A aquisição de aeronaves de transporte An-70 e An-124 pela Força Aérea da Rússia não estão confirmadas ainda. (Foto: Oleg Belyakov)
A aquisição de aeronaves de transporte An-70 e An-124 pela Força Aérea da Rússia não estão confirmadas ainda. (Foto: Oleg Belyakov)

O Ministério da Defesa russo está revisando planos de construção para a aviação de transporte. O principal objetivo é reduzir a dependência de fabricantes ucranianos. A prioridade principal será dada a projetos de produtores nacionais.

Aviões da empresa Antonov – desde o An-26 até o Ruslan – tem sido, historicamente, a base da aviação militar de transporte soviética (AMT), e mesmo hoje em dia a sua parte na AMT russa é bastante grande. No entanto, certas dificuldades na cooperação com a Ucrânia e a política global de redução da dependência de importações da industria de defesa podem causar o cancelamento de projetos promissores de origem ucraniana, o que pode resultar em consequências ambíguas.

O programa estatal de armamentos para 2011-2020 prevê a compra nesta década de pelo menos 600 novos aviões para a Força Aérea da Rússia, incluindo mais de uma centena de aviões de transporte militar. 40 máquinas são IL-476, uma versão atualizada do IL-76, cuja produção está sendo montada em Ulianovsk. A grande maioria dos aviões restantes deviam ter sido máquinas de Antonov, incluindo o An-124 Ruslan e o An-70. Hoje, no entanto, o destino destes aviões esta em dúvida.

O programa de resumo da produção do An-124, anunciado durante um longo tempo, aparentemente, foi considerado redundante. A Força Aérea da Rússia decidiu reparar e atualizar os Ruslan existentes, e os operadores comerciais não são capazes de “puxar” esse programa sem encomenda militar – o preço da máquina é muito alto para eles.

Em dúvida fica também o destino do An-70. A liderança russa pretende tomar uma decisão sobre a sua compra e financiamento da produção somente após serem finalizados os testes. E isso adia automaticamente o possível início da produção na fábrica de aviões de Kazan para a segunda metade da década de 2010.

O destino da máquina ligeira de Antonov An-140T (versão de “rampa” do já utilizado An-140) será determinado em concorrência com o projeto russo IL-112V. Construtores de aviões russos advogam a retomada dos trabalhos sobre o último.

Em prática, a Força Aérea hoje se garantiu o fornecimento de apenas um avião de transporte novo – o IL-476, o destino dos projetos restantes está em dúvida. Obviamente, parte do problema para os próximos 15-20 anos poderia ser resolvido por reparos e atualização. Em primeiro lugar, se trata de tais máquinas de longo uso como o An-22 e o An-124. Mas no segmento de máquinas médias e ligeiras, onde o An-12 e o An-26 estão sendo gradualmente aposentados, os reparos e a atualização já não vão ajudar.

Para não correr o risco de se ver numa situação em que a Rússia terá que comprar aviões estrangeiros dessa classe, uma decisão fundamental deve ser tomada até o final deste ano. A escolha na classe de máquinas ligeiras já foi indicada, na classe média há que escolher entre o projeto russo-indiano MTS/MTA e o ucraniano An-178. E, obviamente, é necessário decidir o destino de An-70 e An-124. A Rússia necessita do primeiro avião com suas características únicas de decolagem e pouso devido ao seu vasto território que tem poucos aeródromos bons. A segunda máquina pode fornecer à Força Aérea vastas possibilidades de movimento estratégico de tropas. A principal questão é o quanto os responsáveis percebem essas possibilidades e o quão relevante consideram o seu aumento.

Fonte: Voz da Rússia / Ilya Kramnik

Dica do amigo Konner. Obrigado 😉

Solicitamos mais uma vez a ajuda de todos com contribuições espontâneas para o site, que ajudam muito nas despesas de hospedagem. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Se você gosta de ver notícias atualizadas aqui, colabore para manter o site no ar. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já, muito obrigado!




Enhanced by Zemanta
Anúncios

14 COMENTÁRIOS

  1. A Rússia ja chegou a desistir do projeto AN-70, mas só vai ver o dinheiro investido de volta se o avião vender.
    Ainda pode ser melhor manter algumas unidades encomendadas para viabilizar a produção.

    No caso do An-124 o melhor foi mesmo partir para a modernização, como os EUA estão fazendo com o C-5M similar.

    • An-124 merece essa modernização…Nessa guerra no Mali, ele se mostrou o melhor transportador de cargas, sua capacidade é invejável… Olha que sou fá do C-5.

  2. Rapaz, a primeira coisa que pensei quando vi a foto foi: há mais capacidade de transporte de carga nessa foto do que em toda a FAB. Tirando os exageros, algum sabe aí, por cima, quantos sao os Hérculos, C 295(?), Bandeirantes de a FAB possui?

    • creio que o Brasil possui cerca de 20 cargueiros hercules, sendo 2 da versão tanque kc 130 e uma duzia de C295, existe a lenda que pretende comprar mais 8, mas ate hoje não se concretizou , bandeirantes a fab mandou modernizar cerca de 50 até 2015.
      Além disso existe uma licitação p\ra um substituto do sucatão: 2 unidades que poderão ser boeing 767 ou airbus a 330 novos ou usados.
      Na minha opinião deveriam ser ao menos 6 de uma versão exclusivamente militar como o C 17, A 400 ou il 476 ou an 70 para evitar o desvio de função e JAMAIS serem usados no transporte VIP da cumpanheirada…
      Abraços

  3. Os aviões de transporte ucranianos pra mim são tem o melhor design…
    O An170 com 4 motores com hélices contra rotativas de 8 pás cada ficou muito interessante, os motores chegam a parecer aqueles protótipos do tipo open rotor… porém devem ser bastante barulhentos…

  4. Não há motor a jato que supere a beleza dessas hélices!! (Com o avião parado!)

  5. Se a Ucrania parasse de encher o saco com suas neuras pro ocidente, as coisas dariam certo.

    Mas ficam ( o governo ucraniano) la de " aai, os russos sao feios e vamos nos prostituir para os USA"

    Pior para eles, a economia ucraniana está uma M total. Esses avioes a menos apenas pioram as coisas.

    Viva a separação da Russia. Viva ao nacionalismo ucraniano. Viva a democracia… nao é isso que falaram em 91 ?

    Muito beemm…

    • E que tal se a Embraer virasse parceira da Antonov, com a Embraer "ocidentalizando" os aviões e vendendo os regionais, enquanto a Antonov-Embraer criassem competidores para os 737 e A-320???

      A Embraer ficaria com a parte de vendas, ocidentalização, e jatos regionais, e a Antonov com os grandões… Uma empresa só, forte e grande!

      Isso sim seria uma baita parceria. Venderia mais que algodão-doce em parque de diversões!

      Mas vai saber né?? Ás vezes eles não querem se "prostituir pros USA" …..

      • Prezado colegajavascript: postComment(1);
        O que a Embraer sabe fazer em matéria de cargueiro que a antonov não sabe?
        Ademais ela ocidentalizaria um avião ucraniano colocando o que?
        Peças do airbus, ou da Boeing ?! Mas a EADS Airbus e a Boeing já vendem aviões nessas categorias… exceto na do An 225 Mirya…

      • Apenas para concluir
        já fizemos uma parceria com os Ucranianos a tal Alcantara-cyclone.
        sabe quantos satélites essa parceria vencedora colocou no espaço? pois então…

  6. "…O principal objetivo é reduzir a dependência de fabricantes ucranianos."

    Hehehe…

  7. Amigos por favor: definam a palavra ocidentalizar (dentro do contexto de equipamentos aeronáuticos).

      • "fazer funcionar direito". Bom, então o F-22 não foi ocidentalizado (ou foi ocidentalizado só agora)? Ou o Airbus francês que caiu no Brasil também…

Comments are closed.