O presidente francês Nicolas Sarkozy recentemente começou a voar com sua aeronave Airbus A330-200 modernizada a partir de uma aeronave comercial.

Depois de toda a polêmica envolvendo o Aerolula, avião todo chique comprado apenas para transporte do presidente da República, a Folha informa que poderemos ter repeteco na discussão: o governo estaria negociando a compra de um novo modelo para a futura presidente, dessa vez um que voe mais de uma dezena de quilômetros sem precisa de reabastecimento.

O novo must have presidencial é um Airbus A330-MRTT, que antes era apenas usado para distribuição de combustível direto no ar, mas que ganhou uma versão executiva nos últimos meses e virou o avião oficial do presidente francês Nicolas Sarkozy. O preço pago pela França foi de cerca de R$400 milhões, segundo a Folha, e a nave já foi batizada no país de “Air Sarkô”. Ei, essa piada é nossa, seus ladrões nada originais!

Para explicar a razão do interesse, Lula disse que é humilhante ter de fazer frequentes escalas para abastecer o avião. O A319, Airbus do presidente, só aguenta 8.500 quilômetros sem reabastecimento. Com os 12,5 mil kms que o A330 suporta, praticamente todas as viagens para capitais europeias e americanas seriam feitas num pulo só, sem escalas chatas que os presidentes odeiam tanto. Dá pra dormir numa só sem ser incomodado.

Por enquanto trata-se apenas de um rumor, mas dado o estardalhaço que a última aquisição de avião presidencial causou, o governo deve estar pensando vinte vezes antes de realmente investir o dinheiro federal num avião de luxo. Mas se realmente isso acontecer, que pelo menos façam um esforço para adquirir um avião com motor ‘verde’, movido a Etanol, que a Embraer já está preparando. Aí sim teríamos uma justifica próxima do plausível.

Fonte: Folha e IstoÉ Dinheiro via Gizmodo

Anúncios

16 COMENTÁRIOS

  1. uma coisa que me intriga: porque não adquirirem um Embraer Lineage???

  2. Todos já perceberam qual é a deste jornaleco.

    Ganhar ibope criando picuinha é ridículo. Precisamos de reabastecedores, se eles podem vir com uma adaptação para servir de transporte em viagens de longo alcance ainda melhor. Esse jornalista deve ser retardado, pois a Embraer não desenvolve motores, nem mesmo os largamente utilizados por suas aeronaves, que dirá um novo movido a etanol.

  3. Ao Cavok,

    Desde a compra do Airbus A-319 em 2005, alguns especialistas militares alertavam que havia a necessidade de uma outra aeronave para o apoio as missões internacionais da Presidência da República. Ocorre tambem que os "belos" Embarer 190 adquiridos pela FAB em 2009 (Bartolomeu de Gusmão e Augusto Severo) possuem limitações de alcance semelhantes ao A-319 Santos Dumont.

    Além do mais o incômodo da autonomia do A-319 não é só apenas as escalas que tem de fazer para os destinos além de sua autonomia, mas também a formalidade e a burocracia inerentes à praxe diplomática e de segurança requeridas pela presença de um chefe de estado em solo estrangeiro. Quanto mais escalas, portanto, mais compromissos, custos, formalidades e tempo.

    Márcio Penante

    Ptetrolina-PE

  4. Só pelo início da notícia já se nota um teor tendencioso. Tinha que ser coisa da Folha. Além da parcialidade, o texto está muito mal escrito.

    Me espanta o Cavok ainda dar corda para esses amadores.

Comments are closed.