Valor de R$ 152 milhões também contempla modernização da frota de aeronaves A-1.

Foi publicada na terça-feira (27), no Diário Oficial da União, lei que destina crédito suplementar ao Orçamento da União, no valor de cerca de R$ 152 milhões de reais. Do total, R$ 86 milhões serão destinados à Força Aérea Brasileira (FAB), dos quais R$ 82,5 milhões irão para a manutenção e suprimento de material aeronáutico, e quase R$ 4 milhões para a modernização da frota de aeronaves modelo A-1.

As aeronaves A-1M vão oferecer uma capacidade ampliada para Força Aérea Brasileira.

Os recursos a serem empregados foram remanejados do superávit financeiro de 2015 (R$ 82,5 milhões) e o restante (quase R$ 70 milhões), da anulação parcial de dotações orçamentárias.


FONTE: Correio do Povo

IMAGEM de capa meramente ilustrativa de uma aeronave A-1M decolando da Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, no voo que alcançou a marca de 1.000 horas de voo. (Foto: Sgt. Marllon / Agência Força Aérea)

Anúncios

13 COMENTÁRIOS

  1. Pois é, tem que instalar vidro elétrico e películas na Belina, instalar toca-fitas no Corcel enquanto não chega o Tempra.

    • É o martelinho de ouro como diz o Galileu.

      Parece meu cunhado que roubava peças do depósito da polícia pra montar a Belina dele. Depois de 10 anos na garagem foi guinchada pra sucata.

    • Os quatro milhões serão usados pra rebocar as aeronaves de um lado para o outro do hangar, pois estão atrapalhando a circulação.

  2. É o mesmo orçamento que eu planejo gastar com a manutençao do meu carro em 2017.

  3. Se eu fosse contador da União, classificava as aeronaves da FAB como bens imóveis. Qualquer auditoria aceita.

    • É verdade. Sabe, Zeabelardo, bem colocada a sua opinião. No Direito tem uma classificação para os carros que são bens móveis, mas pela sua característica de durabilidade ao longo do tempo pode-se classificar como bem imóvel para alguns fins jurídicos. Isto posto, posso fazer uma alusão aos caças da FAB, tem total verossimilhança aos bens imóveis. Sempre na minha opinião é claro.

  4. Ninguém vai comentar a reorganização da FAB? Ninguém reparou que o desdobramento das aeronaves atende uma estratégia semelhante a adotada pela RAF na Batalha da Inglaterra na WW II? Ninguém reparou que todas as possíveis bases que abrigam vetores potencialmente ofensivos ao Brasil estão ao alcance das "velhas" aeronaves da FAB que tem "alcance" de apenas 600 km somente, segundo um entendido que publicou um artigo aqui!

  5. Que que isso meu Brasil, 82 milhões para arrumar o cabidão de emprego e 4 milhões para os aviões ? Não deveria ser ao contrário estes números ? Corta metade do efetivo dessa força e o dinheiro vai começar a aparecer, claro, se não aparecer nenhum espertinho no meio do caminho.

  6. É preciso abrir a caixa preta que é orçamento do Ministério da Defesa – o maior de todos – para a sociedade começar a questionar-se como gastamos tanto e ao mesmo tempo temos uma estrutura lastimável. Muito cargo, muito salário, muito café da manhã com nutella, pouco trabalho, pouca decência e zero pensamento estratégico.

Comments are closed.