O Boeing 737-800 com um buraco no nariz após ter supostamente atingido um drone na aproximação para pouso.

Um Boeing 737-800 da Aeroméxico ficou com um buraco no radome no nariz da aeronave, após colidir em pleno voo com um objeto não identificado, provavelmente um drone, no dia 12 de dezembro.

Segundo a imprensa local, o incidente foi ocasionado por um drone, já que não existem quaisquer indícios que indiquem a colisão com uma ave de grande porte, segundo fontes não oficiais que avaliaram os danos causados na aeronave. Em uma gravação de cabine, os membros da tripulação podem ser ouvidos dizendo que ouviram um “estrondo bem alto” e pedindo à torre de controle para verificar se o nariz estava danificado. Pouco depois pousaram em segurança, informando que uma das suspeitas é terem sido atingidos por um drone.

O 737, matrícula XA-ADV, cumpria o voo AM770, que tinha partido do Aeroporto de Guadalajara pelas 06h40 da manhã da quarta-feira, dia 12 de dezembro, e pousou cerca de três horas depois, colidindo com o suposto drone quando estava na aproximação para pista em Tijuana. Os estragos visíveis são na zona de proteção do radome e do radar meteorológico, que é também uma das mais sensíveis da fuselagem de uma aeronave. Fontes no solo disseram que os estragos foram severos nessa área da aeronave.

“A causa exata ainda está sendo investigada”, disse a Aeromexico em um comunicado. “A aeronave pousou normalmente e a segurança dos passageiros nunca foi comprometida.”

O incidente está sendo investigado pela autoridade nacional de segurança aérea. O avião foi posteriormente entregue aos serviços de manutenção da companhia aérea Aeroméxico.

Anúncios

5 COMENTÁRIOS

  1. Tem sangue? Aparentemente não. Então não era orgânico (sorry marketeiros dos infernos). Se não era orgânico e não tem relato de morte/desaparecimento, então não era tripulado. Pouco provável que tenha sido uma pedra atirada por alguém. Então voto em drone mesmo.

  2. O dia que der uma m…. aí vão proibir a compra desses produtos sem licença prévia! Quem operava esse drone tem o que na cabeça? Massa cinzenta que não é!

  3. Eu já disse isso em outra oportunidade.. esse negócio de drone é a praga eletrônica desse século.

  4. Uma dúvida que me veio à cabeça já que se fala de drone: Pela regulamentação implantada pela ANAC, quem vende esse equipamento no Brasil (ainda que para uso não comercial) está obrigado a proceder registro da aeronave em nome do proprietário junto a ANAC ou todo o processo tem que partir do proprietário?

Comments are closed.