Militares do Grupamento de Fuzileiros Navais de Natal e do EsqdVF-1. (Foto: Marinha do Brasil

De 3 a 7 de abril, militares do 1º Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (EsqdVF-1), do Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (Batalhão Tonelero) e do Batalhão de Controle Aerotático e Defesa Antiaérea, realizaram um adestramento conjunto de emprego de armamento. Foram empregadas bombas real e de exercício nas instalações do estande de tiro de Maxaranguape (RN), permitindo a qualificação e requalificação de aviadores navais do EsqdVF-1 e dos guias aéreos avançados do Batalhão Tonelero.

Militares que compuseram a equipe de solo do adestramento conjunto. (Foto: Marinha do Brasil)

O objetivo foi buscar a padronização de procedimentos na condução das operações aeronavais e de Fuzileiros Navais, contribuindo para a prontidão e adestramento do pessoal envolvido.

Fuzileiros Navais de Natal visitam o EsqdVF-1

Militares acompanham decolagem das aeronaves AF-1. (Foto: Marinha do Brasil)

No dia 5 de abril, 40 militares do Grupamento de Fuzileiros Navais de Natal visitou o 1º Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (EsqdVF-1), destacado nas instalações da ALA 10, da Força Aérea Brasileira, em Natal (RN).

O grupo, composto por oficiais e praças, teve a oportunidade de aprofundar os conhecimentos sobre as atividades operativas da Marinha do Brasil, em especial as conduzidas pela aviação naval de asa fixa.

Adestramento de militares como guias aéreos avançados. (Foto: Marinha do Brasil)

Os militares foram recebidos pelo Comandante do Esquadrão, Capitão de Fragata Alexandre Vasconcelos Tonini, que apresentou as aeronaves AF-1/1A “Skyhawk” e, em seguida, deslocaram-se até a área operacional da Base para acompanhar de perto o lançamento das aeronaves, que decolaram para o cumprimento de missão de emprego de armamento.

Anúncios

26 COMENTÁRIOS

  1. A marinha deveria parar se modernizar esses caças e comprar 12 Gripens ou 12 SU-34
    Customização dos Gripens pra guerra eletrônica e lançamento de mísseis anti navio.

  2. Eles tinham que por esses A-4 conjuntamente no lixo, ou num museu, que é o lugar dele.

  3. Após a baixa do NAe o A-4 retorna as origens, na sua função de ataque… Triste.

    O A-4 é uma boa aeronave. Falam em dar baixa… Pq? Se estas aeronaves ainda mantém capacidade de voo e apresentam um custo atrativo, que o CFN faça bom uso deles. Que agora "desenvolvam a doutrina" de CAS, coisa que já deveria existir a muito tempo.

  4. Antes, quando eu estava na ativa, o uso da bandeira do Brasil, pelo menos na FAB, era restrito a missões no exterior, agora mudou ou tem gente que desconhece o regulamento, pois em uma visita a uma Base Aérea vi alguns soldados com bandeira.
    Não sei como é na MB, onde serve este Fuzileiro Naval.
    Me lembro de um SGT que eu anotei como errado em uma revista de uniforme nos anos 80, por estar usando uma bandeira e ele não se convenceu, escreveu uma defesa ao CMT declarando amor a bandeira e anexando fotos de americanos e europeus com a sua bandeira, mas não adiantou, o regulamento era claro. Teve que tirar a bandeira da farda.

    • Baita viadagem heim!! Lei exdrúxula do demonho!

      E pq as havaianas podem ter as bandeiras do Brasil? Tb é fora da lei pelo que eu sei.

      • Neste caso não é a lei de uso da Bandeira, é regulamento interno.
        Quem o fez achou, no meu entender correto, que a bandeira só deve ser usada em missões no exterior, para identificar o país.
        Não tem porque exibir dentro do Brasil se todos são brasileiros.

        Cada Força tem seu regulamento, na FAB por mais cursos que vc tenha, só pode usar dois brevê de curso, em outros países pode mais.
        O CMT do ParaSAR em uma passagem pelo Comar II foi advertido pelo CMT por usar vários fora do padrão, tirou o excesso e ficou com os dois que achou mais importante.

        Este é o padrão da FAB, o Brig.do Ar está usando o brevê do curso de Aviador e escolheu o de PQD.
        . https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:A

        Nas PMs ja se pode usar vários ao mesmo tempo.
        . https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:A

        • Nos EUA e China por exemplo, pode se usar vários brevês ao mesmo tempo, não ficando muito bonito, mas é uma questão cultural e de regulamento de cada força.
          .
          . https://lh4.googleusercontent.com/proxy/ef9YsNXm_
          .
          . https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:A

          No Brasil em algumas cerimônia deve se usar as medalhas no lugar da barretas, mas sem o excesso de brevês no padrão PMs e outros países.
          . http://55ca7cd0-f8ac-0132-1185-705681baa5c1.s3-we

          • Viadagem mesmo! Explica, explica, mas não justifica.
            Idiotice de lei/regulamento ou seja lá o que for.
            E mais imbecil ainda é quem se apega a essas picuinhas, ou invés de fazer algo realmente proveitoso.
            Certamente seu tempo era bem vago né…

            • Quanta ignorância. …
              A revista de uniformes é prevista em regulamento e feita periodicamente, o CMT verifica o dos Oficiais, estes verificam o dos Sgt e estes o dos Cabos e Soldados.
              E o Chefe do Almoxarifado que distribui os fardamentos que era eu, faz um relatório das discrepâncias.
              Mais do que falta de tempo, era uma atribuição regulamentar, mas se vc prefere a desregulamentação e que cada um ande como quer, tudo bem.

              • Isso tem um nome, chama-se chatice, por isso que o pessoal do EB não gostava muito do pessoal da FAB, só sabem puxar saco e achar os "bonitinhos" como a gente chamava eles.

              • Apesar de não concordar, e até achar uma "frescura" desnecessária, concordo que os regulamentos devam ser respeitados a risca, sem exceção. O porquê disso é para priorizar a disciplina, sem ela, não há organização e coesão necessárias, para em momento de real combate, tenha capacidade de cumprir com o dever.
                Nosso povo é culturalmente indisciplinado, impor disciplina é como os grandes comandantes transformam exércitos cidadãos em máquinas de guerra.

                • Me expressei mal, não concordo com a regras, mas concordo com o cumprimento delas, pela manutenção da disciplina.

        • Deveria ter no Regulamento Interno: proibido voar com caça com tecnologia da Guerra do Vietnã isso sim!

    • No EB é como o uso da bandeira. Já em missões no exterior, especialmente se forem missões de combate, é que o uso da bandeira é suprimido por motivos óbvios.

      Aliás, a bandeira dos EUA tem uma curiosidade envolvida, no caso a bandeira colocada no braço direito deve ser invertida do padrão normal. Isto tem por finalidade indicar o avanço às tropas, ou seja, a bandeira indica a direção para frente.
      https://misteriosdomundo.org/essa-e-a-razao-pela-

      • No Brasil a bandeira sempre foi usada em modo invertido, "Desordem e Atrazo"…

    • Sou FABiano e sempre usei o "BRASIL" escrito na altura do ombro tanto no macacão de voo como no camuflado. Só usei a Bandeira Brasileira quando servi na MINUSTAH , no Haiti. Os regulamentos internos das Forças são diferentes em vários pontos, realmente. No EB , mesmo nos Pelotões de Fronteira, sempre usaram a Bandeira.

  5. Agora sem o Porta Aviões fica o dilema para a MB.
    Faz como a Armada Argentina e mantem os caças operando a partir de terra ou faz como a Marinha Alemã que nos anos 90 decidiu se dedicar a Patrulha e Vigilancia Ambiental sobre o mar e doou seus Tornados a Força Aérea.

    Os AF-1 modernizados ficaram bonitos, pena que falta $$$ para tocar o projeto.
    . https://br.pinterest.com/adornor/af-1-mike-a-4m-s

Comments are closed.