Mudança vale para quem comprar passagens a partir do dia 14 de março.

A empresa aérea LATAM informou na segunda-feira (6) que ainda este ano passará a cobrar R$ 50 pela primeira mala de 23 quilos despachada pelos passageiros nos voos domésticos. A segunda mala de mesmo peso custará R$ 80. O excesso de peso vai custar entre R$ 120 e R$ 200. Nos próximos meses, o despacho da primeira bagagem de 23 quilos ainda será gratuito e a cobrança será apenas sobre o excesso.

A permissão para que as empresas aéreas cobrem para despachar as bagagens, aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), vale para quem comprar passagens a partir do dia 14 de março. O peso permitido para a bagagem de mão vai passar de 5 kg para 10 kg.

Os voos da TAM para a América Latina terão a primeira mala de 23 kg gratuita e a segunda vai custar US$ 90. Nos demais voos internacionais, será permitido levar duas malas de 23 kg gratuitamente.

A empresa diz que espera reduzir em até 20% as tarifas mais baratas disponíveis para voos domésticos até 2020. “A experiência internacional mostra que os preços das passagens caíram, e mais pessoas passaram a usar o transporte aéreo onde a bagagem despachada é cobrada à parte”, diz a LATAM, em nota.


A GOL já anunciou que terá uma classe tarifária mais barata para aqueles clientes que não forem despachar bagagens, mas manterá a opção de envio de volumes ao adquirir o bilhete, mediante cobrança de tarifas do passageiro. Os valores dos volumes despachados ainda serão definidos.

A Avianca Brasil informou que implementará as novas regras aprovadas pela ANAC no prazo determinado. Por meio de nota, a companhia afirmou que compromete-se a informar os clientes sobre as mudanças em tempo hábil e de forma ampla e transparente. A Azul ainda não definiu se fará alguma mudança em relação à franquia de bagagem despachada.

No dia 13 de dezembro do ano passado, a ANAC aprovou um conjunto de regras válidas para passagens compradas a partir de 14 de março deste ano. Entre as mudanças, ficou determinado que as companhias aéreas não terão mais que oferecer obrigatoriamente uma franquia de bagagens aos passageiros e que poderão cobrar cobrar pelo transporte.

A ANAC informou que poderá intervir caso as empresas aéreas não ofereçam boas condições aos consumidores, depois que as novas regras para o transporte aéreo de passageiros entrarem em vigor.


FONTE: Correio do Povo

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Acabe com a ANAC, acabe com a restrição para empresas aéreas estrangeiras, acabe com o imposto absurdo sobre combustíveis.
    Pronto. Voltará a crescer o mercado de linhas aéreas e a rentabilidade das mesmas.

    • para o governo a aviação é estratégica kkkkkk

      Imagina o quanto essa ANAC e infraero ganham de lobby kkkkkkkk

      Dizem que tem briga entre os brigadeiros, para assumir cargos nessas duas agencias.

Comments are closed.