Avançam as negociações para uma frota conjunta de aeronaves C-130J entre a Alemanha e a França. (Foto: Lockheed Martin)

A Alemanha vai avançar nesta semana com planos de montar uma frota comum de aviões de transporte Lockheed Martin C-130J com a França e participar de uma frota de aviões-tanque Airbus A330 liderada pela Holanda, disseram fontes do Ministério da Defesa na segunda-feira.

Estas e várias outras iniciativas com a Noruega, a Romênia e a República Checa fazem parte de um esforço mais amplo para expandir a cooperação europeia em matéria de defesa a anunciar numa reunião dos ministros de Defesa da OTAN em Bruxelas, disseram as fontes.

A Alemanha pretende utilizar também uma frota conjunta de A330 MRTT com a Holanda. (Foto: Airbus DS)

Os acordos vêm à medida que a Alemanha e outros membros da OTAN enfrentam uma crescente pressão dos Estados Unidos para gastar mais com seus próprios militares e atingir a meta da OTAN de destinar 2% do produto interno bruto aos gastos de defesa.

A ministra da Defesa, Ursula von der Leyen, que na semana passada disse que as reivindicações dos EUA para uma maior partilha de encargos são “justas”, e assinará uma declaração ampliada de intenção para uma frota conjunta de aviões C-130J com a França.

Comparativo entre o KC-390 e as aeronaves C-130J e A400M.

A declaração exige que a Alemanha compre quatro a seis aviões Lockheed C-130J do governo dos EUA e os junte com a frota francesa. A França está comprando quatro C-130Js da Lockheed e poderia comprar vários aviões adicionais nos próximos anos, de acordo com uma fonte adicional familiarizada com o programa.

Uma porta-voz da Lockheed encaminhou questões para a Alemanha e a França, mas disse que a empresa espera apoiar as necessidades de transporte aéreo desses países.

A Alemanha vai também assinar uma declaração de intenções para se juntar a uma frota multinacional europeia de aviões-tanque Airbus que é liderada pela Holanda e já inclui Luxemburgo.

Se a Bélgica e a Noruega também se juntarem ao grupo, a frota multinacional MRTT poderá expandir-se para cobrir 8.800 horas de voo por ano, de acordo com documentos fornecidos aos legisladores alemães no ano passado. Isso equivaleria a cerca de oito aeronaves.

O ministério disse no ano passado que poderia gastar até 1 bilhão de euros nos próximos anos para o uso de novos aviões Airbus que seriam comprados para a frota conjunta.

A Alemanha quer um substituto para suas aeronaves C160 Transall.

Os aviões serão baseados na Base Aérea de Eindhoven, na Holanda, e em uma base militar alemã no aeroporto de Cologne-Bonn, disseram as fontes.

A Alemanha também assinará um acordo ampliado de cooperação em defesa com a Noruega, que já inclui planos de aquisição de submarinos e mísseis, além de treinamento conjunto, logística e manutenção.

Também haverá declarações de intenções para treinamento conjunto e implantação de forças terrestres com a República Checa e a Romênia, disse a fonte.

Fonte: Reuters

Nota do Editor: Interessante notar que embora parlamentares alemães tenham dito que o KC-390 seja uma melhor opção para a frota alemã, visando substituir os C-160 Transall, e a República Checa estar envolvida também em programas conjuntos com a Alemanha, o programa da OTAN continua avançando para o C-130J. Até mesmo na questão de missões REVO os KC-390 poderiam atender a necessidade da Alemanha.

13 COMENTÁRIOS

  1. Na imagem esta descrito 23t, na matéria recente da fase final de certificação fala de 26t. A EMBRAR/BOEING vão ter que trabalhar muito para colocar o K390 nas concorrência com o C130Js. Que venha a certificação para dar mais munição nas concorrências

    • Caro Bueno, a diferença é que a Embraer considera 2 situações : carga concentrada ( um blindado, por exemplo ) = 26 t; carga distribuida ( pallets, por exemplo ) = 23 t.
      Abs.

  2. infelizmente o KC-390 sofre do mau "politicuns brasiliesis"
    mas torço para o aviçao da embraer ganhar o maximo posivel de operadores

  3. Essa marchinha eu já conheço de outros carnavais.

    Vão comprar o C130 e adoçar o bico do Trump.

    E o salário, ó.

  4. Nem sempre o melhor, o mais apropriado é o escolhido, infelizmente a OTAN é praticamente dos USA e eles ditam as regras. Mas que o KC-390 é o melhor isso é e será provado num futuro próximo.

  5. O C-130J é um versão com fuselagem aumentada.
    Ou seja o KC-390 creio eu, ainda tem essa opção mais para frente, (uma versão mais alongada).

  6. Grande Noticia para o Brasil !!!
    Isto significa que FAB vai continuar sendo a principal cliente da EMBRAER.
    O KC-390 vai continuar sendo sucesso de vendas no Brasil !!!

  7. A OTAN optar pelo C-130J é o esperado, traz compatibilidade com a doutrina já usada e compartilha a mesma plataforma do primo rico. Baixíssimo risco, para quem já o tem grande com o A-400M.
    Por outro lado, é muito pouco. O atual "primo rico" já disse que a galera de lá do Atlântico está na zona de conforto e ele quer ver mais envolvimento. E está correto, ao menos nesse ponto.

  8. Decisões técnicas com base em custos (padronização de meios entre os membros da OTAN), com uma pitada política (adoçar às relações com os EUA, para não melindrá-los e assim sair de vez da Europa). Até aqui nada de anormal

    Entretanto, num futuro próximo, outras opções estarão mais maduras e a pressão política vindo dos EUA diminuirá, daí tanto o KC-390, quanto a própria opção local (C-295W) tendem a ganhar força. É o que eu penso.

Comments are closed.