Crew (some members) of 3MD prior to a flightDesde o fim da Segunda Guerra Mundial, os bombardeiros passaram por rápida evolução: do tipo propulsionado por motor a pistão, que lançava bombas em queda livre, até o modelo supersônico de alto desempenho, equipado com armas nucleares.

Em 1951, V. M. Myasishchyev recebeu ordens diretas do líder soviético Josef Stálin para construir um bombardeiro a jato destinado a missões estratégicas de longo percurso. A tarefa, na época, estava além da capacidade técnica existente. Mesmo assim, o Myasischyev M-4 provou ser um avião eficiente e prestou serviços à União Soviética durante mais de trinta anos. Apelidado de “Molot” (martelo) na URSS, recebeu da OTAN a denominação “Bison” (bisão).

Propulsionado por quatro turbojatos, o M-4 era uma máquina enorme e impressionante. Quando no solo, repousa sobre trens de pouso tipo carreta, fixados no corpo do avião e sobre estabilizadores, nas pontas das asas. Entre os trens de pouso principais encontra-se o compartimento de bombas. A tripulação de seis homens acomodava-se no nariz pressurizado; e, na torre da cauda, ficava um atirador.

Myasischyev M-4 Bison #3_F-14 Tomcat VF-102 intercepting 1983A primeira versão, o bombardeiro de queda-livre “Bison-A”, chegou às esquadrilhas da aviação de longo alcance em 1956. No total, fabricaram-se cerca de duzentos M-4. Alguns foram reequipados com turbojatos D-15, muito mais potentes, e outros, como o “Bison B” e o “Bison C”, receberam narizes novos para fins de reconhecimento. O aparelho tem um nariz envidraçado para o bombardeador.

O armamento defensivo era extremamente pesado. Em 1983, estimava-se que 43 aparelhos ainda permanecessem em serviço em seu papel original como aviões-tanque para reabastecimento em voo. O “Bison B” constituía uma versão de reconhecimento marítimo de longo alcance, possivelmente reformado a partir do bombardeiro original, com um radar de mapeamento e mira de navios. Contava ainda com sistemas de reconhecimento.


Características

Tipo: Bombardeiro estratégico de seis lugares.

Propulsão: Quatro turbojatos Mikulin RD-3M com 9.500 kg de empuxo.

Desempenho: Velocidade máxima a gande altitude, 1.000 km/h; Teto de serviço, 17.000 m; Alcance, 5.600 km.

Pesos: Vazio, 70.000 kg; Máximo, 180.000 kg.

Dimensões: Envergadura, 50,48 m; Comprimento, 47,2 m; Altura, 14,24 m; Área alar, 309 m².

Armamento: Dez canhões de 23 mm em cinco torres; compartimento interno de bombas para carga de 15.000 kg.


FONTE: Máquinas de Guerra


Veja mais: Vídeo: Myasishchev M-4 Bison


Próximo: Bombardeiros do pós-guerra: Tupolev Tu-16 Badger

Anterior: Bombardeiros do pós-guerra: Ilyushin Il-28 Beagle

Anúncios

12 COMENTÁRIOS

  1. Naquela foto com o Tomcat, parece um Badger (Tu-16), bimotor, cockpit diferente do Bison

  2. ainda existem bombardeiros com aquela turreta na parte de trás para defender ? se sim ela é ainda efetiva ? tem alguma tecnologia nova para substituir isso ?

    sds.

  3. Os primeiros modelos desse bombardeio, careciam de alcance para alcançar alguns alvos prioritarios na costa leste americana, problema esse que somente com o 3M que foi sanado, assim como com o Tu-95.

    Esse avião teve uma longa e incrivel carreira como avião de patrulha maritima de longo alcance, onde deveria fornecer informações sobre a localização e de médio curso para os Cruzadores Kynda, Kresta I e submarinos Echo I e II, Julliet, Whiskey Cilindro Duplo e Lata Comprida, utilizarem seu temidos misseis SS-N-3 contra PA e demais Navios de Linhas da OTAN.

  4. A guerra fria foi mesmo incrível. Fico imaginando se naquela época os dois lados dispusessem da tecnologia computacional de hoje. Aplausos para os americanos, mas os soviéticos foram competentes ao extremo também. Bela macchina!

  5. Fantástica aeronave que sempre admirei. A versão VM-T (foto 11) foi um verdadeiro feito da engenharia soviética.
    Parabéns ao Cavok!

Comments are closed.