O pátio lotado na Aeroshell Square. Pelo menos no solo estava cheio de aeronaves durante o sábado. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

O sábado normalmente é considerado o dia com as melhores apresentações dos warbirds. Normalmente. Mas não foi o caso esse ano. Apesar do evento ter sido considerado um sucesso pela organização, esse ano a falta de novidades no setor de negócios e pela baixa participação das aeronaves em voo, ocasionou que o sábado fosse mais um reflexo do que havia sido visto durante a semana. Poucas aeronaves nas apresentações em voo. O destaque do dia ficou por conta do Heritage Flight, com um F-15E Strike Eagle, um F-4E Phantom e dois P-38 Lightning.

O quarto Heritage Flight da semana contou com a presença de um F-15E Strike Eagle da Base Aérea de Seymour Johnson, um F-4E Phantom II e dois P-38 Lightning. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

O tempo nublado que permanecia desde a sexta-feira, continuou durante boa parte do sábado, deixando as imagens mais uma vez comprometidas. A tradicional apresentação “Warbirds Extravaganza”, a qual simula ataques e combates aéreos teve uma quantidade consideravelmente reduzida de aeronaves, restando a apenas um Douglas A-26 Invader a tarefa de simular o bombardeiro com a Wall of Fire. Apesar do aniversário das B-17, nenhuma decolou no sábado.

O novo Oracle Challenger III do piloto Sean D. Tucker, visto durante uma visita ao hangar da EAA. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

Nas outras apresentações vimos a nova aeronave Oracle Challenger III de Sean D. Tucker, o helicóptero S-64 Skycrane, um motoplanador elétrico e o Sikorsky S-28 “Osa’s Ark”, o qual cruzará o Oceano Atlântico em agosto para arrecadar fundos para entidades de caridade da Europa. Um incidente ocorreu com o S-38 quando ele chegava após o voo de demonstração. Ao tocar na pista do Aeroporto Regional de Wittman Field, o trem de pouso esquerdo quebrou e a aeronave ficou parada na pista por cerca de 20 minutos. Uma camionete correu para prestar socorro ao avião. Ao chegar, elevaram o S-38 com um macaco hidráulico e recolocaram o trem de pouso no lugar, possibilitando que o antigo avião taxiasse até a Aeroshell Square.

Momento que o S-38 tocava a pista do aeroporto e quebrava seu trem de pouso esquerdo. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

O que mais chamava atenção na área dos expositores de aeronaves este ano era a presença de carros aéreos, os “Sky Cars”. Este ano três modelos se destacavam dos demais: o italiano Oma Sud e o famoso e recentemente certificado Terrafugia Transition fabricado nos EUA. Ambos estavam expostos próximo da entrada do evento e chamavam a atenção de um grande número de curiosos.

Que tal voar numa "moto-voadora"? Essa é a proposta da Caravele Aerospace. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

Mas o mais interessante era a presença de uma moto-voadora. A empresa Caravela Aerospace apresentou um modelo de aeroplano motorizado com uma Kawasaky na parte traseira. E já estavam aceitando pedidos.

O leilão de mais de 30 aeronaves foi realizado na manhã de sábado e teve um grande sucesso de público e vendas. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

Durante a manhã de sábado foi realizado um grande leilão de aeronaves, evento esse inédito no AirVenture. O evento foi realizado ao lado do hangar da EAA, próximo ao aeroporto, e contou com uma boa quantidade de aeronaves a venda, incluindo um Grumman Hellcat da Segunda Guerra Mundial, e um Vought F7 Cutlass.

Duas gerações de Hornets, vistos lado-a-lado na Aeroshell Square: um F/A-18C Hornet e ao fundo o EF-18G Growler. (Foto: fernando Valduga / Cavok)

No pátio lotado de aeronaves estáticas da Aeroshell Square, podia ser visto no centro um C-5B Galaxy e um Boeing 737-700 da Southeast Airlines, e ao redor as seguintes aeronaves: P-3 Orion do U.S Customs and Border Control; KC-135 e F-16C da ANG de Wisconsin; F-18C “Agressor”; EF-18G Growler; T-45 Goshawk; T-38 Talon; F-15C Eagle; DC-7B; B-17 “Yankee Lady”; Global Hawk; T-1A Jayhawk; Cessna Citation; C-130H Hercules da USAF; e o CV-22 Osprey. Realmente tinha aeronaves para todos gostos.

Uma proposta de aeronave de treinamento apresentada pela KAI, da Coreia do Sul, que lembra muito o T-27 Tucano da Embraer. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

O evento contou com um número de visitantes 9% menor que 2009, bem como também de aeronaves (cerca de mil a menos). Apesar da chuva que caiu sem tréguas uma semana antes do evento, ocasionando uma lotação dos aeroportos vizinhos a Oshkosh, as aeronaves chegaram em grande quantidade no AirVenture na terça-feira, após os gramados ao redor das pistas ter secado o suficiente.

O sábado sempre tem no ar aquela sensação de tristeza por mais um evento que está chegando ao fim. Mas ano que vem teremos mais uma semana do maior evento aeronáutico do mundo. Mas com um novo presidente da EAA, Rod Hightower, que foi nomeado na segunda-feira o sucessor de Tom Poberezny. Desejamos sucesso ao novo presidente da EAA, e quem sabe teremos em 2011 muito mais novidades.

O site Cavok Brasil gostaria de agradecer as seguintes pessoas: Cláudio Candiota e Luciane Laitano, da Candiota Turismo, pelo apoio antes, durante e depois do evento; ao David Carlson, diretor da Canon USA, que apoiou a cobertura com os equipamentos fotográficos; e ao pessoal de imprensa da EAA, que prestou um excelente apoio a todos membros da imprensa durante o evento.

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns Fernando pela ótima e excelente cobertura! Está sensacional…

    Esses projetos de aviões de treinamento, na grande maioria, aparenta ser cópia do nosso Embraer?! Mais concerteza os aviões da Embraer são bem melhores e funcionais que esses!

Comments are closed.