Rim of the Pacific exerciseDesde o fim da Segunda Guerra Mundial, os bombardeiros passaram por rápida evolução: do tipo propulsionado por motor a pistão, que lançava bombas em queda livre, até o modelo supersônico de alto desempenho, equipado com armas nucleares.

O Boeing B-52 Stratofortress, um dos maiores e mais poderosos aviões construídos, tornou-se uma lenda na história da aviação. Poucas aeronaves, desenvolvidas em curto espaço de tempo, conseguiram realizar tantas missões diversificadas e, também, permanecer em serviço por período tão longo.

Quando foi planejado, logo após a Segunda Guerra Mundial, o B-52 era um turboélice. Em 1948, contudo, viu-se transformado em bombardeiro a jato, modificação que aumentou bem sua velocidade sem prejudicar a autonomia de voo. Recebeu oito motores em casulos gêmeos, fixados sob as gigantescas asas enflechadas em ângulo de 35°. Entre suas características incomuns incluíam-se a cauda vertical dobrável, para a aeronave entrar em hangares; pontas de asas que podiam ser dobradas até 2,5 m para baixo, enquanto os tanques de combustível eram reabastecidos; e quatro trens de aterrissagem giratórios para pousos com vento de través.

XB-52Os protótipos do B-52 voaram em 1952 e suas operações no Comando Aéreo Estratégico (SAC) começaram em 1955. As primeiras versões tinham motores com empuxo de 4.563 kg e levavam cinco tripulantes no nariz e um atirador na cauda.

Em 1958, com o aumento da carga máxima transportada pelos B-52, seus motores tiveram de ser repotenciados, passando a desenvolver 5.080 ou 6.124 kg de empuxo. No ano seguinte começou a produção do B-52G, com alterações consideráveis: grande aumento da capacidade de combustível; toda a tripulação instalada no nariz do avião; nova estrutura com empenagem curta; e suportes para dois mísseis Hound Dog.

O último dos 102 B-52H (uma versão ainda mais aperfeiçoada e potente) ficou pronto em 1963, aumentando para 744 o número de unidades produzidas. Alguns aparelhos totalmente reequipados continuaram em serviço.


Características

Tipo: Bombardeiro pesado de longo alcance.

Propulsão: Oito turbofans Pratt & Whitney TF33-P-1, com 7.711 kg de empuxo cada um.

Desempenho: Velocidade máxima, 1.011 km/h; teto de combate, 14.326 m; alcance a grande altitude com carga de bombas, 16.300 km.

Pesos: Vazio, 88.450 kg; máximo, 229.068 kg.

Dimensões: Envergadura, 56,39 m; comprimento, 49,05 m; altura, 12,4 m; área alar, 371,6 m².

Armamento: Canhão de cauda T-171 de 20 mm; carga de oito bombas nucleares de queda livre ou vinte SRAM AGM-69.


FONTE: Máquinas de Guerra


Próximo: Bombardeiros do pós-guerra: BAe (English Eletric/BAC) Canberra

Anterior: Bombardeiros do pós-guerra: Comando Aéreo Estratégico

Anúncios

9 COMENTÁRIOS

  1. Os EEUU e a expressão máxima do conceito de "levar a democracia aonde esta for necessária"!

  2. Por acaso existem registros do BUFF posando pra foto junto com algum caça soviético/russo? Pq já vimos que um monte de caças ocidentais já tiveram a oportunidade (como já foi mostrado aqui, inclusive) de tirar alguma foto com o Tu-95, que ao meu ver, é o concorrente direto do B-52.

    Abraços.

    • Mas com certeza deve existir, pois os pilotos da Marinha dos EUA relatavam que eram exaustivamente fotografados pelas tripulações soviéticas.

Comments are closed.