A Austrália estuda adquirir mais 18 caças Super Hornets da Boeing. (Foto: MoD Australia)

O desenvolvimento do revolucionário Joint Strike Fighter, destinado a oferecer a defesa aérea da Austrália neste século, está com o desenvolvimento bem atrasado e a RAAF (Real Força Aérea Australiana) pode precisar comprar mais 18 Super Hornets por US$ 1,5 bilhão para preencher essa lacuna.

Autoridades de defesa australianas seguem para os EUA nessa semana para uma receber uma atualização da Lockheed Martin Corporation, que está desenvolvendo o caça stealth multi-função JSF, agora chamado de F-35 Lightning II.

Os australianos entendem que o atraso levantará sérias preocupações sobre o projeto e na possibilidade de criar um grande e preocupante buraco na defesa aérea da Austrália a partir de 2020.

Um relatório recente do governo dos EUA indica que o programa JSF, já em atraso e com orçamento elevado, provavelmente vai passar por adicionais pressões relacionadas a produção e custos.

A Austrália planeja adquirir até 100 caças F-35 por cerca de US$ 16 bilhões e, até agora, encomendou 14, com o primeiro esquadrão da RAAF devendo estar operacional em 2018.

No entanto, a Força Aérea dos EUA, assim como a RAAF, está comprando a mesma variante do JSF, e adiou as datas em que esperava ter seu primeiro esquadrão operacional, a partir de meados de 2016-2017, sendo que agora, possivelmente, terá em meados de 2018.

Os funcionários da Lockheed Martin insistem que os problemas que os EUA possuem não significam que a Austrália vai sofrer com eventuais atrasos na entrega das primeiras 14 aeronaves.

Mas há uma crescente preocupação em Canberra, que os atrasos dos EUA significam que primeiro esquadrão da RAAF não ficará pronto até a metade de 2020 e possivelmente ocorrerá além dessa data.

Com isso foi disparado um alarme na RAAF, pois é provável que até 2020 os últimos cerca de 30 caças “antigos” Hornet da RAAF chegarão ao final de suas vidas úteis, mesmo com uma modernização.

O governo australiano adquiriu 24 Super Hornets por US$ 6 bilhões em 2007 para preencher uma anterior lacuna estratégica, quando deixou de operar seus caças bombardeiros F-111, retirados antes do tempo devido a preocupações com a fadiga estrutural.

Funcionários da Defesa estão preparando para o governo uma série de opções para preencher esta lacuna que aparece na defesa aérea numa maior probabilidade de ser a compra de mais 18 unidades do Super Hornet por US$ 83 milhões cada.

Isso faria sentido em termos econômicos, porque o preço de compra de US$ 6 bilhões para as primeiras 24 unidades do Super Hornet incluía a infra-estrutura para mantê-los e que poderá ser usado nos aviões adicionais.

Outra opção poderia ser mais renovações dos “clássicos” Hornets.

Funcionários da Organização de Material de Defesa da Austrália irão juntar-se as delegações de todas as nações envolvidas no projeto JSF para uma coletiva abrangente sobre os progressos realizados nesta semana.

Existem três questões-chaves relativas ao JSF, conforme seu desenvolvimento progrediu – se o F-35 fará tudo o que prometeu, se ele será entregue a tempo e se vai custar mais do que o previsto.

Aos australianos tem sido dito que o desenvolvimento do avião, que é equipado com radares sofisticados e outros equipamentos eletrônicos, está progredindo bem e é provável que atendam ou superem as expectativas dos nove países envolvidos no seu desenvolvimento.

Mas há uma crescente preocupação da RAAF que a aeronave deva estar bem atrasada e um aumento contínuo dos custos está comendo a margem considerável incorporada ao contrato pelo Departamento de Defesa da Austrália.

O plano original era para a Lockheed construir 2.443 JSFs para diversas forças americanas, com cerca de 500 outras unidades que serão destinados para os aliados, incluindo a Austrália, Israel e Canadá.

A intenção é que a RAAF consiga seus primeiros dois F-35s em 2014, apesar dos atrasos de produção os EUA, de acordo com a Lockheed Martin.

Os dois primeiros F-35 permanecerão no solo dos EUA, e os pilotos australianos e pessoal de apoio no solo irão para os EUA para treinar nas aeronaves.

Fonte: The Australian National Affairs – Tradução e Adaptação do texto: Cavok

Anúncios

41 COMENTÁRIOS

    • Uai, pq vc não faz também a conta do primeiro lote…vamos lá:
      24 SH por US$ 6 bi = U$ 250 milhões/unidade ou, R$ 392,500.000,00/unidade…
      Naa bom heim?

    • E, apenas corrigindo sua conta, 18 SH por US$1.5 bi = US$ 83.333.333,33 que fica igual a R$ 130.833.333,33
      "Só" R$10.833.333,33 de diferença….
      Se tiver uma padaria tome muito cuidado ou procure o SEBRAE

      • 1º) A conta em relação ao SH foi APROXIMADA! E ainda…tem esse câmbio flutuante que só valoriza o Real…sabe-se lá se amanhã o câmbio não esteja nos 1,5 que usei para uma conta rapida e de cabeça…de qualquer forma é metade do preço do Rafale.

        2º) A compra inicial incluiu armamentos, logistica, peças, consultoria, etc, etc, etc…..essa compra será de prateleira por esse valor…o mesmo que o Brasil faria após as 36 aeronaves do FX-2.

        3º) Não tenho padaria, mas se tivesse seria problema MEU a conta que fizesse….aqui, contenha-se em discutir aviação e deixe a agressividade gratuita para seus conhecidos! Quem sabe de outros fóruns…

          • Felipim e Mauro…que tal vocês pegarem o Jobim, passar na França buscar o Sarkozy e irem pra tenda do Kadafi?

            Explica pra ele que o Rafale é o fo#$stico! Quem sabe ele não compra alguns pra repor os Xavante?

            Só rezem pra não passar um Tornado sobre a barraquinha!

            • Meu caro, não tem essa de pegar ninguém não….acho que está equivocado.

              O máximo que posso fazer é discutir o assunto. Ler, comparar e usar meu senso crítico para tirar minhas conclusões e minhas preferências. nada mais do que isso.

              Só não sou obrigado a ler continhas mal feitas e ficar quieto….

              Mas repito, se isso te incomoda tanto manda um e-mail pro editor.

        • A sua conta APROXIMADA está bem errada….concorda não é? Que bom…Só acho que o câmbio vale para todos os caças e não apenas para o SH….

          Com relação ao preço do Rafale acho que vc está, mais uma vez, trollando…afinal vc não sabe por quanto o Rafale foi oferecido. Ou sabe? Se sabe compartilhe conosco, pobres mortais…Ou então prove que custa o dobro desse valor….podemos discutir o assunto. Mas venha com dados e não com "continhas de padaria", ok?

          O engraçado é que vc usa dois pesos e duas medidas e quer que os outros digam amém? Lamento meu caro, mas aqui não é blog financiado que só aceita uma versão. Trollagem aqui é rebatida mesmo, queira vc ou não….

          Ah, a primeira compra da Austrália incluiu armamentos, logistica, peças, consultoria, etc, etc, etc….mas a primeira compra da FAB não incluiria isso tudo também? Ou somos idiotas e não teríamos isso? Já sei….a Austrália é primeiro mundo não é mesmo? Ou qual seria a explicação?

          Note que apenas mostro sua incoerência….ficou ofendido? Lamento muito….

          Com relação a ter padaria acho que não entendeu o que escrevi…falei sobre as famosas contas de padaria. São contas toscas, como essas que vc apresentou acima. Nada contra quem tem padarias….Muito pelo contrário

          Aliás, onde há agressividade em minhas colocações? Acho que vc está viajando. Não há agressividade nenhuma em mostrar que vc postou contas sem sentido e totalmente parciais. Mas se achou agressivo, lamento novamente….Só acho que quem deve julgar se há agressividade ou não é o editor, poiis caso vc não saiba, TODOS os comentários passam por ele.

          Se achou agressivo pede prá ele censurar…simples assim….

  1. Eles compraram SH's em 2007 e em 2020 suas vidas úteis já entram no final ?

    Por quê essa **** ta concorrendo no morto FX-2 ?

    Ah é, tinha esquecido gostamos de coisas velhas e sucateadas dos EUA, lembrei agora.

    E tem outra coisa, esse negócio de renovação de caças e furada, o dinheiro que gasta com isso por que não encomenda uns novos ?

    • Em 2020 chegam ao final da vida útil os caças F/A-18C/D Hornet (clássicos). Os Super Hornet seguem operando por mais tempo.

      Abraço,

      Fernando Valduga
      Editor Cavok Brasil

    • Rogério a "vida" de um Super Hornet e estimada em 6000 hora de voo.Quantos anos isso significa?Depende do usurário.

  2. E "nóis"… cadê nossos vespão Obama!? que decepção esta visita populista do cara… que M…, e vamos modernizando, sem pensar no óbvio, estes F-5 de 40 anos de idade!

  3. Somando os caças em uso e as encomendas dos EUA e da Australia isso leva o numero de F/A-18 E/FSuper Hornet e EA-18G Growler para perto de 650 caças.E a JACA nos 80!

    • Não tem jeito….não tem como certas pessoas (?) deixarem a mania de escrever trollagens….

      Faz o seguinte cidadão, faz uma rápida pesquisa e verá que o número de Rafales encomendados e em operação supera os 80 postados por vc…

      Ah, esqueci, informações sobre caças em uso e encomendados só vale quando interessa….rs

        • Mais que os britânicos em 2010:
          62 typhoons….de 160 encomendados (232 planejados)
          94 rafales……. de 180 encomendados (286 planejados)

          São 94 Rafales em 2010… serão 104 em 2011…
          recebimento de 11 rafales por ano…
          Em 2015 mais 60 firmados em contrato…
          Terão 180 rafales logo logo… http://cavok.com.br/blog/?p=4032
          TOMA troll…… 😆 😆

          • E "logo logo" o Reino Unido terá o F-35…..onde está mesmo o caça 5G Francês??????? Ahhhhh lembrei…esperando o financiamento do BNDES.

            • Pois é… então, agora, o F-35 virá para suplntar o fodástico Typhoon não é Phac? he he vcs me divertem… para Trolar o Rafale vale qualquer coisa! inclusive defender o Typhoon como melhor produto frente ao francês… e depois assumir que este já vai dar lugar ao F-35… rsrsrs

        • Bom, pelo menos reconheceu que estava trollando mais uma vez….já é um avanço e tanto

    • No total deve ser em torno disso. No site da Boeing falam de mais de 450 entregues nos modelos SH e Growler.

  4. Não sei não, mas a impressão que tenho é que muita gente da Boeing torce para que o F-35 continue com problemas e atrasos…

    Pois só assim a USNavy comprará mais F-18 SH, assim como a Austrália.

    Mas o SH não será substituído pelos F-35……então tá….

  5. Mauro,

    O F-35 Lightning II devem substituir os F-18 A/B/C/D Hornet da US Navy, US Marine e Royal Australian Air Force (RAAF).

    Na US Navy os 340 F-35C Lightning II devem formar 15 (quinze) esquadrões de combate e 2 (dois) esquadrões de conversão operacional, que em conjunto como 5 (cinco) esquadrões de combate dos Fuzileiros, equipados com cerca de 80 (oitenta) caças da vesão C (CATOBAR) integrarão 10 (dez) alas aéreas embarcadas para os 10 (dez) porta-aviões que devem permanecer após a aposentadoria do Enterprise. Os esquadrões OCU ficam nas base em terra, no continente americano.

    Observando o número de aeronaves encomendadas, 340 (trezentos e quarenta) pela US Navy e 340 (trezentos e quarenta) pelo US Marine, podemos concluir que só vai dar para substituir os Hornets.

    O substituto do Super Hornet nos EUA ainda está na prancheta, ou melhor, nos computadores. Basta lembra de matéria do CAVOK:
    http://cavok.com.br/blog/?p=10943

    Na RAAF as contas eram parecidas, inicialmente eram 6 (seis) dúzias de Lightning por 6 (seis) dúzias de Hornet. Formariam 1 (um) esquadrão de conversão operacional e 4 (quatro) esquadrões de combate.

    Contudo há uma nova espectativa na Austrália, a compra de 100 F-35A Lightning II, o que permitiria mais um esquadrão de caças stealth ou reforçar os existentes.

    Mas mesmo assim, os F-18F SuperHornet da RAAF continuariam na ativa, em face de várias missões que podem desempenhar ao lado dos novos caças, inclusive guerra eletrônica. É sempre bom lembrar que serão apenas versões bipostas para a Austrália. Acredito que os australianos devem acompanhar as opções da Marinha Americana, até por que seria ao lado desta que eles lutariam.

    Sds,

    Ivan, do Recife.

    • Ivan,, seja BEM VINDO fera!

      olha só, isso eu entendo, mas o amigo verá que logo logo, com a produção plena do F-35, o SH não será mais fabricado para a USN… pode escrever… drenaria recursos do programa… e um F-35 faz tudo que um SH faz, mesmo levando menos carga, mas é mais furtivo e versátil… além da parafernalha eletrônica de outra categoria! não vejo sentido a USN encomendar mais SH… a não ser que se atrase demais o programa… é lógico que os primeiros serão os F-18C/D… mas lá por 2025 já começam a "dar os doces", os primeiros SH… isso se falando apenas em durabilidade, se formos contar com obsoletalidade… e serão substituídos por novos SH? acho brabo! é nisso que falamos! substituição gradual… não aposentadoria prematura…

      Abraço !

  6. Os australianos tem um sina em receber equipamento gringo. Esperaram dez anos para receberem seus F-111 e agora o F-35…sina…

  7. País sério é outra coisa, fala "vamos comprar" e compram mesmo, ao contrário de fascistas que temos lá em brasilândia….

  8. O F-18 Super Hornet é um avião extremamente robusto e equipado com o segundo melhor radar AESA que existe atualmente em operação, o APG-79 ( o melhor é o APG-82 (V)1 que equipa dos F-15E).

    • Pena que seja robusto demais, incapaz em manobras devido a seu pesoxpotência, e uma sustentação problemática.

  9. Chico F-16,

    Não entendi o bem vindo, pois sempre estive por aqui… he he he.

    Observe que a US Navy, assim como a US Air Force, tem sempre um novo avião de combate entrando em operação, mas não necessariamente substituíndo todos os modelos.

    Na linha dos caças de defesa da frota foram:
    F-8 Crusader, F-4 Phantom, F-14 Tomcat e F-18E/F SuperHornet.

    Na linha dos aviões de ataque foram:
    A-1 Skyrider, A-4 Hawk, A-7 Corsair e F/A18 Hornet.

    Na linha dos aviões de interdição foram:
    A-3 SkyWarrior, A-6 Intruder e, o mais engraçado, o Hornet e o SuperHornet.

    Os lançamentos eram mais ou menos intercalados, quando uma aeronave de ataque estava entranto em operação os caças estavam totalmente operacionais. Assim sendo diminuia o risco de ter toda uma Ala Aérea Embarcada (Carrier Air Wing) em transição ao mesmo tempo.

    Assim sendo, mesmo com a busca por aeronaves polivalentes que teve início como o F-18 A/B Hornet, dificilmente veremos uma substituição total das aeronaves embarcadas.
    (O tema aeronave polivalente daria outro debate quilométrico… he he he)

    Em 2025, quando o JSF já estiver maduro e tomado o lugar dos F-18 A/B/C/D Hornet e AV-8B Harrier II no serviço naval, deverá estar em teste o substituto do F-18E/F Super Hornet, que estará na descedente da sua curva de obsolecência natural. Como o CAVOK já noticiou (link acima), o substituto do Vespão será outro.

    É sempre bom lembrar que:
    Para um avião começar a ficar obsoleto basta apenas voar… he he he.

    Quanto às compras, como foi no passado, a Marinha e os Fuzileiros dos EUA iram sempre priorizar a compra do mais moderno, que será o F-35B e F-35C.
    Mas nem por isso deixará de usar e atualizar (MLU) os seus resistentes e úteis F-18E/F SuperHornet. É natural.

    Abç,
    Ivan. 🙂

    • Ivan, os dados que vc postou são corretíssimos. O que acho que vc não entendeu foi o que eu disse.

      O que falei é que a Boeing sabe que a vida dos Super Hornets será paralela às dos F-35 por um bom tempo. O que quis dizer é que com os atrasos do F-35 e com a chegada do fim da vida dos primeiros Hornets a chance de novas encomendas dos Super Hornets aumentam. Basta ver que já houve essa discussão até no congresso americano. Se o cronograma dos F-35 não tivesse atrasado a Austrália com certeza não compraria o Super Hornet e nem a USNavy faria pedidos adicionais.

      Acho que na Boeing a torcida contra o F-35 deve ser grande inclusive por isso. Além, é claro, dele ser oriundo do projeto concorrente ao da própria Boeing

      • Mauro,

        Entendo agora seu ponto de vista, e concordo totalmente.

        Acrescento apenas mais um detalhe, que reforça seu argumento, a alta taxa de atrito das aeroanaves norte americanas em face das diversas campanhas em que estão envolvidas, particularmente no Afeganistão.

        Uma coisa é treinar em tempo de paz, pertinho de casa, outra é atuar em vários teatros de operação do outro lado do mundo.

        Pelo que li, e vc certamente leu também, até mesmo vários F-18A Hornet que estam mais conservados foram recuperados (MLU) para preencher as lacunas dos esquadrões de combate.

        Sds,
        Ivan.

  10. Pessoal, me desculpem a burrice, mas eles vão adquirir 18 caças por menos de 2 bilhões de dolares certo?
    Então por que nosso FX-2 custa 36 caças orçados a mais de de 7 bilhões de dolares? (pouco mais de 10 bi de reais…)??

    Esse 'plus' é o valor pago para ter a tecnologia ?

    • Não só isso Fernando….é o valor pago pela primeira encomenda é maior pq envolve treinamento, armamento, sobressalentes, etc.
      Note que o primeiro pedido da Austrália para "apenas" 24 super Hornet foi de mais de 6 bilhões de dólares….
      Portanto é normal nesse tipo de negociação que a primeira compra tenha um valor bem maior do que os das subsequentes.

Comments are closed.