Uma aeronave BBJ MAX foi convertida como pedido firme.

A Boeing garantiu a primeira encomenda confirmada em meses para um exemplar do modelo 737 MAX que está ainda com os voos suspensos, de acordo com dados da empresa para setembro divulgado na terça-feira, ao reportar que o total de entregas nos primeiros nove meses de 2019 quase caiu pela metade em relação ao ano de 2018.

Os reguladores aterraram o 737 MAX em todo o mundo após um segundo acidente fatal em março que matou todas as 157 pessoas a bordo de um avião da Ethiopian Airlines e está lutando para que o jato volte a voar ainda este ano.

A Boeing afirmou na terça-feira que um cliente de jato executivo não identificado havia encomendado um jato 737 MAX, sugerindo que o pedido foi convertido para o modelo MAX a partir de outra variante.

A Boeing também informou quatro aparentes conversões de pedidos em favor do MAX em abril, mas um grande acordo provisório para 200 dos jatos do proprietário da British Airways IAG, anunciado no Paris Airshow em junho, ainda não foi apresentado como pedido firme.

O número líquido de pedidos da Boeing, incluindo cancelamentos, foi negativo em 84 nos primeiros nove meses de 2019, também atingido pela falência da Jet Airways da Índia, que resultou na remoção de 210 aeronaves da carteira de pedidos da Boeing.

A rival européia Airbus, por outro lado, tem 127 pedidos líquidos este ano e está ao alcance de sua meta de 880-890 entregas, apesar dos problemas da fábrica.

As entregas da Boeing caíram 47%, para 302 aeronaves nos primeiros nove meses de 2019. As entregas totalizaram 26 aeronaves em setembro, ante 87 no ano anterior.

Antes da suspensão dos voos do MAX, a Boeing, que entregou 806 aeronaves em 2018, tinha como alvo 900 entregas de aeronaves este ano.


Fonte: Reuters

Anúncios