O jornal O Globo publicou em sua página na internet a imagem feita por uma passageira em um voo entre o Rio de Janeiro e São Paulo.

A usuária do transporte aéreo revelou que as duas duas portas de emergência, no meio da aeronave, tinham o aviso. Ao repassar para os passageiros os procedimentos de segurança, antes da decolagem, os comissários de bordo informaram sobre a existência das saídas de emergência dianteiras e traseiras. Eles também alertaram, sem mais explicações, que as saídas do meio estavam inoperantes.

A LATAM emitiu uma nota informando que o voo decolou porque a quantidade de saídas de emergência operacionais na aeronave atendia aos requisitos internacionais de segurança, que preveem um número reduzido de passageiros em casos como esse. A companhia aérea também explicou que a identificação das saídas inoperantes e o bloqueio das poltronas atendem as regras mundiais de segurança.

 

18 COMENTÁRIOS

  1. Após um acidente ou incidente aéreo não se procuram quem mas o que causou ou contribuiu para o acontecimento. O "reverso inoperante" causou um grave avidente na empresa e ela não aprendeu. Item de segurança extremamente importante e inoperante? LATAM, vocês sabem que isso é "forçação de barra".

  2. Não existe razão para alarde, o MEL que é o Minimum Equipment List do avião diz claramente a quantidade mínima de portas de emergência necessárias para que o voo seja efetuado com segurança. Se o avião decolou com a porta inoperante, é porque estava dentro dos parâmetros de segurança estipulados mundialmente.

      • Não é verdade.

        Não foi respeitada a quantidade mínima de * combustível.

        * "reserva de", esqueci de escrever.

      • Não, não estava!

        Não estava dentro dos padrões de combustível (não tinha 45 minutos de combustível reserva) e estava acima do peso máximo.

  3. Parece banheiro de fábrica com aquele cartaz "Não dê a descarga, banheiro em manutenção".
    Não tinham nada melhor do que esse papel?

  4. Aí eu pergunto aos especialistas da LATAM: E se numa eventual necessidade outras saídas de emergência estiverem inutilizadas, seja por incêndio, destruída no acidente, o avião rolou de lado e as bloqueou?

  5. Mesmo que existam parâmetros que estipulem isso, eu acho que para quem embarca e vê isso, remete a algo precário, uma coisa que a companhia leva nas coxas (segurança). Não creio que seja algo bom para a imagem da companhia e para quem embarcou na aeronave.

  6. Senhores, ao postar que o avião da Lamia decolou respeitando os "padrões" eu fui irônico!

    Muita gente pensa de forma cartesiana e quer dar explicação para o que não tem!

    O avião da TAM decolou com o reverso pinado. Poderia voar sem os reversos e olha no que deu.

    O avião que colidiu com o GOL também decolou com um plano de voo em condições e olha no que deu!

    Se o avião tem seis saídas de emergência é porque precisa de seis, não é enfeite!

    Depois que acontece um acidente e não conseguirem evacuar a aeronave há tempo aí vai aparecer um sábio e dizer que não era pra ele ter l

    • Super_Hornet faço uma pergunta ao senhor: Você tem noção de quantas saídas de emergência uma aeronave deve ter, e porque muda de modelo para modelo? Acho que se o senhor soube-se não teria feito o comentário acima. Porque em uma aeronave o número de saídas de emergência e definido pela quantidade de passageiro que aeronave foi projetada para transporta! Sendo assim, quando você tem uma saída inoperante, o MEL estabelece que a quantidade de passageiros daquele voo deve ser restringida. Então se eu tinha 120 passageiros para seguir em um voo, e tenho uma saída inoperante, eu vou ter que retirar desse voo entorno de 40 a 50 passageiros, e bloquear as fileiras próximas a essa saída.
      Saída de emergência não é item no-go, uma aeronave pode decolar com uma ou mais saídas inoperantes, desde que bem sinalizadas e de acordo com o número de saídas restantes e de passageiros à transporta!
      Isso é ditado e regrado pela ICAO, IATA, FAA, EASA, ANAC e são encontrados no MEL( MINIMUM EQUIPMENT LIST).

    • O acidente da Gol foi causado pelo desligamento do transponder.

      Aviação comercial é extremamente segura, desde que que as regras sejam seguidas.

      A maioria dos acidentes é causado pelo seu descumprimento.

      Os demais ficam no campo do imponderável.

  7. Latam é um lixo, peguei com meu patrão um voo Guarulhos Porto Alegre saindo 23:00 trocaram de portão 3 vezes atraso de 30 minutos e mais 40 minutos dentro da aeronave. Latrinatam nunca mais nunca tivemos problemas com Azul.

Comments are closed.