O governo britânico vendeu o porta-helicópteros da Royal Navy HMS Ocean para o Brasil por US$ 117 milhões. O navio seguirá para a América do Sul após modificações por empresas britânicas.

O Ministério da Defesa britânico vendeu o navio da Marinha Real para ajudar a tapar um gigantesco buraco nas finanças.

O HMS Ocean voltou a Devonport em Plymouth, em dezembro, após sua implantação final no exterior, que incluiu a assistência aos esforços humanitários no Caribe após o furacão Irma. Anunciando a venda do HMS Ocean, Clive Walker, chefe da Autoridade de Vendas de Equipamento de Defesa que gerenciou o acordo, disse: “Temos um histórico comprovado de fornecimento de equipamentos de defesa excedentes de governo para governo. A venda bem sucedida do HMS Ocean à Marinha Brasileira proporcionará um retorno financeiro ao Reino Unido que agora será reinvestido em defesa“.

As modificações no HMS Ocean serão feitas pelas empresas britânicas Babcock e BAE Systems, financiadas pelo Brasil, antes da sua transferência, disse o Ministério da Defesa. Entende-se que o navio se tornará um membro totalmente operacional da frota, em vez de ser usado para fins de exibição.

O HMS Queen Elizabeth assumirá o papel de novo carro-chefe da nação, e poderá atuar com transportador de helicóptero uma vez que seus testes marítimos tenham sido concluídos.

O porta-voz do MoD disse que a capacidade de transporte de helicóptero do HMS Ocean não seria perdida, com o HMS Bulwark e o HMS Albion assumindo essas funções.

Johnny Mercer, um ex-oficial do exército e veterano do Afeganistão, disse que a venda do HMS Ocean marcou “um dia triste”.


FONTE: The herald


NOTA DO EDITOR: O Her/His Majesty’s Ship OCEAN foi fabricado em 1995 e comissionado em 1998.

Anúncios

82 COMENTÁRIOS

  1. Excelente aquisição. Ao contrário das sucatas normalmente compradas, é um navio militarmente válido. O novo comando vai aos poucos reerguendo a marinha, depois de anos de abandono e fisiologismo. Acredito que Ocean seja o símbolo desse novo momento, um navio imponente e efetivo que irá levantar o moral da corporação. Só falta fechar o processo da escolta leve.

    • Sem dúvidas. E de acordo com a configuraçao utilizada pela Royal Navy, de 12 Sea Kings e 6 helis de ataque embarcados, na minha opini?o a Marinha deve adquirir helis de ataque novos. De 6 a 8 unidades podem ser adquiridas sem problemas em relaçao aos custos envolvidos.

    • Realmente uma excelente aquisição, ainda mais pelo preço, só é uma pena não ter doca alagável.

  2. Queria muito saber que modificações são essas. Se vai vim depenado. Ou estão subistituindo armas q o Brasil n utiliza

  3. O navio é excelente para o que se destina mas para a MB é um péssimo negócio pois inviabiliza aaviação de asas fixas embarcada por pelo menos duas décadas visto que tira o foco da necessidade de se obter um NAe para ocupar o lugar do A-12 São Paulo.

    E some-se a isso o fato do orçamento da força estar comprometido, eu diria estar sendo literalmente sangrado, com o malfadado PROSUB, que por sinal está sob a mira da Lavajato.

    Como se vê, a nossa "projeção de força" será a kombosa armada de exocet decolando do HMS Ocean ou seja, uma piada…

    • O prosub ja esta muito longe para ser cancelado, com isso não sobra muito recurso para NA que é o sonho da marinha, por isso acho que foi muito bem vida esta compra que foi bem barata para os padrões navais.

      • Entendi
        Faz sentido

        Cancelar o PROSUB agora traria um prejuizo muito grande,,, visto que as obras civis (que são o alvo das suspeitas) já estão quase prontas

        Massssss…. fica registrada a minha vontade de, um dia, ver o Mistral na MB

        rs rs

        • Verdade, a Mistral seria muito bem vindo a MB, mesmo sendo difícil de acontecer…. mas não custa sonhar, vai que da um milagre kkkk…

    • Discordo. Acredito que foi a melhor compra das nossas FA nos ultimos muitos anos. Um navio operacional, passou por recente revisão, e é muito mais útil que um NAe. Por que?

      Porque o Ocean pode por exemplo atender causas humanitárias em nossa costa como recentemente fez no Caribe, transporta helicópteros (o que a MB possui e mais chegarão), e o custo de manutenção é menor.

      Por outro lado, um NAe serve para projetar força, não para navegar perto de nossa costa, mas para projetar nossa força pelo mundo como fazem EUA, Russia e China. Aceite o fato que o Brasil não pertence e não pertencerá a esse seleto grupo de países que são players globais em termos de defesa. A China demorou décadas de massivo investimento pra se tornar um deles. Isso não acontece com a compra de um NAe. Isso acontece com planejamento e muito investimento.

      Então, para nossa realidade, um navio tipo o Ocean é excelente, já um NAe desnecessário.

      • Perfeito comentário. Boa parte das operações da FFAA tem caráter humanitário e essa nave serve perfeitamente para isso. Já um P.A., , como bem descrito, nao teria utilidade para projetar um poder que o Brasil nao tem.

    • Tomara que não venhamos a obter uma NAe para ocupar o "lugar" da A-12 :-)). Mas sério, tese interessante a do atraso em termos uma nova NAe. Qual seria o prazo para desenvolvermos um projeto e fabricarmos uma NAe? Ou quando teríamos uma de qualidade a disposição no mercado?

      Penso que talvez a compra seja justamente para preencher este prazo, não?

      Claudiney

  4. Boa a frase: "Entende-se que o navio se tornará um membro totalmente operacional da frota, em vez de ser usado para fins de exibição." boa e acerrtada compra pragmática da Marinha. Agora vai operar Super Lynx e EC725?

    • Outra mentalidade. Com relação as aeronaves, diante da quantidade comprada nos últimos anos e carência de escoltas, acho difícil uma compra de expressão.

      • A marinha esta com orçamento engessado, não vão gastar valoras expressivos com aeronaves sendo que não possuem navios suficientes e em excelente estado, sendo que a maioria ja está em idade de pedir as contas sem substituição a vista.
        É uma pena a situação da forças armadas brasileiras em geral.

        • pergunta, acredito que temos super lynx sendo atualizados no Reino Unido. duplinha bacana, EC725 (depois do recall) e super lynx. se viessem uns Super Cobra via FMS, seria muito bom.

          • Eia a questão, acho que o Governo Americano não vetaria a compra daqueles usados AH-1W e nem dos novos AH-1Z, de prateleira mesmo, sem ToT, mais treinamento e armas. Talvez uns 12 ? Seriam ótimos. Seria possível embarcar no Pernambuco um misto de Super Lynx modernizados, EC-725, Sea Hawk e AH-1W/Z. Ou oque a MB preferir, na verdade os meios de asas rotativas da MB são excelentes.

          • Os UH-15A Super Cougar entregues nesse ano serão embarcados assim como os SH-16 Seahawk ant-sub e pelo menos alguns super lyns, (a não ser que tenham modernizado atoa)

            Ja os Super Cobra acho quase impossível visto o contexto, a não ser que ocorra uma super reviravolta (vai saber kkk).

            • Super Cobra só se for doação mesmo. A quantidade de Linxs é pequena e normalmente são usados nas fragatas. Devem usar o Seahawk.

    • Uma coisa que sempre devemos ter em mente é que para a Marinha e para o Exército, aviação nunca será prioridade.

      Fala-se em passar os P3 para a Fab. São aeronaves de alto custo de manutenção e que necessitam de mudanças estruturais. Com sinceridade, se a marinha tem uma verba e tem que escolher entre trocar os motores de uma fragata ou as asas de um P3, qual ela escolherá?

      • Realmente a aviação naval não é a prioridade, mas a marinha não abandonou o sonho da NA mesmo sendo improvável, é por isso que acho que não irão se desfazer das aeronaves.

      • SeaHawks + Super Cobra, esse seria meu sonho, pois Chinooks é impossível, vamos com a kombosa kkkk mesmo, que é bastante interessante.

  5. Os Aligators seriam bem-vindos aí, após a do,pra da escolta…

    Ou quem sabe a transferência de tecnologia para montarmos em Itajubá os Tigers da Airbus…

  6. Temos equipamentos de defesa e ataque para esse novo meio? Mísseis e baterias?

    • Boa pergunta. Muito provavel que o ciws phalanx serão removidos. Li de um outro forista que os simbad (mistral) do São Paulo pode ser utilizado no Ocean. seria interessante um sistema mais moderno.

      • Se retirado o phalanx será com a desculpa de (custos exorbitantes) para substituir por um sistema mais cômodo e barato para a MB, duvido que os Estados Unidos vetem o phalanx.

        • Creio que não Sea. provavelmente apenas porque a venda foi feita desde o início sem ele. Os britânicos pretendem reaproveitá-lo nas suas embarcações. Foi isso que li em foro inglês.

          Claudiney

  7. A tecnologia britânica embarcada tá inclusa na compra ou será desembarcada (sic)? pertinente o questionamento

    • O "Ocean" Pernambuco esta em boas condições, diferente do São Paulo na época de sua aquisição, a marinha necessita de mais embarcações, e muitas ja estão com hora extra, a sua aquisição não foi um elefante branco, na verdade não poderia vir em melhor hora.

    • kkkkkkkkkkkk gostei da garagem que anda, mas as Kombis serão empregadas. Eu prefiro compras de prateleira a sonhos de transferêncua de tecnologia. Sou critico do modelo de negócio do Gripen NG e FAB e erramos também com as Kombis, mas agora temos que utilizá-las, como devemos fazer com o Gripen apesar dos absurdos e pornográficos 150 milhoes por unidade fora os pixulecos da Zelotes.

  8. Já disseram que foi uma boa aquisição… eu não entendo muito de vasos de guerra (e meios navais em geral), então confio na opinião de quem entende do negocio

    Mas eu fico sempre em duvida se não seria melhor adquirir um navio novo, de um projeto contemporâneo como o Mistral …

    Creio que o Mistral seja o navio conceito dessa classe (ou, pelo menos, é um dos mais imponentes)
    E se o Egito adquiriu 2 de uma vez só, pq nós não poderiamos?

    Enfim…

    De qualquer maneira, parabens à MB

    • Falta de grana. O navio é relativamente novo e deu baixa por corte de custos. É a chamada compra de oportunidade. Esta é oportunidade mesmo, pois as FA, as vezes, compram sucata inservível usando essa expressão.

    • A aquisição não foi boa, FOI EXCELENTE, ainda mais pelo preço, o navio teve uma geral recente, esta praticamente em estado de novo, legítima compra de oportunidade, não poderia deixar passa.
      A classe mistral sairia muito caro para a marinha em um momento em que esta comprometida com o prosub.

      • Então vc acha que o PROSUB seria o fator responsavel pela MB não adquirir um mistral ou um navio mais novo?

        • Em grande parte sim, o PROSUB consome muitos recursos e com o teto de gastos não sobra espaço no orçamento da MB, a própria Tamandaré só é possivel graças a manobra da EMGEPRON e royalties do pré-sal… por isso acho que foi bem vinda a aquisição do Ocean que de outra maneira não seria possivel a aquisição de um navio deste tipo em curto e médio prazo.

  9. Sou sempre contra aquisição de armas usadas, mas nesse caso foi uma compra de oportunidade visto que a embarcação iria dar baixa por falta de recursos e não por tempo como foi a sucata Foch.

    Além do valor da compra, tem a revisão…..$$$

  10. A não ser que a Marinha do Brasil planeje para o futuro um corpo de fuzileiros centrado em aeronaves, acho que esta embarcação, apesar de uma ótima oportunidade financeira, poderá representar um desvio doutrinário no futuro.

    • Na realidade a aquisição é uma tentativa de manter a linha de uma nau capitania (NA ou NPH) + escoltas, visto que depois da retirada do São Paulo se perde isto, então para manter esta idéia eles vão construir a classe Tamandaré e adquirir no futuro mais outra classe( uma corveta e outra fragata pelo visto) e utilizaram o Ocean como nau capitania (provisória) até conseguirem a construção ou compra de um NA que virá após o PROSUB.

      • Entendo assim tb. O Ocean teria três capacidades: anti-submarino, anti-superfície (ambas através de helis) e como navio de comando.

        • Esta totalmente certo amigo, essa é a ideia, agora junte isto ao preço + estado do navio, não tinha como deixar passar, não no contexto em que estamos pelo menos.

    • Mata mesmo pois com esse navio na frota os estudos e demais providências para se obter um substituto para o A-12 serão relegados a décimo plano e com o tempo abandonados

      • No momento (PROSUB + teto de gastos) a MB não tem condição de adquirir um NA,( o que é péssimo), mas para não ficar sem nau capitania decente no momento adquriram o Ocean, não interfere nos planos ja iniciados da MB ( corveta + fragata como escoltas "sendo uma classe Tamandaré"+ NA), os NA estão planejados para daqui a 20 anos pelo menos, e isso o Ocean não muda em nada.

      • O engraçado é que vc não tem requisitos, não tem estudo preliminar, nada. Só o fornecedor: França. No mínimo estranho não abrirem sequer consultas com os americanos e ingleses.

    • Creio que a aviação de asa fixa da MB ja estava morta apos a aposentadoria do São Paulo + PROSUB e teto de gasto na MB, o Ocean só jogou a última pa de terra, enquanto não concluírem a conversa de SUBs e começarem a construção (ou compra) de NA como é o plano da MB (a longo prazo) para se unir as escoltas, não teremos aviação naval digna de uma nação com o nosso litoral.

      (O plano é, avião de asa fixa daqui a 20 anos)=triste.

      • No dia que anunciaram o Prosub, disse que o Nae estava morto e não haveria dinheiro para trocar as escoltas. Obviamente, os pelegos atacaram, mas o tempo é senhor da verdade.

    • Melhor que morra por uma aviação de asa rotativa de qualidade, que fique esta ala aérea do Vietnãm

  11. Qual seria a utilidade de um porta-aviões brasileiro?
    Quase nenhuma.
    Ainda mais com aviões obsoletos.
    Qualquer potência que tenha condições de chegar à nossa costa poderia afundá-lo em um piscar de olhos.
    Por outro lado, com qualquer país vizinho temos fronteira (exceto Chile e Equador com o qual não há possibilidade de problemas militares) bastando levar aviões para perto.
    Assim, essa nave é mais que apropriada para levar algum meio aéreo para regiões onde se façam necessárias.
    Vamos cair na real. Somos um País cada vez mais de Terceiro Mundo.

    • Você tá corretíssimo! Marx já dizia que a história se repete ora como farsa, ora como tragedia! Os governos petistas repetiram os mesmíssimos erros dos militares na economia e o "Brasil PuTênfia" naufragou do mesmíssimo jeito que o "Brasil Grande"

      • Infelizmente o Brasil não tem condições de assumir um papel de proeminência internacional. Por deficiências gravíssimas em educação, cultura, pesquisa e tecnologia.
        Aliado a isso tudo, temos uma classe empresarial predatória, sem capital e sem visão nacional.
        Estamos caminhando para uma grave desindustrialização, com o fraquíssimo empresariado nacional concentrado em
        áreas sem nenhuma tecnologia, como varejo, produtos agropecuários e etc.
        O resto todo está ficando nas mão dos estrangeiros, inclusive indústrias de setor 'secundário', mineração, energia e etc'.
        O Brasil 'flopou' como nação.

        • Em primeiro lugar, em razão de pessoas desconectadas da realidade como vc. Sem qualquer ideia de como funciona a economia, comércio e a relação entre países.

          Quanto ao empresariado, empresário deve se concentrar em ganhar dinheiro. Empresário, nem aqui, nem em lugar nenhum do planeta, tem visão "nacional". Vários países do mundo enriqueceram com capital estrangeiro ou fornecendo commodities.

          • Sem comentários. Aguardemos a melhora dos preços do farelo de soja para engordar a criação de porcos na China.

            • A propósito um das principais razões do nosso processo de desindustrialização é justamente o dumping praticado por seus patrões chineses. Quer mais uma? Sabe quem foi que apostou tudo na balança comercial fundada prioritamente na exportação de commodities para a China? Justamente o ParTido do heptarréu, que governou "estepaiz" de 2003 a 2016.

              Outra: sabe qual é o país que para onde mais exportamos produtos com alto valor agregado? Justamente os "malvados" EUA….

              • Não se preocupe que não é só o Brasil que está com sérios problemas econômicos.

            • Mercado bilionário no qual perdemos uma fortuna toda mês por falta de uma ferrovia.

        • Se o Brasil não tem condições de assumir um papel de proeminência internacional por deficiências gravíssimas em educação onde estava a "pátria educadora" nesse período de 2003 a 2016? E o que você me diz do "ciência sem fronteiras" que mandou estudantes que sequer sabiam falar português para o exterior?

          E já que você falou na classe empresarial "predatória e sem visão nacional" o que você me diz do grupo Odebrecht, que apenas no período de 2003 a 2016 recebeu US$ 31 bilhões do BNDES apenas para operações no exterior? E o notório grupo JBS "Friboi", que recebeu R$ 12,5 bilhões do banco? Eles fazem parte dessa classe "predatória e sem visão nacional" ou são "guerreiros do povo brasileiro"? Mas antes se pergunte quais benefícios eles trouxeram para a nação brasileira.

          • É o que estrago feito anteriormente é irreparável e condenou o Brasil a isso.
            E outra. Grupos como Odebrecht e Friboi foram gestados, nascidos e cevados em épocas anteriores.
            E como falei, a classe empresarial brasileira não se mostrou digna de assumir compromissos com o desenvolvimento nacional.
            Mas, não se preocupe. Esse tipo de classe empresarial é o mesmo encontrado em países como Haiti, Guatemala, El Salvador e outros.
            Não estamos sozinhos.

            • Sem essa! Não foi o "estrago feito anteriormente" que condenou o Brasil a isso visto que o Lulopetismo teve 13 anos para mudar as coisas, e não as mudou por falta de interesse e competência. Nesses treze anos as escolas e as universidades deixaram de formar profissionais e cidadão e passaram a formar analfabetos funcionais e militantes políticos que a despeito de não saberem fazer as quatro operações fundamentais na matemática e concordância verbal são mestres em discorrer sobre a luta de classes.

              Para piorar ainda inventaram a aberração do PROUNI, que apenas serviu para criar uma bolha no ensino superior particular…..

              Embora a Odebechet de fato fosse uma empresa grande já há algum tempo a Friboi era apenas um frigorífico mediano até o ex-presidente e futuro presidiário mudar o estatuto do BNDES para que eles pudessem usufruir da mamata e multiplicar de tamanho. E quanto a notória empreiteira cresceu ainda mais além de ter formado com outras um cartel destinado a assaltar o Estado brasileiro em conluio com o ParTido tal como a Lavajato está mostrando.

              • Antiganente era o paraiso. Agora, a moda é Paraíso do Tuiuti. Está um pouco atrasado.

                • Paraíso do Tuiuti é aquela escola que criticou a reforma trabalhista mas emprega apenas três pessoas pelo regime celetista. Ela é iguaizinha ao ParTido, que criticava a corrupção mas quando chegou o poder tratou de sistematizá-la como bem delatou Joesley Friboi ou seja, hipócrita..

                • Cara! Esse papo está 'demodê'. A roda já girou e está todo mundo em outra.

                • Agora, deixemos as malandragens jurídicas de lado e voltemos ao assunto de aviões, estratégias militares e geopolíticaa que são os focos do site e são muito mais interessantes.

                • Eu entendo sua posição afinal não há argumentos para defender a OrCrim do ABC..?

  12. O maior mérito da compra do Ocean é acabar com o projeto megalomaníaco de porta aviões da MB.

  13. Foi uma bela aquisição de oportunidade, mas como poucas é uma aquisição com o selo MB do qualidade.

    No melhor estilo do compramos e depois pensamos como usar..

    As Kombis apenas dobram as pás do rotor principal e vai exigir um certo cuidado nos elevadores com o rotor de cauda exposto.

    Fora o atraso doutrinário de investir milhões em um helicóptero para ataque naval com mísseis pesados.

    Que país do primeiro mundo investe nisto hoje ? Começa com ne e termina com nhum.

    Falta um heli AEW..

    Vão criar mais uma versão da Kombi e pagar mais um quintilhão de dólares de ToT para a Roubabrás ?

    Grana para um Merlin AEW tenho certeza que não tem…

    Sobram o Seahawk e o Lynx..

    Os Lynx são poucos e continuarão a ser usados em navios menores.

    Os Seahawks tb são poucos, mas são apenas na versão ASW.

    Na minha humilde visão, para dar um pouco mais de flexibilidade, os próximos helicópteros a serem adquiridos seriam MH60R.

    Possuem praticamente a mesma carga ofensiva de um Cobra, mas tem maior alcance e podem ser utilizados em outras missões.

  14. Agora o marinha via manter os postos de almirante que sem o São paulo iriam para reserva. os A-4 nele é que não pode operar. CFN ganhou uma alento com ele. Agora a Marinha precisa de muito mais , petroleiros, classe barroso e outros. só que tem que pagar o PROSUB superfaturado do PT.

    • Esse projeto está sendo levado pelas Forças Armadas sem muita interferência política.
      Só não sabemos ao certo, os motivos reais da prisão do Almirante responsável pelo projeto e muito menos uma 'intervenção pontual' da Justiça lá do Sul nesse programa.
      Nesse 'angow' (angu em inglês) tem caroço.

      • Aguardemos, agora, investigações em programas de compras de tanques, helicópteros, pistolas, fuzis e munições ou apenas às milhares de compras de material de consumo das Forças Armadas.
        Ou será que as investigações ficarão restritas apenas ao estratégico programa do submarino nuclear?
        Parece que nascemos ontem, né?

        • Realmente, "estratégico". A baleia azul das profundezas abissais vai revolucionar a defesa brasileira.

          Vamos voltar ao mundo real: o Almirante Othon estava na reserva, ele era presidente da eletronuclear (geração de energia) e não tinha relação mais com o projeto do submarino.

          Aquela agenda de desinformação básica.

          • Aí vc tem um sujeito que está com bilhões de reais de um orçamento na mão e é acusado de uma propina de R$ 4,5 milhões. E o sujeito que o condena vai receber homenagens nos EUA.
            Gostei!

    • Mostra a dobradiça nos brasileiros…

      Nem no Caracal francês eu vi.

  15. Parabéns Giordani, uma das matérias mais comentadas neste ano.

Comments are closed.