Consórcio Fraport AG Frankfurt Airport venceu concorrência por terminal de Porto Alegre.

O Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, foi leiloado no final da manhã desta quinta-feira ao consórcio Fraport AG Frankfurt Airport por R$ 290 milhões em Brasília. A concessão valerá por 25 anos. Outros três terminais, localizados em Salvador, Florianópolis e Fortaleza, também foram negociados para a iniciativa privada.

O montante oferecido para compra do Salgado Filho foi 852% maior que os cerca de R$ 31 milhões iniciais. Para ficar com terminal de Fortaleza, a Fraport ofereceu R$ 425 milhões, o que corresponde a um ágio de 18% em relação ao montante mínimo inicial previsto, de cerca de 360 milhões.

O governo conseguiu arrecadar com a licitação um valor global de R$ 1,459 bilhão com o leilão, considerando apenas o valor inicial de outorga, a ser pago nas assinaturas dos contratos de concessão. Isso corresponde a um ágio de 93,7% em relação ao montante mínimo inicial previsto de R$ 753,5 milhões.

Considerando o valor total da outorga que os futuros concessionários deverão pagar ao longo dos até 30 anos de contrato, o montante fixo de outorga é de R$ 3,7 bilhões. Isso sem contar os montantes variáveis de outorga, que serão pagos no futuro em porcentual da receita gerada.

A francesa Vinci Airports ficou com Salvador, ao oferecer R$ 660,943 milhões, o que corresponde a um ágio de 113% ante o valor mínimo de R$ 310 milhões. A operadora foi a única a apresentar proposta pelo terminal, mas chegou a tentar abrir mão do aeroporto, preferindo disputar Fortaleza. Ao final, perdeu as disputas pelo terminal cearense e também pelo aeroporto de Florianópolis.

Por fim, a Zurich ficou com o terminal de Florianópolis, com um lance de R$ 83,333 milhões, o que corresponde a um ágio de 58% ante um valor mínimo de R$ 52,75 milhões.

Grupo alemão com presença na Europa e na Ásia 

Fundada em 1924, a Fraport é uma empresa responsável por operar o terminal de Frankfurt, na Alemanha. Além desse aeroporto, a companhia opera em outros locais do mundo. O presidente é Stefan Schulte e a empresa conta com cerca de 20 mil funcionários e uma receita anual de 2,56 bilhões de euros.

A Fraport atualmente detém seis aeroportos na Europa, três na Ásia e um na América do Sul. Com a compra dos terminais de Porto Alegre e Fortaleza, a companhia irá administrar 12 aeroportos.


FONTE: Correio do Povo

 

3 COMENTÁRIOS

  1. A boa notícia é o desmonte da Infraero, esta estatal que operou por muitos anos nossos aeroportos sem concorrencia.
    O problema é que estudos iniciais apontavam para a necessidade de fazer leilão por lotes, para obrigar a quem fosse operar um aeroporto que desse lucro, levasse tambem um menor que desse prejuizo, no final a operação ainda daria lucro.
    Quando trabalhava no Serac II/DAC em Recife nos anos 90 foi feito um estudo sobre este tipo de arrendamento, naquela região tinha Recife que dava lucro, João Pessoa que dava prejuizo e Campina Grande totalmente inviável , com só uns 4 a 5 voos por dia.
    Chegou-se a conclusão que deveria ser feito um pacote com os 3 aeroportos, mas agora por pressão de interessados foi arrendado só o que dava lucro, vai acontecer o que ja estava previsto, a Infraero ficou com os deficitários e isso vai gerar problemas a médio e longo prazo. Vai acabar fechando aeroporto deficitário.
    http://g1.globo.com/economia/noticia/apos-novo-le

    • Pois é, prezado WRStrobel, felizmente a Infraero está definhando, contando os seus últimos dias.

      Por outro lado, há uma necessidade de fomentar a integração aérea nacional, papel que necessariamente cabe ao Estado, no meu entendimento; portanto, por pior que seja, a Infraero vai precisar cuidar destes aeroportos "carne de pescoço" e deixar os "filés" com a iniciativa privada, cujo perfil empreendedorista consegue alavancar os investimentos necessários para acompanhar a expansão do transporte aéreo.

      O próprio Salgado Filho é um exemplo emblemático desta afirmação: sempre acreditei que ele "nasceu" pequeno, quando foi concluído o Terminal 1, lá em 2000.

      • Eu ja penso que aeroporto deficitário não deve ser tocado pelo Governo Federal, deve fechar.
        Apenas alguns importantes como o de capitais como o de João Pessoa-PB, que na verdade se situa no município de Bayeux devem ser mantidos por interesse estratégico.
        https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/

        O deficitário de Campina Grande-PB, cidade com 900.000 pessoas que se situa a apenas 120 km de Joao Pessoa deveria ser oferecido para operação do Estado ou Município, se ninguem se interessar, fecha. Quem quiser usar avião que vá de carro ou ônibus para a Capital, apenas 120 km.
        O pior é que a prefeitura de Campina Grande ainda tem a cara de pau de querer que a Infraero construa um novo, pois o atual precisa de ampliação da área com desapropriação de local que custaria míseros 15 milhoes e a prefeitura não quer bancar. Estão construindo no entorno do aeroporto e agora começou aquela tradicional palhaçada de dizer que o aeroporto está atrapalhando os moradores, quando conheci Campina Grande em 1986, o aeroporto era no meio do mato.

        http://www.turismoemfoco.com.br/noticia/18425-plano-dire...