso, a “FAL Asia” da Airbus em Tianjin, China, alcançou sua 400ª entrega no A320, enquanto na Alemanha a Airbus iniciou as operações de sua nova quarta linha de produção em Hamburgo. No geral, o programa A320 está em vias de atingir uma taxa de 60 aeronaves por mês para a família A320 em meados de 2019. As equipes da Airbus atingiram com sucesso um importante marco industrial para o A350, atingindo a taxa de 10 aeronaves por mês.

A Airbus reportará os resultados financeiros do ano de 2018 no dia 14 de fevereiro de 2019.

9 COMENTÁRIOS

  1. 2018 é o ano para se comemorar por todos ligados ao modal aéreo!! 800 aeronaves entregues pela Airbus, 806 pela Boeing. Outros milhares em encomendas e opções de compra. Um número fantástico! Saudações,

    • "A aeronave está provando ser muito melhor que todas as expectativas iniciais. É realmente o melhor lançamento de aeronave de corredor único desde a chegada do Airbus A320 há 32 anos."

      É verdade esse "bilete"?

  2. Como dito anteriormente, a Airbus vai avançando bastante, considerando as entregas e seu backlog que é significativamente maior que a concorrência.

    • O Backlog artificialmente mais alto você quer dizer….

      Aceite os fatos Xings….

  3. Empatando com a Boeing em entregas e tendo um backlog muito maior que a concorrente já podemos declarar a Airbus como a maior do setor de aviação comercial.

    • Errado. Em breve, as entregas da Embraer se somam as da Boeing e a vantagem aumenta.

    • Você está em um perigoso processo de negação da realidade senão vejamos

      – O "empate", visto que a Boeing entregou seis aparelhos a mais, certamente é momentâneo tendo em vista que a cadência de entrega da Airbus é menor. Ademais ela ainda conseguiu a proeza de perder para a concorrente a despeito de possuir uma fábrica a mais. E não custa lembrar que o recente incêndio em uma unidade em Hamburgo certamente irá impactar nas entregas

      – O Backlog maior, como já caudalosamente expostos, decorre principalmente de artifícios contábeis tais como registrar encomendas cujas negociações sequer foram concluídas além da cadência de produção mais baixa

      – As atividades no setor de aviação comercial vão muito além de produzir e vender aviões pois também englobam serviços, área onde a Airbus é notoriamente deficiente. Ademais também é preciso avaliar a questão do lucro, que é muito maior o da Boeing lembrando que a Airbus está sendo obrigada a absorver as enormes perdas do programa A220

      Esses são os fatos Xings! Não insista….

Comments are closed.