A baixa nas vendas do Typhoon faz com que a BAE tome medidas. (Foto: Peter Gronemann – Imagem ilustrativa)

O novo chefe da BAE Systems cortará cerca de 2.000 empregos da maior empresa de defesa do Reino Unido para combater a diminuição das encomendas do caça Typhoon.

O Eurofighter Typhoon ganhou menos pedidos este ano do que rivais como o Rafale, construído pela Dassault Aviation da França, e a BAE está diminuindo a produção enquanto espera que o Qatar confirme sua intenção de comprar 24 unidades.

O Chefe do Executivo, Charles Woodburn, que ocupou o cargo em julho após 15 meses como diretor de operações, disse que a BAE teve que alinhar a capacidade da força de trabalho mais próxima com a demanda a curto prazo e tornar-se mais competitiva para garantir novos negócios.

Essas ações são necessárias e a coisa certa a fazer para a nossa empresa, mas infelizmente incluem redundâncias propostas em várias operações“, disse ele na terça-feira.

A ministra das empresas do Reino Unido, Claire Perry, disse que trabalharia com a BAE para manter as redundâncias obrigatórias ao mínimo. “A empresa nos assegura que as reduções podem ser gerenciadas de forma voluntária na medida do possível“, disse ela aos legisladores.


FONTE: Reuters

Anúncios