Boeing 747-400 da British Airways, em foto de arquivo. (Foto: Nicolas Economou/NurPhoto via Getty Images)

Um Boeing 747 da British Airways estabeleceu um novo recorde de velocidade subsônica no domingo, 9 de fevereiro de 2020, voando do Aeroporto JFK em Nova York para o aeroporto de Heathrow em Londres, em menos de cinco horas, acelerado pelos ventos no norte gerados pelo furacão Ciara.

A corrente de jato atualmente poderosa sobre o norte do Atlântico acelerou o jato ‘mais rápido que a velocidade do som’, em alguns trechos chegando a 1.327 km/h. Devido ao vento forte constante, o 747-436 (G-CIVP) da British Airways chegou em 4 horas e 56 minutos, de acordo com o site rastreador Flightradar24, 80 minutos antes do previsto na manhã de domingo.

Apesar de viajar mais rápido que a velocidade do som, o avião não teria quebrado a barreira sônica, pois foi ajudado pelas fortes correntes de ar. Em relação ao ar, o avião estava viajando mais devagar do que 801 mph (1.287km/h).

A velocidade mais alta da aeronave ‘Rainha dos Céus’ foi medida em 825 mph logo após deixar a costa atlântica do Canadá, com o jato registrando a velocidade mais rápida. Depois de atingir a alta velocidade de cruzeiro, a aeronave continuou a surfar com os fortes ventos de cauda acima do solo e ajudou o voo BA112 a estabelecer um novo recorde para um voo entre Nova York e Londres.

A British Airways disse: “Sempre priorizamos a segurança em vez dos recordes de velocidade. Nossos pilotos altamente treinados aproveitaram ao máximo as condições para levar os clientes de volta a Londres com bastante antecedência.”

O furacão Ciara chegou ao Reino Unido no fim de semana e causou graves interrupções nas viagens em outros lugares. Dois dos aeroportos mais movimentados da Europa – um em Frankfurt, na Alemanha, e outro em Amsterdã, nos Países Baixos – pousaram mais de 100 voos devido à tempestade.

O recorde anterior de alta velocidade de um avião moderno foi estabelecido por um Boeing 787 norueguês em 2018, que completou a viagem de Nova York a Londres em pouco mais de cinco horas, com uma velocidade de cruzeiro estável a cerca de 776 mph, com a ajuda da corrente aérea do Atlântico com vento de popa a uma média de ± 200 mph.

A travessia transatlântica mais rápida, é claro, pertence a uma aeronave supersônica, quando, em 7 de fevereiro de 1996, um Concorde da British Airways voou de Nova York para Londres em apenas duas horas, 52 minutos e 59 segundos, atingindo uma velocidade máxima de 1.350 km/h – e quebrando confortavelmente a barreira do som. Poucos anos depois, o Concorde fechava um capítulo da história, após um acidente fatal do Concorde da Air France no aeroporto Charles De Gaulle em Paris, em julho de 2000.

Anúncios