Boeing F/A-18F Super Hornet (Foto: Mass Communication Specialist 3rd Class Ricardo J. Reyes / U.S. Navy)

A americana Boeing e a sueca Saab iniciaram uma nova ofensiva para impedir que o governo brasileiro escolha o caça Rafale, da francesa Dassault, na concorrência da Força Aérea Brasileira (FAB) para a compra de 36 aeronaves. Em pleno lobby, a Boeing reiterou sua última oferta de venda do F-18 Super Hornet, de dezembro passado, que prevê a inclusão da Embraer no desenvolvimento da próxima geração do jato. A sueca Saab reforçou os critérios que colocaram o Gripen NG no topo da avaliação da Aeronáutica – preço baixo e tecnologia a ser desenvolvida junto com a Embraer.

Saab Gripen NG

Sem data marcada, o governo promete anunciar em breve sua decisão. Questionado sobre essa nova batalha de lobbies, um colaborador do presidente Lula afirmou nesta quarta-feira, 20, que essas iniciativas não mudam o jogo e que os critérios de escolha não serão alterados. A vitória da Dassault, para este assessor de Lula, está cimentada.

Gerente sênior de Desenvolvimento de Negócios Internacionais da divisão de aeronaves militares da Boeing, Michael Coggins, anunciou na última terça-feira que o governo americano liberou a transferência de tecnologia, inclusive dos códigos informáticos para armar os caças com mísseis brasileiros, e insistiu que nada impedirá a futura fabricação dessas aeronaves no Brasil. “Nós oferecemos à Embraer e à FAB a opção de produzir os Super Hornet no Brasil”, afirmou.

Cogins admitiu que há um sério problema de confiança do Brasil em relação à oferta americana. Mas, mostrou-se otimista com as gestões do novo embaixador dos EUA em Brasília, Thomas Shannon, a partir de 4 de fevereiro, e nas respostas aos três lobbies diretos do presidente americano, Barack Obama, junto a Lula. O mesmo colaborador do presidente brasileiro rebateu essa versão. “Nenhum compromisso do governo americano impede um eventual veto do seu Congresso.”

A direção da Saab não poupa esforços para tentar convencer que seu projeto é superior e rebater as críticas de que o Gripen NG existe apenas no papel. “O Gripen é o melhor não só pela tecnologia como pelo conceito e pelo preço”, afirmou Bob Kemp, vice-presidente da Saab. “O avião já existe”, emendou Bengt Jáner, representante da Saab no Brasil. Eles explicaram que o Gripen NG é baseado em um caça em operação, o Gripen C, que foi vendido para quatro países. Existe hoje uma espécie de protótipo do Gripen NG, já testado por pilotos da FAB.

Proposta da versão naval do Gripen: o Sea Gripen

De olho em outros negócios, a Saab apresentou para a Marinha brasileira, em dezembro, o projeto do Gripen Naval, para o porta-aviões São Paulo. A expectativa é que, em uma década, os 12 caças da Marinha em operação sejam substituídos por novos modelos. “Não é algo para agora; é para daqui uns dez anos”, observou Kemp.

Fonte: Denise Chrispim Marin e Eugênia Lopes, da Agência Estado

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. O Gripen NG é a melhor escolha que o Brasil pode fazer no momento. Todos os aspectos técnicos estudados apontam este caça como sendo o ideal. Meus estudos estão primando inclusive pela prudência. Aspectos políticos e negociações paralelas (biodiesel, Conselho de Segurança da ONU) não foram por mim considerados. E não sou eu quem decide, infelizmente. Paciência!

Comments are closed.