O primeiro SB>1 Defiant, em foto divulgada em conjunto pela Sikorsky e Boeing.

A Sikorsky, uma empresa da Lockheed Martin, e a Boeing divulgaram as primeiras imagens de seu helicóptero SB>1 DEFIANT que as empresas desenvolveram para o programa demonstrativo conjunto de tecnologia multi-tarefa do Exército dos EUA.

O SB>1 DEFIANT foi projetado para voar com o dobro da velocidade e alcance dos helicópteros convencionais atuais e oferece agilidade e manobrabilidade avançadas. Ele ajudará a formar a próxima geração de helicópteros militares como parte do programa Future Vertical Lift (FVL) do Exército dos EUA.

O helicóptero está participando do programa de Joint Multi-Role-Medium Technology Demonstrator do Exército dos EUA. Os dados do SB>1 DEFIANT ajudarão o Exército a desenvolver requisitos para novos helicópteros dos serviços que devem entrar em operação no início dos anos 2030.

Anúncios

29 COMENTÁRIOS

  1. Enquanto os russos seguem remasterizando velhos projetos soviéticos, os EUA seguem firme mostrando ao mundo alternativas a tudo o que já conhecemos. Foram aviões furtivos, os tilt-rotor e também essa boa solução. É óbvio que chineses logo terão sua versão 'oliginal', mas os russos terão que vender muito petróleo e gás para entrarem nessa rota de inovações.
    Vivas ao capitalismo e à iniciativa privada que sem os quais não estaríamos apreciando essas maravilhas.

    • Acho que vc quer dizer "vivas" ao singelo orçamento de 800 bilhões de doletas de dinheiro PÚBLICO do contribuinte americano que banca essa tecnologia toda.

      Nos EUA as empresas de defesa são privadas mas nem pesquisa fazem sem amparo estatal. E isso nem de longe é uma crítica, é o correto a se fazer.

      • O problema é que aqui no Brasil querem que as empresas sejam estatais. A julgar pelo que vimos na Petrobrás…

      • Como disse a ilustre Sra. Margateth Thatcher “Não existe essa coisa de dinheiro público, existe apenas o dinheiro dos pagadores de impostos“. Sim, se há 800 bi, alguém produziu, e assim como na China que se diz comunista, na verdade é o capital privado que gera toda a riqueza que, quando bem gerida, faz emergir do conhecimento todas essas maravilhas.

        • Tudo o que é público "não existe", é atrasado, é ruim. Até o dia em que o tal "capitalismo" dá errado e a bolsa despenca… aí é um deus-nos-acuda e todo o mundo chorando e "exigindo que o 'Governo' faça alguma coisa" que, em cem por cento das ocasiões, é injetar recursos para consertar a bagunça dos especuladores. Parecido com o que aconteceu em 2008 e tantas outras vezes…o tal "privatizar os lucros e socializar os prejuízos".
          Mas, antes que reclamem, não estou injuriado ou contrariado ou com vontade de "morar em Cuba". É só a forma como vejo as coisas. Acho injusto, mas é como o mundo é, ou seja… sigamos! 🙂

          • Quem "despenca" a bolsa é a política monetária do Estado.

            O Estado cria crédito que não existe, as pessoas compram o que não podem, daí descobrem que não podem pagar, a bolsa cai e o culpado é o setor privado.

        • Essa frase da tal senhora Thatcher é tão profunda quanto "a água é molhada", nem sei porque os liberais a repetem tanto. Mas de qualquer forma confirma que o Estado é quem manda e isso pode ser muito bom.

            • Vamos lá Eduardo…me explique como seria uma sociedade moderna sem Estado. Estou curioso. Os Estados Unidos não são um Estado constituído? Eu sei bem que o dinheiro lá só não esgota pela rolagem colossal da dívida PÚBLICA deles. Sem isso…pode esquecer o "sonho americano". Acho impressionante que mesmo após 2008 com o ESTADO americano tendo de "depositar" trilhões no mercado privado (que tinha f!@#$ tudo inventando operações fraudulentas imobiliárias ) as pessoas não enxergam quem realmente pode "comandar" o bem estar social.

              • Em 2008, foi o Estado que criou a crise ao distorcer o crédito e criar a bolha imobiliária.

                Dívida pública não gera riqueza, gera problemas.

                Quem define o que é bem-estar social?

            • E o dinheiro de 2008 nem foi de imposto não…foi "criado" mesmo, nunca teriam esse mar de dinheiro no caixa.

              • O governo cria crédito, gera bolha e um dia as pessoas descobrem que aquilo que elas compraram não vale nada.

                Agradeça ao Estado e ao Keynes.

      • Mas isso não é regra, muitas empresas la quebraram por terem investido seu dinheiro para criar produtos que iriam participar de concorrências do governo, enquanto aqui que as empresas que nem são brasileiras ganham tecnologia (ToT) de graça, sem terem feito coisa alguma…

      • É que as empresas deveriam fabricar armas e doar de graça para o governo.

        • Vejamos o exemplo do F 35 que consumiu mais da metade do PIB da Argentina pra criar UMA única plataforma. Vc acha que a Lockheed segurou esse custo? Se tivesse estaria agora com as portas fechadas. Quando isso acontece os lobistas vão chorar no congresso por verbas suplementares, muitas vezes pagas sem caixa com emissão (os americanos emitem tanta moeda como comem hambúrgueres )

          • Deixa ver se eu entendi, o governo americano queria um caça. Daí as empresas vão projetar o caça que o governo quer de graça. Muito lógico.

            • Não…não vão…essa é a questão…e que bom que vc entendeu…o "provedor" é o Estado. Simples assim.

              • Querido, quando vc compra uma coisa, vc tem que pagar por ela.

                O governo queria o F35, contratou uma empresa e ela fez o F35.

                Qual outra forma isso poderia acontecer?

          • E qual é o problema? Alguém aqui advogou pelo fim do Estado? Decerto que não! O que não se aceita é o Estado ser empresário pois como vimos empresa estatal é sinônimo de ineficiência e corrupção. Aliás se fosse uma estatal encarregada de desenvolver o F-35 teria custado o dobro e não teria 1/3 da capacidade.

          • Você não podia estar mais errado….

            O desenvolvimento do F-35 custou até o presente US$ 60 bilhões. A projeção de US$ 1 trilhão refere-se aos custos para produzir 3.000 aviões e a manutenção e upgrade dos mesmos ao longo de 40 anos. Entretanto repetem a inverdade seguidamente talvez para tentar desviar do fato de que até hoje as gloriosas estatais de China e Rússia terem se mostrado incapazes de produzir um caça 5G crível.

            Sinto muito…,

            • É que a LM deveria desenvolver, fabricar, dar manutenção e atualizar de graça.

  2. projeto privado desfiante e ao mesmo tempo com concorrência forte que tem o V-280 da Bell. só comparando os 2 o USArmy vai decidir qual.

    • E que abundância de tecnologia! Sempre para cada proposta aceita sempre há outra que serviria a qualquer nação. Isso sim é ser grande, pensar grande, dar oportunidade. Queria que no meu país não tivesse uma empresa de alta tecnologia, mas muitas em condições de apresentar grandes projetos e grandes soluções.

  3. É o projeto que mais me impressionou. A velocidade estonteante, o formato elegante e ‘invocado’. Se minha opinião valesse de algo, o contrato já teria sido assinado.

  4. Que é uma máquina muito interessante ninguém pode duvidar, esperemos que não estoure o orçamento, como acontece tantas vezes, programas mal gerenciados rapidamente viram buracos sem fundo !

Comments are closed.