Dentro do projeto de fortalecimento transporte tático da aviação, as duas Forças se uniram para adquirir quatro aeronaves C-295 do consórcio europeu Airbus.

O projeto para fortalecer a aviação de transporte tático das Forças Armadas tinha começado há mais de dois anos. Exército, Força Aérea e Marinha avaliaram os modelos C-295 da Airbus e o C-27J da Leonardo em missões como paraquedismo, pousos e decolagens em pistas não preparadas e operação na Antártida.

Embora, em princípio, o Ministério da Defesa tenha informado a intenção de adquirir duas unidades para a Força Aérea, uma para a Marinha e uma para o Exército, segundo o comunicado, o Comando Naval receberá duas unidades.

Na FAB o C-295 é conhecido por C-105 ‘Amazonas’ (Foto: Agência Força Aérea)

O modelo para a Marinha será configurado na versão de patrulha marítima e a outra para transporte. Estas quatro novas unidades substituirão a frota de F-27 da Marinha e da Força Aérea, cuja última aeronave foi retirada de serviço em novembro.

A negociação também inclui a participação da FadeA (Fábrica Argentina de Aviões) na fabricação destes quatro aviões. No início deste ano, a FadeA, assinou um acordo com a Airbus se o consórcio europeu fosse declarado vencedor.


FONTE: Telam

IMAGENS meramente ilustrativas.

Anúncios

13 COMENTÁRIOS

  1. "Comprou" mesmo ou é mais um daqueles fanfics que os hermanos tanto curtem fazer?

  2. Essa deve ser a primeira compra importante das forças armadas argentinas no últimos 10-15 anos. O que o socialismo não faz com uma nação em?

    • Creio eu, que não são concorrentes diretos.
      Se os argentinos realmente forem comprar o KC-390, será para substituir os Hércules, que pelo que falam, estão no osso. Mas vai saber o que realmente vão decidir?

  3. Espero que seja o início de um grande processo de renovação dos meios das forças armadas da Argentina, algo interessante e coerente é a compra conjunta entre as forças o que diminui os custos no geral e padroniza os equipamentos.

    Levando em consideração que a grande maioria das aeronaves precisam ser substituídas esta pequena compra é muito significativa já que não é comum termos boas notícias dos nossos Hermanos.

  4. Enquanto, até, a Argentina está procurando integrar e padrozinar os meios entre suas forças armadas, aqui no Brasil, que estava caminhando nesta direção, quer dar meia volta volver (180° em direção contrária), e ainda dizem que estão reestruturando para melhor. Putz!!!!

  5. E os caras, com apenas 4 unidades, ainda conseguiram a promessa de participar da produção. Aqui, com as 12 primeiras e mais as 3 reencomendadas, iremos apenas importar prontas. É capaz que, aproveitando esta oportunidade lá na Argentina, uma versão civil para atender o mercado regional seja desenvolvido (como eu venho propondo para fazermos aqui). É por estas e outras que tenho afirmado, muitos que nos governam, inclusive alguns da cúpula militar, são medíocres em identificar oportunidades e tirar um melhor aproveitamento destas compras militares (quer dizer, se não estiverem ganhando o seu por fora).

Comments are closed.