Bombardeiro B-52H chegará nos seus 100 anos voando e em combate.

A frota de bombardeiros B-52H, com quase 60 anos de idade, recebeu um fluxo constante mas lento de atualizações para manter os aviões operacionais. A Força Aérea dos EUA está agora se comprometendo a voar com o bombardeiro na década de 2050, um feito que exigirá ainda mais melhorias.

A Força Aérea dos EUA encomendou 102 bombardeiros B-52H durante a Guerra Fria, com os primeiros aviões entregues em maio de 1961. O velho B.U.F.F. (Big, Ugly, Fat e Fellow) de oito motores está em serviço contínuo desde então, realizando missões de combate na ex-Iugoslávia, Iraque e Afeganistão. A USAF planeja continuar pilotando os 76 B-52H restantes até 2050, com alguns voando até 2061. O B-52H será o avião de guerra mais longevo da história, servindo por mais tempo do que os novos bombardeiros B-1B e B-2A .

Cockpit do B-52H.

“A aeronave foi construída em 1960. Se você andar no cockpit, parece um cockpit de 1960. Ele voa como um avião de 1960”, disse o coronel Robert Burgess, comandante do 307º Grupo de Operações.

Os B-52H estão recebendo novos monitores LCD, computadores de bordo e links de comunicação. Isso é acoplado a um novo radar AESA (antena de varredura eletrônica ativa), permitindo detectar mais alvos no solo e no mar mais longe do que nunca. O resultado é um avião de guerra que coleta mais dados sobre as forças inimigas, transmitindo-os para os comandantes através de links de dados seguros e baixa novos dados coletados de outras fontes para ajudá-lo a cumprir sua missão diante das ameaças inimigas.

O B-52H cumpre missões convencionais e nucleares e receberá melhorias em sua capacidade de transportar ambas. O bombardeiro dobrará o número de armas que pode transportar internamente e levará o novo míssil nuclear ou de cruzeiro convencional Long Range Standoff (LRSO). Um B-52H também foi usado recentemente em testes de transporte do novo sistema de armas hipersônicas ARRW (“Arrow”), embora não esteja claro se o bombardeiro realmente usará o míssil hipersônico quando estiver pronto.

O B-52H superará os bombardeiros B-1B Lancer e B-2A Spirit, que serão substituídos pelo B-21 Raider atualmente em desenvolvimento. Em 2050, a frota de bombardeiros da Força Aérea dos EUA consistirá em 100 bombardeiros furtivos B-21 Raider relativamente novos e B-52H com mais de 90 anos de idade – uma mistura bastante incomum para dizer no mínimo.


Fonte: DefenseNews, via Popular Mechanics

Anúncios