Mil Mi-24 operando no Afeganistão, o Vietnã soviético... (Foto: Coleção particular)
Mil Mi-24 operando no Afeganistão, o Vietnã soviético… (Foto: Coleção particular)

A invasão soviética no Afeganistão proporcionou uma infinidade de informações sobre os soviéticos e o uso de seu poder militar. Além disso, a guerra permitiu aos soviéticos aprender muitas lições e ofereceu-lhes a oportunidade de treinar e aplicar várias táticas, além disso, possibilitou a experiência com armas diferentes.

Transporte aéreo

A Doutrina militar soviética enfatiza a primazia das operações ofensivas destinadas a prevenir a resistência organizada pelos adversários. No Afeganistão, como na Tchecoslováquia, em 1968, os soviéticos usaram o pouso surpresa de unidades aerotransportadas em centros estratégicos, especialmente em torno da capital, em conjunto com o movimento rápido das unidades terrestres ao longo das rotas estratégicas para os centros vitais para ganhar a iniciativa. A invasão militar do Afeganistão começou na noite de Natal de 1979, quando os soviéticos fizeram uma enorme operação, com a utilização de aviões de transporte, abarrotados de tropas e equipamentos. Acredita-se que foram utilizados aparelhos Ilyushin Il-76, Antonov An-22 e An-12 numa grande ponte aérea, colocando três divisões aerotransportadas no Afeganistão.

O tamanho e a agilidade da operação de transporte aéreo são significativos. Cada divisão soviética no ar é normalmente composta por cerca de 8.500 homens, incluindo elementos de apoio de artilharia e de combate. Os aviões de transporte (no período da invasão) representavam aproximadamente 38 por cento do total da Força Aérea (Voyenno-Tranportnaya Aviatsiya ou VTA). Se a Aeroflot, a companhia aérea civil soviética, está incluído nos valores de capacidade total de transporte, os aviões de transporte então representariam aproximadamente 29 por cento da frota de transporte total Soviética. Esta frota considerável de transporte é um recurso significativo, contribuindo para a capacidade dos soviéticos de mobilizar e implantar números rapidamente em grandes quantidades de tropas. A noite de Natal foi o transporte aéreo, é claro, apenas a fase inicial da invasão; transporte aéreo maciço de tropas, equipamentos e suprimentos continuaram a fluir para o Afeganistão.

Comparado com o C-141 da USAF, o Ilyushin IL-76 fazia um esforço muito maior para utilizar pistas curtas não preparadas. (Foto: forever.km.ua)
Comparado com o C-141 da USAF, o Ilyushin IL-76 fazia um esforço muito maior para utilizar pistas curtas não preparadas. (Foto: forever.km.ua)

Ironicamente, os soviéticos podem ter copiado táticas americanas de transporte utilizadas no Vietnã. Fontes soviéticas têm sugerido que a Antonov AN-12 Cub foi usados como bombardeiro, rolando as bombas para baixo e para fora da rampa durante o voo. No Vietnã, os Estados Unidos lançaram 6.500 toneladas de bombas a partir de C-130, limpando a área para as tropas de assalto aero-transportadas por helicópteros.

Os soviéticos descobriram que muitas vezes eles não podiam usar comboios de terra para fornecer apoio aos postos de combate nas províncias escassamente povoadas ao longo da fronteira leste do Afeganistão com o Paquistão. Mesmo as bases significativas como Khost e Gardez normalmente foram abastecidas pelo ar, enquanto postos menores nestas províncias exigiam ressuprimentos por paraquedas

Helicópteros

Talvez o elemento mais utilizado do poder aéreo soviético na guerra do Afeganistão foi o helicóptero. Helicópteros foram usados extensivamente em variados tipos de missões militares. Estimativas apontam para uma força de helicópteros entre 500 e 650 máquinas, dos quais até 250 podem ter sido de helicópteros Mi-24 Hind.

O Hind é uma arma extremamente letal, com metralhadoras ou canhão na torre nariz e lançadores de foguetes sob suas asas. Tem espaço para 8 a 12 soldados. Foi amplamente utilizado pelos soviéticos em missões punitivas e de busca e destruição. O Hind também forneceu apoio aéreo aproximado para as tropas terrestres, para atacar aldeias afegãs (por vezes em conjunto com aeronaves de asa fixa), e realizar missões de reconhecimento armado, para detectar e atacar grupos guerrilheiros.

(Foto: tabbarea.rssing.com)
Um helicóptero Mil Mi-8 decola logo após desembarcar tropas de combate. (Foto: tabbarea.rssing.com)

Devido à sua pesada blindagem, o Hind foi quase imune aos guerrilheiros com suas armas de pequeno porte, a menos que a guerrilha pudesse disparar para baixo nos helicópteros, usando armas posicionadas nas laterais das altas montanhas. O Hind tem apenas três pontos vulneráveis conhecidos: O alto consumo dos motores, o conjunto rotor da cauda, e um tanque de óleo, inexplicavelmente, localizado abaixo da estrela vermelha na fuselagem.

O terreno no Afeganistão teve uma influência considerável sobre o uso do Hind. Muitas das estradas estreitas através de vales íngremes, proporcionava um terreno perfeito para emboscadas. Como resultado, sempre que uma coluna de tropas Soviética ou movimentos de fornecimento de escolta para o território da guerrilha, era acompanhado por Hinds cujos pilotos tinham desenvolvido uma tática de escolta padrão. Alguns Hinds pairavam sobre o comboio terrestre, observando a atividade guerrilheira, enquanto as tropas de terra, em outro terreno elevado e à frente da coluna, avançavam. Estas tropas garantiam a segurança contra quaisquer possíveis emboscadas. Uma vez que o comboio passava, as tropas eram apanhadas pelos Hinds e desembarcados mais a frente da coluna. A Proteção do comboio também era fornecida por outros Hinds que iam mais à frente da coluna, para detectar e atacar guerrilheiros que podiam estar ao longo do trajeto.

Cenas de guerra: Combatentes posam em frente um Mi-24. (Foto: pds24.egloos.com)
Cenas de guerra: Combatentes posam em frente a um Mi-24 a espera da próxima missão. (Foto: pds24.egloos.com)

O Hind foi a principal arma de apoio aéreo aproximado no Afeganistão. Eles não só atacavam as forças inimigas, como também realizavam ataques a frente da área de batalha ( cerca de 20 a 30km). Essa tática foi aparentemente uma tentativa de aumentar a capacidade de resposta, flexibilidade tática, e integração com as forças terrestres.

Os soviéticos tiveram alguns problemas com seus helicópteros. Em 1980, as perdas para o míssil superfície-ar SA-7 (um míssil de mão guiado por IR) levaram a uma mudança de tática no final de 1980 ou início de 1981. Os Hinds adotaram a tática de voo muito baixo, roçando o chão, algo para o qual as máquinas não haviam sido projetadas e, nem suas tripulações haviam treinado para isso. O desgaste em fuselagens e sistemas causados por esses vôos de baixa altitude também aumentaram consideravelmente as taxas de desgaste operacional.

Os soviéticos usaram táticas com vários Hinds em um padrão circular, semelhante à “roda de carroça” usada pelos helicópteros americanos no Vietnã.

Alegadamente, novas táticas que usam helicópteros de observação para aquisição de alvos foram adotadas para helicópteros de ataque e de aeronaves de asa fixa. Estes batedores eram normalmente Hinds (ou, em alguns casos, Mi-8 Hips), em vez de um helicóptero menor e mais leve. Normalmente, eles ficavam no alto, fora do alcance do alvo, dirigindo os ataques.

Helicópteros operando no apoio aproximado com as forças de terra. (Foto: blogspot.com)
Helicópteros operando no apoio aproximado com as forças de terra. (Foto: blogspot.com)

Relatórios afirmavam que o Hinds começavam um ataque entre sete e oito mil metros do alvo, correndo em baixa altitude e então subindo 20-100 metros de altitude, ficando fora do alcance do fogo inimigo.

Os soviéticos também usavam helicópteros em formações de massa (uma tática padrão Soviética). Os relatórios contam que os helicópteros, de quatro a seis, pairavam disparando seus foguetes e metralhadoras, circulando, caçando, e depois descendo e atirando novamente.

Enquanto o Hind foi o principal helicóptero de ataque usado no Afeganistão, os soviéticos também fizeram uso extensivo do grande multiuso Mi-8 Hip. Uma das missões mais importantes do Hip era servir como transporte de tropas. Nesta função, o Hip era reforçado por sua capacidade de fornecer o seu próprio apoio fogo/supressão com seus foguetes de 57 milímetros. Além disso, o Hip foi usado como um helicóptero de ataque fortemente armado para complementar o Hind. Tal como acontece com o Hind, os soviéticos encontraram problemas. Estes vieram principalmente nas áreas de seu sistema de combustível exposto (um grande perigo para as tripulações em caso de acidente), a vida útil do rotor, considerada muito curta, a falta da capacidade de uma troca rápida do motor, o desempenho pobre do motor e controle de compensação inadequada. Os problemas do motor resultavam das condições de baixa densidade do ar encontrados no elevado terreno do Afeganistão, o que forçava o motor a trabalhar mais e tornava praticamente impossível pairar.

O Afeganistão foi um constante ganha e perde para os soviéticos. (Foto: tabbarea.rssing.com)
O Afeganistão foi um constante ganha e perde para os soviéticos. (Foto: tabbarea.rssing.com)

O Mi-4 Hound também foi empregado na guerra, muitas vezes em conjunto com o Hind. Muitos ataques aéreos de helicópteros começavam com dois MI-4, que atacam com foguetes não guiados e fogo de metralhadoras, seguidos por quatro Hinds, que continuavam o ataque com foguetes e canhões. Enquanto o Hind atacava, o Mi-4 círculava como chamariz, num aparentemente esforço para proteger os helicópteros dos SA-7s.

Um outro tipo de helicóptero que os soviéticos usaram no Afeganistão foi o grande Mi-6. Ele foi usado extensivamente no fornecimento de carga pesada para as forças soviéticas.

Os helicópteros soviéticos prestaram funções diversas na guerra, desde lançamento de paraquedistas, minas antipessoal, bombas e folhetos e apoio aéreo aproximado.

Continua na parte II.

 


Fonte: Center for Aerospace Doctrine, Research and Education, Maxwell AFB, Alabama.

Edição: CAVOK


Enhanced by Zemanta
Anúncios

26 COMENTÁRIOS

  1. Realmente…

    A experiência dos soviéticos no Afeganistão teve muitas similaridades com a experiências americanas no Vietnam… Contudo, o caso soviético tinha suas complexidades peculiares… Por exemplo, não havia uma base industrial para atacar. Quando muito haviam alguns depósitos de suprimentos para os guerrilheiros. Consequentemente não se poderia levar a cabo uma estratégia de privação de recursos, que é a essência do poderio aéreo.

    Os soviéticos também fizeram uso de alguns de seus "pesados", aí inclusos o Tu-16 e Tu-22. E os resultados foram diversos, com as ações e os efeitos sendo bastante restritos… A maior participação dessas aeronaves, salvo engano, ocorreu durante a retirada soviética, numa operação visando a cobertura dos comboios.

    • olha o Rambo 3 foi um produto da era Reagan, um filme horroroso, mas hoje e divertido ver como a propaganda americana tratavam os então guerreiros da Liberdade afegãos na luta contra os malvados sovieticos. E pensar que depois os mesmos guerreiros da liberdade se tornariam os defensores do obscurantismo dá para perceber como a verdade muda com o tempo!!!!

      Rambo 1 disparado o melhor da serie!!! até parece outro personagem, tirando o faniquito do rambo no final quando ele chora igual uma mocinha!!!!

      • Vou estragar tudo. Vou contar o final! No livro ele mata os policiais, derruba o helicóptero com uma pedrada e acaba morto pelo Cel. Trautman. No filme houveram dois finais. O que conhecemos e o que ele comete suicídio. Confesso que o final escrito pelo Silvester ficou muito bom! Por incrível que pareça, RAMBO IV é o que mais se aproxima do Rambo do livro!

        • Tem um livro do Rambo?Eu tinha um DVD (Por acaso , pirata….) , parou de funcionar de tanto que rodei ele….vendo o Puma , na época não tinha me convertido ao Cavok , não sabia de nada , pra mim aquilo ali era o bixo!

          • O livro First Blood (que não existe em portuga), MAS existe em portugal, mostra um Rambo muito tri! Me surpreende que o filme tenha sido tão bom quanto.

            Dica, quem for assistir ao ótimo filme PELOTÃO 9, se liguem, no meio dos afegãos que combatem os soviéticos, aparece o Rambo!

  2. Muito boa a matéria, ótimo Cavok!!

    Olha o drama da operatividade sem ter projeto especifico:

    "O desgaste em fuselagens e sistemas causados por esses vôos de baixa altitude também aumentaram consideravelmente as taxas de desgaste operacional."

    Certamente que hoje tudo está projeta do para o razante também, os nosso MI-35 fazem constantemente esse tipo de voo.

    E hoje são os USA que estão indo embora e deixando o país como se nada tivesse acontecido…. pois no fim os Talibã vão pegar o poder do país de novo!

    Nem uma das duas potencias conseguiram vencer ali… 2X0 pras tribos afegãs.. infelizmente pro povo deles!

    Mas se o povo deles quer uma vida diferente, então que sejam eles mesmo a lutar contra o governo ou a religião que os oprime… mas parece que assim não é!

    Valeu!!

    • Amigo Francoorp, historicamente o Afeganistão é um país INCONQUISTÁVEL, até Genghis Khan tentou, nenhum invasor do Afeganistão conseguiu lograr êxito… E não serão os USA/OTAN que farão isso!

    • num sei não!!! tem muita gente adorando comparar o Afeganistão ao Vietnan, para os proprios americanos, mas eu acho que não será bem assim, os Talibans não tem mais a força que tinham, fazer atentados com suicidas não é força, os americanos irão embora talvez, mas não significa que irão abandonar o pais como fizeram com o Vietnan do Sul e o camboja. Outro ponto, a invasão americana ao Afeganistão, não foi uma missão de conquista, mas uma missão punitiva, foi represalia ao apoio que deram para Osama. O Iraque também diziam que jamais seria apaziguado, e parece que as coisas estão se acalmando por lá!

  3. Tres divisoes em um dia? Impressionante. Esta bem justificado o receio europeu sobre a capacidade miitar soviética da época. No livro "Contra todos os inimigos" (aquele que o governo Bush filho tentou impedir a circulaçao), o autor Richard Clarke faz uma observaçao interessante sobre o envolvimento soviético no Afeganistao, afirmando que estes perderam o controle do conflito quando saíram para além dos poucos centros urbanos/administrativos que controlavam eficientemente para "pacificar" todo o país. Dá a entender que a derrota soviética ocorreu por culpa da estratégia adotada. E a coisa se repete agora, segundo o próprio autor. Abs.

  4. Parabéns pela matéria ao Cavok. Penso que o pesado Hind assim como os Gepards recém adquiridos pelo Brasil foimum erro estratégico. Suas vulnerabilidades são bem conhecidas, infelizmente. Precisamos de sistemas de defesa anti aérea eficientes e de helicopteros de ataque escolta leves. A Guerra do Afeganistão virou por causa dso stingers americanos.

    • Os soviéticos perderam por causa do Rambo. Ou melhor, por causa do Coronel Trautman! Não fosse por ele ter sido capturado e o Rambo não teria ido até lá resgatá-lo e matar uns soviets…heheehehe… 😉
      Brincadeiras a parte e fugindo ao tema, quem nunca leu First Blood, que dê um jeito de ler! Daí entende-se do porque do filme Rambo (Rambo I) ser tão bom…em contrapartida com os demais filmes!

    • Gostei da aquisição dos Mi-35. Mas realmente os Gepard foram um tiro no pé. Não são ruins, mas tem um custo de manutenção muito alto. E logo o Brasil será o único usuário do Gepard no mundo enquanto todos se livram dele. Deveríamos ter usado esse dinheiro para investir em mais alguns sistemas Pantsir.

  5. Pode se dizer que Afeganistão foi o Vietnã para os Russos… Tão parecida que nessa guerra os Afegãos tiveram apoio dos Americanos, enquanto que na guerra do Vietnã o apoio essa dos Russos aos Norte Vietnamitas… Mande a Parte 2 caro Giordani .

    • FoxDelta,

      Aí é que está… Os americanos enfrentaram uma verdadeira pedreira… Lutaram com forças regulares do Vietnam do Norte, guerrilheiros vietcongs no sul, contra as imensas dificuldades de se manter um contingente efetivo em um país com o mínimo de infraestrutura, e o pior, contra si mesmos na bagunça que era o gerenciamento da campanha… Por trás do Vietnam, estavam chineses e russos, que repassaram uma pancada de itens, treinamento e sempre que possível, auxiliaram na recuperação da infraestrutura que os americanos destruíam. Mesmo que a China tenha retirado o seu apoio mais a frente, o fato é que as potências vermelhas deixaram os vietnamitas bem assistidos…

  6. a unica diferença e que os vietnamitas não se viraram contra os russos, já os afegãos……..

      • em termos! a China invadiu o Vietnan para punir o pais pela derrubada do regime do Pol Pot no camboja, a China avançou um teco e dai recuou, como o Vietnan não saiu do Camboja deve-se entender que a China fracassou!
        como a propria China admitiu que perdeu 20.000 soldados de um total de 260.000 engajados, num periodo de 3 meses (os EUA perderam 50.000 em 8 anos), acho que porrada não faltou pra ninguém.
        Em tempo o Vietnan não derrubou o regime sanguinario do Khmer por solidariedade as vitimas, apenas não queria um aliado da China no seu quintal!

        • A China foi derrotada no conflito de 1978-1980, pois tentava se impor como poder regional ao vietnam recém-unificado. Azar dos chinas, pois o vietnam estava vindo de uma guerra vitoriosa, a URSS não via com bons olhos a vontade da china maoista de se sobrepor e, acima de tudo, o Exército Popular chinês estava em frangalhos, sem lideranças, sem estrutura, desatualizado. A derrota para o ivetnam foi um dos estopins das Quatro Transformações que a china empreendeu no inicio dos anos 1980 e que tem resultados cada vez mais sensíveis neste país.

Comments are closed.