A Áustria pretendia adquirir 24 caças Eurofighter, mas acabou finalizando a compra nas 15 aeronaves. (Foto: Ministério de Defesa da Áustria)

A Áustria processou a Airbus e o consórcio Eurofighter nessa quinta-feira, alegando uma intencional decepção e uma vinculada fraude em uma encomenda do caça avaliada em 2 bilhões de euros (US$ 2,1 bilhões) feita em 2003.

O Ministério da Defesa da Áustria disse que, após uma investigação, acreditava que a Airbus e o consórcio Eurofighter haviam enganado a Áustria sobre o preço de compra, a capacidade de entrega e o equipamento dos jatos. Para ler o relatório da Força Tarefa publicado pelo Ministério Austríaco, clique aqui. (arquivo em PDF com 34 páginas em alemão)

Os danos incorridos poderiam ascender em 1,1 bilhão de euros, disse o ministro da Defesa, Hans Peter Doskozil, numa conferência de imprensa em Viena.

A Airbus negou as acusações com vigor. “A publicação de acusações criminais contra uma empresa listada por meio de uma conferência de imprensa … não é aceitável para a Airbus e só pode ser descrito como não profissional”, disse um porta-voz.

A Eurofighter não respondeu aos pedidos de comentários.

Os promotores austríacos e alemães estão investigando o caso há anos e os promotores de Munique disseram que esperam concluir os procedimentos preliminares separados até meados do ano.

A Áustria tinha inicialmente encomendado 18 jatos Eurofighter, mas reduziu a encomenda para 15 em 2007. Em seguida, ordenou uma revisão da compra há quatro anos atrás, após alegações de suborno.

O negócio era controverso desde o início e as alegações vieram à tona quase que imediatamente no momento que o dinheiro foi embolsado por políticos, funcionários públicos e outro através dos corretores para negócios que acompanharam a compra.

Fonte: Reuters

Nota do Editor: A Força Aérea austríaca possui atualmente 15 aviões de combate Eurofighter T1, o modelo mais limitada em alcance, sendo que apenas 6-8 estão operacionais, enquanto as aeronaves restantes estão em manutenção ou são usadas para treinamento. As aeronaves possuem um alto custo de operação, com uma hora estimada em cerca de US$ 18.000, um valor significativamente mais caro que o Rafale, F/A-18, Gripen e F-16. Outro problema é que devido a fabricação feita em vários países, ocorrem problemas no fornecimento de peças de reposição. Todos esses fatores fazem com que a Áustria estude a troca dos caças Eurofighter T1 por outra aeronave. A Saab vem negociando há algum tempo com os austríacos, e caso ocorra uma revenda e compensação por parte do consórcio, um novo caça estaria sendo cogitado.

9 COMENTÁRIOS

  1. Airbus = Governo comum europeu = URSS = corrupção e ladroagem dos políticos alegando um bem comum entre povos.

  2. Acho tão bacana essa aeronave, mas é parece que esse consórcio é uma pilantragem só.

  3. Sinceramente, a Áustria fará todo o possível para se livrar de qualquer equipamento militar que envolva altos custos, pela simples razão de que não quer assumir qualquer responsabilidade nesta área.

    Esta postura nasceu dos tratados que garantiram sua 'independência' no pós 2ª Guerra. A URSS aceitava o fim da ocupação austríaca, encerrava os pleitos territoriais e indenizatórios em troca da completa neutralidade do país e sua não integração a OTAN. Neste esteio, o governo austríaco aceitou limitações quanto à armas estratégicas, tonelagem de veículos blindados, etc.

    Se eles passaram toda Guerra Fria fazendo de conta que tinham forças armadas, não será agora que as terão de fato. Me surpreende a Steyr ter durado até hoje…

    Ps: em minha opinião, esse povo tem uma função na Terra, manter e cuidar de Viena, pelo menos até eu poder visitá-la.

  4. Ué, não é são o Brasil e a Índia os maiores corruptos de grandes somas desse planeta? 😀

    O problema está no ser humano. No final das contas, poucos, com acesso a tanto, têm medo de serem presos. Só pensam nas consequências depois — no Japão ainda existe o harakihi por vergonha (que não é o "honroso" seppuku dos samurais), mas aí é um dramalhão cultural tardio… 🙂

    E se a Áustria entrou na justiça, tomou a iniciativa, tem provas a mostrar e daí intenta ganhar…

  5. A maioria dos Thypoons ingleses e alemães também estão não operacionais, e além de seu alto custo operacional, foi projetado como um caça de superioridade aérea e não multifunção, por isso ingleses e alemães ainda usam o Tornado para missões de ataque e bombardeio.

  6. Os europeus estão brincando de forças armadas desde os anos 90, reduzindo suas capacidades e entregando tudo para o Tio Sam. mas, agora com Trump, terão que rever sua posição.

Comments are closed.