A aeronave A320 com número de série 5000 da Airbus, foi entregue para a Middle East Airlines do Líbano. (Foto: Airbus)

A Airbus entregou o A320 com número de série 5000 para a companhia aérea nacional do Líbano, a Middle East Airlines (MEA). A aeronave foi entregue na Airbus em Hamburgo, na Alemanha, e é alimentada por motores International Aero Engines V2500.

A aeronave A320 especial recebeu um adesivo na lateral da fuselagem. (Foto: Airbus)

A aeronave MSN5000 completa a entrega da encomenda total da MEA para sete aviões A320. É um marco significativo para a Airbus e para a Família A320 no começo de 2012, quando a produção aumenta de 38 para 40 jatos A320 por mês durante o primeiro trimestre do ano.

“Estamos honrados por se tornar o operador do novo A320 com o seu número distintivo de série 5000, durante o ano do 25º aniversário do primeiro vôo do A320”, disse o Presidente e Diretor Geral da MEA, Mohamad El Hout.

A MEA opera uma das frotas mais modernas da região, com quatro A330-200, seis A321 e incluindo o MSN5000, agora com sete aeronaves A320.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Quantidades incríveis de aviões e avionetas civis fabricadas!

  2. O símbolo da árvore é muito bonito. E eu até que gostei do esquema de pintura.

    • Wagner:
      Concordo com você que segurança – na aviação principalmente – é fundamental. Mas gostaria de falar que a Boeing também passou por momentos semelhantes ao que a Aribus passa com o problema das asas do A380: o Boeing 737 apresentou um grave problema em um dos atuadores hidráulicos do leme, causando dois acidentes com centenas de mortos; o 747 teve um problema sério de faiscas dentro do tanque de combustível (não sei se resultou em acidentes) fazendo com que a empresa gastasse milhões de dólares em um recall em um episódio meio conturbado (ela talvez soubesse do problemas mas seria mais barato pagar os seguros do que os recalls – dizia a imprensa). A Lockheed amargou também – com a perda de vidas – problemas com alinhamento de motores do L-188 Electra II. A Douglas teve também seus dias terríveis com a trava da porta do porão de carga – resultando em um acidente com um DC-10 de uma empresa turca, logo no seu lançamento. Isso sem falar em Comets e outros que não sabemos…
      Pode ser pressa ao lançar o produto, pode ser ganância, pode ser descuido da engenharia ou pode ser algo que escapou aos engenheiros e software de simulação. O importante é, uma vez achado, que se conserte e melhor, traga isto a publico.
      Um abraço.
      Alberto

    • Se até os equipamentos da Airbus e Boeing tem seus problemas, imagine os aviões civis russos?

      E aquele Sukhoi SSJ100 q eles não conseguem certificar pra voar fora da Russia? coitados…

      Sou mais os nossos Embraer…

Comments are closed.