O novo Boeing 777X com duas pontas das asas dobráveis.

No dia 18 de maio, a Federal Aviation Administration (FAA) aprovou o projeto das pontas das asas dobráveis ??CFRP da Boeing, que serão incorporadas nas duas variantes de aeronaves 777X, 777-8 e 777-9. Espera-se que a tecnologia ajude a empresa a cumprir um regulamento da FAA para parar nos portões dos atuais aeroportos. A Boeing incorporará essa capacidade de dobra das pontas das asas no solo para reduzir a envergadura de 72 para 64 metros quando dobrada.

A aprovação da FAA para as pontas das asas ocorreu quando a Boeing já estava montando as primeiras asas para os novos modelos. Em outubro, a Boeing iniciou oficialmente a produção das asas no seu Composite Wing Center em Everett, Washington. O 777X apresenta um design de asa leve baseado em uma longarina de material composto de mais de 640 quilômetros de fita de carbono curada em uma autoclave especialmente construída. Quando terminar, a nova asa do 777X será a mais larga da companhia, passando a do 747-8.

Uma norma global, da Organização da Aviação Civil Internacional, estabelece seis categorias para os aviões e a operação em aeroportos. O Boeing 777, pertencente à categoria E, prevê aeronaves com envergadura entre 52 m e 65 m. Porém, as novas asas colocariam o avião num nível acima, ou na categoria F, que são para aeronaves com envergadura entre 65 m e 80 m, restringindo consideravelmente os aeroportos aptos a receber os novos 777X.

O 777X será o primeiro avião comercial com wingtips dobráveis e, portanto, não está coberto pelos regulamentos dos EUA e pelos padrões de aeronavegabilidade existentes.

Para as novas pontas, uma das condições impostas pela FAA é que a Boeing tenha vários sistemas de alerta automáticos para garantir que os pilotos nunca tentem decolar sem que as pontas das asas estejam totalmente estendidas. A agência também disse que a Boeing deve demonstrar que as pontas das asas nunca poderiam ser destravadas acidentalmente durante o voo e que “nenhuma força ou torque possa destravar ou desbloquear os mecanismos”. As asas também devem resistir a rajadas de até 75 milhas por hora no chão.

A Boeing está confiante que a montagem de asas para o lote inicial de teste de solo e de voo do 777Xs será concluída dentro do cronograma, apesar dos atrasos e desafios de produção. De acordo com a Boeing, a variante 777-9 ainda voará no primeiro trimestre de 2019, com entregas iniciando em dezembro de 2019.

A Boeing está atualmente construindo sua nova aeronave comercial bimotora de longo alcance 777X com espaço para até 407 passageiros. A eficiência é fundamental, com um ganho de eficiência de combustível esperado de 12%, e isso somente será alcançado com novos motores e asas mais longas. Dobrando as asas, o 777X terá a mesma envergadura dos atuais 777.

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma coisa muito interessante, que se não se tem visto por aí, é matéria atualizada sobre os sistemas de "folding wings" de aeronaves — uma solução de engenharia eficiente e mais velha que a minha avó. E falando nisso (engenharia aeronáutica), OFF: tem gente que vai morrer sem saber que os Tornado e Saab Viggen são aviões de caça com reversos — atuadores mecânicos na tubeira dos motores, um externo e o outro quase interno, respectivamente. Os dos RB199 do Tornado são monstruosos… 🙂

Comments are closed.