Um bombardeiro B-52 voa em formação com três F-16 da Real Força Aérea Norueguesa sobre o Mar da Noruega, no dia 28 de março de 2019.

Cinco bombardeiros estratégicos de longo alcance B-52 Stratofortress da USAF (Força Aérea dos EUA) realizaram voos de treinamento em águas internacionais nas proximidades Mar da Noruega, no dia 28 de março de 2019 e belas imagens foram registradas deste voo.

Durante as voos, os B-52s voaram ao lado e treinaram com caças noruegueses F-16. Treinar com aliados OTAN como a Noruega aumenta a capacidade e a prontidão da aliança.

Os voos também permitiram que as tripulações de aeronaves realizassem a familiarização no teatro de operações e demonstrassem o compromisso dos EUA com aliados e parceiros por meio do emprego global das forças militares. O Comando Estratégico dos EUA testa e avalia regularmente a preparação de ativos estratégicos para garantir que possa honrar os compromissos de segurança.

Os B-52, parte da Força Tarefa de Bombardeiros atualmente implantado na área de responsabilidade do Comando Europeu dos EUA (EUCOM), são da 2ª Ala de Bombardeiros, da Base da Força Aérea de Barksdale, Louisiana. As aeronaves chegaram no teatro nos dias 14 a 15 de março e estão operando temporariamente a partir da Base da RAF de Fairford.

“No dia 15 de março de 2019, uma aeronave B-52 da Força Aérea dos Estados Unidos com o transponder ligado realizou um voo sobre águas internacionais do Mar Báltico paralelamente às águas territoriais da Rússia”, disse o Ministério da Defesa da Rússia em 16 de março de 2019. “O avião não se aproximou da fronteira da Rússia a menos de 150 quilômetros e virou-se imediatamente depois que os sistemas de defesa aérea russos em serviço de combate o acompanharam.”

O envio dos bombardeiros para a Base da RAF de Fairford é apenas o mais recente de uma série de atividades militares dos EUA que parece direcionada diretamente aos russos e tranquilizando os membros da OTAN diante da postura ameaçadora do Kremlin em relação à aliança.

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Pequena força de B-52G foi ao mar báltico e depois a esse mar. São usados para missão de lançar minas navais que esse não pode atacar nada que tenha radar e caças de longo alcance. o B-1B nem podem isso que só dão problemas.

Comments are closed.