Airbus prevê necessidade de 37.400 novos aviões nos próximos 20 anos.

A Airbus prevê que frota de aviões de passageiros mais do que duplicará nos próximos 20 anos, para cerca de 48.000 aeronaves, com o tráfego aéreo crescendo em um ritmo consistente de 4,4% ao ano. Este crescimento significa a necessidade de cerca de 37.400 novos aviões de passageiros e de carga, revela a fabricante europeia, com base num estudo sobre o futuro do mercado global da aviação para 2018-2037, divulgado em Londres, num encontro realizando antes do próximo Salão Aeronáutico de Farnborough que será realizado de 16 a 22 de julho, no Reino Unido.

Os fatores de crescimento que impulsionarão este crescimento incluem o aumento do consumo privado nas economias emergentes, praticamente dobrando, mais lucratividade e a quase a duplicação das classes médias a nível global. Os países emergentes representarão mais de 60% do crescimento econômico, com o número de viagens per capita crescendo 2,5 vezes mais para estes países. Combinada com a evolução dos modelos de negócios das companhias aéreas e a contínua liberalização, a escala de crescimento do transporte aéreo levará a uma crescente resiliência à desaceleração regional.

“Há uma tendência crescente para a utilização de aeronaves num vasto leque de operações, com os aviões existentes atualmente ultrapassando os limites entre os segmentos de mercado. Estas realidades levaram-nos a desenvolver uma nova segmentação com as categorias de Small, Medium, Large e Extra Large, que refletem melhor o modo como as companhias operam os aviões,” afirmou Eric Shulz, diretor comercial da Airbus. “Graças à versatilidade dos nossos modelos, o topo de gama dos nossos aviões de corredor único, o A321neo, voa eficientemente em rotas de longo curso, e os nossos wide bodies, como o A330neo, servem igualmente operações regionais. Estamos muito fortes neste segmento de mercado Medium.”

O Airbus A321neo.

Olhando mais de perto para os quatro segmentos, no segmento Small a Airbus prevê uma necessidade futura por 28.550 novos aviões, o que representa mais de três quartos da procura total prevista. No segmento Medium, representado por wide bodies pequenos e aviões de corredor único de longo alcance, a Airbus prevê uma procura por 5.840 aviões de passageiros e de carga. No segmento Large, as previsões são de 1.760 novos aviões e no segmento Extra Large a Airbus prevê uma procura por 1.590 aviões nos próximos 20 anos.

O novo Airbus A330neo.

Dos cerca de 37.400 novos aviões necessários, 26.540 deles são para crescimento e 10.850 serão para substituir aparelhos mais antigos e menos eficientes. O aumento da frota mundial para cerca de 48.000 aviões resultará numa necessidade para 540.000 novos pilotos. A Airbus continua a evoluir o seu negócio de serviços para ir de encontro às necessidades da sua crescente base de clientes.

1 COMENTÁRIO

  1. A Airbus está sendo otimista com alguns números, já que a infra-estrutura adequada para atender essa demanda não deverá ser construída nesse 20 anos. Exemplo Brasil, que recentemente investiu na infra-estrutura aeroportuária, e não deve fazer investimentos na mesma monta até 2030.
    Essa infra-estrutura será completada talvez na China, mas estes comprarão muitos aviões de origem chinesa, e principalmente para substituir modelos antigos em operação. Outros que devem se atualizar com modelos chineses são, além de asiáticos, países da África, que economicamente são muito instáveis.