O UAV Saqr-1, desenvolvido na Arábia Saudita.

A Cidade do Rei Abdulaziz para Ciência e Tecnologia (KACST), na Arábia Saudita, revelou hoje em Riyadh o primeiro drone estratégico desenvolvido no país, o Saqr-1.

O príncipe Turki bin Saud bin Mohammed, presidente da Cidade do Rei Abdulaziz para Ciência e Tecnologia, destacou as técnicas altamente avançadas utilizadas nesta aeronave. Ele afirmou que o Saqr-1 está equipado com um sistema de comunicação por satélite banda-KA que dá superioridade e privilégios para esta aeronave.

Ele pode voar com um alcance de mais de 2.500 quilômetros com a capacidade de transportar mísseis e bombas guiadas com sistema laser e lançar esses armamentos de diferentes altitudes, de 500 a 6.000 metros, a distâncias de até 10 km com uma precisão de menos de 1,5 m.

O novo UAV, fabricado com fibra de carbono e fibra de vidro, é capaz de voar a uma altitude média de 20.000 pés e pode permanecer em voo por até 24 horas.

Fonte: Al Riyadh

Anúncios

19 COMENTÁRIOS

  1. Existe alguma restrição aqui para desenvolvimento ou uso de drones armados? Alguém sabe dizer?

    • Ainda estamos regulamentando todo este setor.

      Calma, após termos toda a legislação , faremos parte do seleto grupo de (número indeterminado, geralmente entre 5 e 10) nações a dominar esta tecnologia maravilhosa de forma totalmente nacionalizada e livre de influências externas. Teremos os VANTS commodities, Global Hawk será coisa ultrapassada no mercado.

  2. Com certeza deve existir:
    – Comissões ou ONGs de direitos humanos;
    – Propina para políticos (leia-se câmara federal e senado) e partidos;
    – Estudo de impacto ambiental (estilhaços dos projéteis)…

  3. Falta de interesse e de necessidade, as pouquíssimas necessidades que teriamos de um ataque ao solo são desempenhadas pelos Terçeiros com os A-29 em BV, PV e CG ou pelos A-1 em SM.
    O uso de ARP ainda é pequeno com 4 Hermes 450 e um Hermes 900 no único Esq. em Santa Maria-RS.
    Nas outras Forças é limitado a alvos e pequenas unidades de vigilancia.

      • Na foto estava escrito FT-9 e no artigo da Jane's citava bomba FT-9, mas fiquei em dúvida, parece um míssil, mas o míssil que ele usa é o M3/M4, um Maverick chinês.
        Nesta foto está o míssil branco na asa e a bomba preta e laranja no cavalete.
        Engraçado como os países não citam as parcerias ao povão, parece ser desenvolvimento próprio.
        .
        . http://www.janes.com/images/assets/975/68975/p1569620.jp...

      • Muito impressionante o design é muito moderno, assemelha muito a bombas planadoras de muito longa distância, talvez conte até com alguma propulsão. Além disso as aletas já demonstram que o objetivo aqui é atingir o alvo com precisão com uma munição que pode facilmente alterar sua trajetória. Outro detalhe, o tamanho, é uma bomba pequena com poder explosivo relativamente baixo, mais uma demonstração da filosofia aqui empregada. Olha a China desenvolveu um armamento de primeira linha, agrada aos clientes preocupados com o efeito colateral, não vejo nada parecido da Rússia no mercado, já que eles preferem gastar todo o aparato de guiamento com bombas de maior rendimento.
        O emprego deste armamento, guiado por satélite, pode significar que o sistema de posicionamento global chines já ofereça alguma cobertura, ou utiliza GPS mesmo?

    • Se o "doador" do material tiver hepatite C pode ser considerado uma arma mortal. kkkk
      Esta extrema direita fazendo cagada. Deu m…..

      • Claro…

        Todo mundo gosta de viver passando fome e ainda por cima patrocinando ditaduras.

    • O Maduro já tomou providências contra esse ataque imperialista, vai diminuir ainda mais a importação de comida, priorizando os patriotas bolivarianos, assim os golpistas fascistas não irão produzir mais munição para suas armas de destruição em massa.

    • A tropa bolivariana não merece o desperdício de vidro e álcool/gasolina.

  4. Com 75% de componentes importados, sem dúvida isso fará da Arábia Saudita a mais nova potência tecnológica do universo.

Comments are closed.