A Blue Origin, empresa espacial privada fundada pelo bilionário Jeff Bezos, lançou sua aeronave de passageiros New Shepard em um voo de teste no domingo (29), carregando um astronauta fictício e experimentos naquele que foi o seu maior voo espacial até agora.

O foguete e a cápsula New Shepard 2.0, que voaram no Espaço antes, decolaram do local de lançamento da Blue Origin em West Texas às 13h06 (horário local). Apesar de várias horas de atraso (trovoadas frustraram uma janela de lançamento), o vôo parecia ir impecável.

O New Shepard alcançou uma altitude máxima de 105.913 metros, disse Ariane Cornell, da Blue Origin após o lançamento. Isso é quase 106 km, um pouco mais alto do que o alvo típico da empresa de 100 km – a altitude amplamente aceita como a linha divisória do Espaço.

O lançamento de domingo marcou o segundo voo do veículo New Shepard 2.0 da Blue Origin (após um lançamento de teste bem-sucedido em dezembro de 2017) e o oitavo voo de teste geral do programa New Shepard da empresa. Uma versão anterior do New Shepard realizou uma série de missões em 2015 e 2016 antes de ser desativada.

Da decolagem ao pouso, o vôo de teste de domingo durou cerca de 10 minutos e 19 segundos. Após o lançamento da cápsula New Shepard, o booster (foguete impulsor) se separou e retornou ao seu local de lançamento, onde fez um pouso vertical e suave. A cápsula caiu de volta à Terra alguns minutos depois, descendo em paraquedas e amortecendo seu próprio pouso com retrofoguetes.

A nova cápsula espacial Blue Shepard 2.0 foi projetada para transportar 6 passageiros em voos suborbitais de turismo espacial (viagens que alcançam o Espaço, mas não orbitam a Terra) e também pode transportar cargas úteis e experimentos comerciais. Possui 6 grandes janelas para dar aos passageiros pagantes vistas amplas da Terra a partir do espaço. No entanto, a Blue Origin ainda não anunciou quanto custará um bilhete para voar.

Para a missão de domingo, o manequim astronauta da Blue Origin, carinhosamente apelidado de “Mannequin Skywalker”, decolou em um assento de passageiro ao lado de uma série de experiências científicas e tecnológicas. Essas cargas incluem uma experiência para o Centro Espacial Johnson da NASA; vários outros de universidades européias financiadas pelo Centro Aeroespacial Alemão (DLR); e um “Schmitt Space Communicator” para a empresa Solstar, que batizou o experimento com o nome do astronauta da Apollo 17 Harrison Schmitt (um conselheiro da Solstar).

Mais voos de teste Shepard são esperados para os próximos meses. Se tudo der certo, a Blue Origin poderá começar a lançar pessoas na New Shepard este ano”, disseram representantes da empresa.

Enquanto isso, a Blue Origin está ocupada desenvolvendo um foguete maior chamado New Glenn, que lançará missões até a órbita da Estação Espacial Internacional na década de 2020. Como New Shepard, o pesado foguete New Glenn será reutilizável e levará as pessoas ao Espaço.

Veja o vídeo. 12 minutos onde a ficção vira realidade!


FONTE: Blue Origin

3 COMENTÁRIOS

  1. A Blue Origin vem forte para a próxima década com o propulsor BE-4. Apesar menos potente que o concorrente da ULA, é reutilizável e menos complexo, o que trará custos mais competitivos. Após anos de marasmo, teremos novidades contínuas num futuro próximo.

Comments are closed.