O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), localizado em São José dos Campos (SP), e a Avibras Indústria Aeroespacial S/A assinaram, n segunda-feira (27/01), o Contrato de Transferência de Tecnologia do Foguete Espacial VSB-30.

A cerimônia foi realizada no Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e contou com a presença do Diretor-Geral do DCTA, Tenente-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar, e do Diretor Presidente da Avibras, João Brasil Carvalho Leite. Oficiais-Generais da Força Aérea Brasileira (FAB) e integrantes da Diretoria da Avibras também participaram do ato.

O Veículo Suborbital VSB-30 foi desenvolvido pelo IAE em cooperação com o Deutsches Zentrum für Luft- und Raumfahrt (DLR), o Centro Aeroespacial Alemão, e é destinado a atender as exigências do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE). Desde 2009, o VSB-30 é detentor do Certificado de Produto Aeroespacial do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), o que ratifica a qualidade do equipamento perante a indústria nacional e internacional.

Trata-se de um lançador de pequeno porte, voltado para a realização de experimentos em ambientes microgravitacionais. Lançado por um sistema de trilhos e estabilizado por empenas, possui indutores de rolamento que são acionados ao deixar os trilhos e que contribuem para a estabilidade durante o voo.

O veículo possui dois estágios a propulsão sólida, permitindo o transporte de cargas úteis científicas e tecnológicas de até 400 quilogramas (400 Kg) em altitude de 270 quilômetros (270 Km). Seu primeiro protótipo foi lançado do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, em outubro de 2004. Até hoje, mais de 30 lançamentos foram realizados com sucesso.

Autorização

O Acordo de Transferência de Tecnologia autoriza a Avibras a industrializar e comercializar o VSB-30. “A intenção da empresa é aperfeiçoá-lo para incrementar sua utilização, viabilizando a aceleração do desenvolvimento de veículos lançadores nacionais que sejam competitivos no mercado internacional de pequeno porte”, destaca o Vice-Presidente Comercial da Avibras, Leandro Villar.

“A assinatura do contrato é um evento muito importante por ser um marco fundamental de transferência de tecnologia para o Brasil. O Technology Readiness Level (TRL) – ou nível de maturidade tecnológica – chegou ao máximo dentro de uma Instituição de Ciência e Tecnologia, que é o DCTA, e transfere-se para uma empresa do ramo de Defesa um produto já testado e certificado de tecnologia nacional”, destacou o Diretor-Geral do DCTA, Tenente-Brigadeiro Aguiar.

“A Avibras fez o primeiro foguete de sondagem nacional no começo do programa espacial brasileiro, no final da década de 1960. Hoje, retornamos a um foguete de sondagem muito mais completo, que já é um engenho de sucesso” destacou o Diretor-Presidente da Avibras, João Brasil.

“Nesse momento, estamos vendo o governo, a academia e a indústria concluindo um sonho. Gostaria de agradecer a dedicação do pessoal do DCTA, especialmente do Núcleo de Gestão da Inovação (NGI), como gerente do Sistema de Inovação da Aeronáutica (SINAER), para que pudéssemos fazer essa transferência de tecnologia”, ressaltou o Diretor do IAE, Brigadeiro Engenheiro César Demétrio Santos.“

A Avibras, como empresa brasileira de tecnologia e inovação, é reconhecida como Empresa Estratégica de Defesa (EED). Faz parte do Programa Espacial Brasileiro desenvolvendo e fabricando o Motor Foguete para o Veículo Lançador de Microssatélites (VLM). Também faz trabalho com sistemas fixos ou móveis de C4ISTAR (Comando, Controle, Comunicação, Computação, Inteligência, Vigilância, Aquisição de Alvo e Reconhecimento) e na Aeronave Remotamente Pilotada (ARP), denominada Falcão.


Fonte: DCTA, por Sargento Anderson – Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Jonathan Jayme – Fotos: Sargento Frutuoso / IAE

Anúncios

1 COMENTÁRIO