O Boeing 747-100 durante seu primeiro voo no dia 9 de fevereiro de 1969.

Há exatos 50 anos, no dia 9 de fevereiro de 1969, o Boeing 747 realiza seu primeiro voo tornando a data uma das mais importantes da história da aviação. Acompanhem um breve resumo da história desta icônica aeronave, com uma seleção de imagens escolhida para os nossos leitores, mostrando as várias versões do Jumbo Jet.

Todos os dias milhões de pessoas voam, é um modo de vida aceito – mas isso nem sempre foi assim. Desde os primeiros dias da aviação comercial, o voo era limitado a viajantes de negócios e àqueles que tinham meios de comprar os bilhetes muito caros. Os destinos também eram limitados, exigindo um número de conexões para voar entre as principais cidades.

Proposta da Boeing para aeronave de transporte militar da USAF.

Nos anos 60, a Boeing estava trabalhando duro para desenvolver seu superjumbo icônico, enquanto a indústria pensava que o futuro da aviação civil era uma aeronave supersônica.

O Boeing 747 nasceu a partir de uma competição da USAF, a qual o C-5 Galaxy venceu.

Em 1963, a Boeing estava concorrendo a um contrato militar, uma aeronave de transporte militar pesado, com um nariz abrindo para permitir o carregamento. A Boeing apareceu com seu design exclusivo de dois andares, mas o contrato foi para a Lockheed e a General Electric, as fabricantes que ofereceram o C-5 Galaxy.

Quando chegou 1969, tudo isso mudou já que a Boeing decidiu produzir a versão de passageiros do avião. O Boeing 747, chamado de “Super Jet”, e apelidado de “Jumbo Jet” pela imprensa, chegou ao céu pela primeira vez.

O desenvolvimento do Boeing 747 levou a fabricante de aviões americana quase ao abismo. A aeronave era a maior e mais pesada aeronave de passageiros de seu tempo, e investimentos consideráveis eram necessários nas novas tecnologias, como motores que poderiam fazer com que a aeronave pudesse decolar totalmente carregada.

A cliente de lançamento do 747 foi a Pan Am.

A aeronave 747-100 foi utilizada como plataforma de testes para o sistema de reabastecimento utilizado pelas aeronaves KC-135 da USAF.

Graças à confiança e ao apoio da cliente de lançamento, a Pan Am, a Boeing conseguiu concluir o desenvolvimento da aeronave e entregou o primeiro superjumbo à companhia aérea norte americana no dia 15 de janeiro de 1970. Depois disso, o icônico superjumbo foi a maior aeronave de passageiros em serviço por 37 anos. A aeronave rapidamente se tornou popular entre os viajantes e a Boeing entregou cerca de 1.500 exemplares desde então.

O 747 rapidamente se tornou o ícone da aviação comercial. O 747 era famoso como selo postal, um ícone da cultura pop, de cenário de filmes e televisão, e até transportava o ônibus espacial. O avião introduziu uma série de inovações tecnológicas e de aviação, sendo a maior delas a invenção do projeto de fuselagem de corredor duplo. Também marcou o primeiro uso comercial do motor turbofan de alto bypass.

O que tornou o 747 extraordinário, além de sua corcova diferenciada e seu status em filmes de Hollywood, foram os clientes que ajudaram a frota do 747 a registrar mais de 121,5 bilhões de quilômetros percorridos, o que equivale a mais de 137.000 viagens da Terra para a Lua e de volta! As viagens aéreas se tornaram uma possibilidade para grande parte do mundo, com os 747 transportando mais de 5,9 bilhões de pessoas – o equivalente a 78% da população mundial.

O Boeing 747 jumbojet foi também utilizado e ainda permanece em uso como aeronave presidencial por várias nações, incluindo os EUA, onde é chamado de Air Force One quando o presidente está a bordo. No Brasil, apenas uma companhia aérea voou com o Boeing 747: a Varig operou um total de 12 aeronaves entre 1981 e 1998.

O Boeing 747-400 da Varig.
O Boeing 747 usado como aeronave de transporte da Space Shuttle.
Boeing VC-25 usado como aeronave presidencial nos EUA.

E como o papel do 747 continua, ele fornece um serviço que os projetistas originais previram: otimizaram o 747 para se apresentar como um dos melhores cargueiros do mundo – um testemunho de um avião que foi construído para durar.

O Boeing 747-400, chamado de SuperTanker, usado para combate a incêndios florestais.
A mais nova versão, e atual, é a Boeing 747-8I.
O Boeing 747 foi também convertido para aeronave de transporte de componentes do 787 Dreamliner, conhecido como Dreamlifter. (Foto: Fernando Valduga / Cavok Brasil)

Para aqueles que amaram a aeronave ao longo dos anos, ela é a “Rainha dos Céus” (Queen of the Skies). O futuro do Boeing 747 hoje parece estar principalmente no transporte de carga, impulsionado pelo crescente número de consumidores que compram on-line.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Uma aeronave que veio no tempo certo, fez história e cumpriu com seu papel de maneira magnífica. E vai demorar ainda algumas décadas até que deixe de singrar os céus. Pode ser que o A-380 desapareça antes.

  2. Fiquei curioso para saber quais foram essas "várias nações" que utilizaram e ainda utilizam o 747 com avião presidencial..
    .
    Outro detalhe, é a diferença gritante no diâmetro dos motores de um avião como o 747 (especialmente os mais antigos) e aeronaves modernas como os 777, 787, A-350 etc…

    • As nações que usam atualmente o 747 para transporte de chefes de estado são: Bahrein, Brunei, Emirados Árabes Unidos, Coreia do Sul, Japão, Marrocos, Catar, Omã, Arábia Saudita e Kuwait, além dos EUA.

Comments are closed.