O Brasil pretende doar aeronaves P-95 Bandeirulhas da FAB para a Força Aérea de Cabo Verde. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

O ministro brasileiro da Defesa, Celso Amorim, manifestou ontem a intenção do seu governo de doar aviões Bandeirantes para auxiliar Cabo Verde no patrulhamento da sua zona marítima. Ele ressaltou, porém, que o processo de doação depende de aprovação do Congresso Nacional (Parlamento), além de preparação das aeronaves pela Força Aérea Brasileira (FAB).

Para já, e a confirmar-se, este será um dos resultados da visita que o ministro cabo-verdiano da Defesa, Jorge Tolentino, está a efectuar neste momento ao Brasil. Hoje, sábado, a sua delegação visita a base do Exército no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

Ontem, em Brasília, Tolentino e Amorim acertaram os aspectos da cooperação nas áreas da defesa e segurança entre Cabo Verde e o Brasil. Para Amorim, o Brasil pretende contribuir para o aumento da segurança na região do Atlântico onde Cabo Verde está situado, contribuindo com isso “para a paz e a segurança no Atlântico”.

Além da defesa dos domínios marítimos de Cabo Verde, Jorge Tolentino mostrou particular interesse na experiência brasileira nas áreas de segurança marítima e de busca e salvamento.

Acertado ficou também que o Brasil dará apoio técnico e científico a Cabo Verde para o levantamento da sua plataforma continental. De salientar que a Marinha brasileira já fez levantamento semelhante da plataforma da Namíbia e está a trabalhar no mesmo sentido com Angola, informou a assessoria de imprensa do Ministério da Defesa.

Fonte: A Nação, de Cabo Verde

Anúncios

32 COMENTÁRIOS

  1. Que tipo de segurança o Bandeirante poderá promover no patrulhamento do Atlântico Sul? Ele mal tem autonomia…

    • André

      Se você se refere ao uso do avião em Cabo Verde, não é Atlântico Sul mas ao Atlântico Norte, pois o país se localiza quase na mesma latitude da Venezuela, só que do outro lado do oceano. Confira no link

      http://www.coladaweb.com/files/mapa-mundi2.jpg

      No mapa aparece com o nome "Cape Verde" e a capital é Praia.

      Abs

      • Muito bem observado, eu tb fui pego de surpresa..

        Então ó Brasil esta progredindo muito.. rsrs

        Já estamos entrando na área de influencia da OTAN..

        Depois se eles vierem para cah nem vamos poder reclamar.. 😀

  2. O Brasil devagarzinho, vai colocando um pé na África. Os chineses já estão conquistando o continente africano, nós também precisamos de uma parte. É lógico de se imaginar que eles tb tenham um litoral recheado de petróleo. Fora as riquezas minerais do continente e as riquezas minerais da plataforma marítima.

  3. Para o Brasil ninguém doa nada… Há um tempo atrás o Brasil doou uns DHC Bufalos para algum país latino aqui perto. O encarregado da comissão do senado era o senador Aloysio Nunes. Enviei e-mail para o mesmo questionando o por que esses aviões não são doados a escolas técnicas publicas, para os alunos praticarem. Nada de resposta…

  4. Fernando Valduga,

    Não ficou claro se a doação é para o equipamento "no estado que se encontra" ou será do Bandeirulha modernizado ?

  5. Vão doar os pinóquios e vamos ficar com que? não sou contra a doação, mas deveria haver um plano de substituição por aviões do mesmo porte primeiro.

    O P3 é outra categoria serão apenas 8 para uma costa enorme.

  6. "…O ministro brasileiro da Defesa, Celso Amorim, manifestou ontem a intenção do seu governo de doar aviões Bandeirantes para auxiliar Cabo Verde no patrulhamento da sua zona marítima…."

    E depois Cabo Verde vai e compra Su-27 da rússia…esse tipo de doação é o mesmo que chegar ao orgasmo com o "equipamento" alheio! Não tem que dor nada! Ao invés de doar, formar e bancar tudo o mais, troca pelo uso de uma base na ilha…desloca um esquadrão, faz rotação com as equipes e além de marcar presença, ainda adestra o pessoal com missões…ah! Me estragou o dia!

  7. Lembrem-se Cabo Verde é um pequeno Arquipélago no meio do oceano Atlântico.

    Para eles o raio de autonomia do Bandeirante cobre com sobras todo seu território insular e a faixa contígua de mar territorial de 12 milhas náuticas de extensão (22 KM).

    Além de atender a necessidade caboverdiana ATUAL, seu uso agora por doação pode ser base (no futuro) para a negociação de venda de um modelo novo da Embraer. Esta parceria poderá gerar outros negócios e desdobramentos como a Petrobrás na exploração de recursos na plataforma marítima caboverdiana.

    Eventualmente, poderemos negociar o estabelecimento de uma base militar brasileira permanente em Cabo Verde ou o direito de uso eventual de base militar construída em programa de apoio as forças de defesa de Cabo Verde (programa militar de parceria semelhante ao desenvolvido com a Namíbia) que daria uma importante base de logística e de projeção militar mais ao Norte do Atlântico Sul. Possuir esta possibilidade seria muito útil a missões futuras de perfil semelhante da atual missão na UNIFIL e poderia ter um fundamento sólido ne existência na função de ser uma base de apoio permanente à função brasileira como autoridade SAR do Atlântico Sul que poderia ser muito útil na cobertura do tráfego aéreo entre a America do Sul e a Europa como poderia ter sido no caso do voo Air France 447 se já existisse.

    Como desde o anúncio da decisão da FAB de modernizar os velhos Bandeirulhas sempre fui bastante CRÍTICO desta decisão (ao invés da compra de novas unidades P-99 da Embraer) as perguntas que restam são:

    O governo brasileiro vai doar para Cabo Verde os Bandeirantes de patrulha na configuração atual ou já depois da nova modernização ?

    Se não vamos doar já modernizados, vamos oferecer o modelo "Block I ou Block II" ? Vamos ver como nos comportamos quando somos o lado "americano' desta relação do nosso incipiente "FMS" tupiniquim…

    Ou seja, qual unidade será fornecida a Nação PARCEIRA de Cabo Verde uma das 12 P-95 originais da década de 70 ou uma das 10 P-95B da década de 80 ?

    Sobraram unidades de Bandeirulha que já não seriam modernizadas para a finalidade de doação ou haverá diminuição do número de unidades de Bandeirulha a ser modernizadas no programa da para a FAB ? O programa de modernização do Bandeirante inclui apenas 41 aeronaves de uma frota de mais de 88 aeronaves nos seus vários modelos, mas os números por modelo não são conhecidos.

    Se vamos doar Bandeirulha não modernizado, a nova modernização vai ser oferecida/financiada a Cabo Verde?

    Por acaso essa iniciativa PODERIA OU NÃO indicar uma mudança de orientação no MD com a desistência total/parcial de incluir a modernização dos Bandeirulhas no programa geral de modernização do Bandeirante ?

    Das 22 unidades originalmente encomendadas quantas ainda existem (descontando os acidentes), quantas estão previstas para ser modernizadas e quantas estiam disponíveis para ser doadas (modernizadas ou não) ?

    As unidades disponibilizadas para ser doadas a PARCEIROS estrangeiros podem ser substituídas na FAB pela aquisição de novas aeronaves P-99 mais modernas ???

    • Muito boa analise Gilberto.

      Penso que o mais importante aqui é a abertura de portas para novos negócios em um país com potencial de crescimento e de mesmo idioma.

      Alguns Bandeirulhas em Cabo Verde no mínimo serão vendedores de peças de reposição brasileiras.

      Acredito que as aeronaves a serem doadas sejam do excedente que não será modernizado para FAB.

    • Nada disso, nos estamos é cercando a OTAN, depois fazemos uma parceria com os Argies e invadimos o Reino Unido e colocamos o Sarney no trono..

  8. Pessoal,

    Claro que a gente não tem nada e ainda eles doam, claro que seria legal mandar essas aeronaves pra escolas de engenharia mecânica. MAS queriam ou não, existe a política da "boa vizinhança".

    Cabo verde fala português e assim como todo povo africano com exceção do norte da africa, eles amam o brasil. Temos muito em comum com o povo africano e não temos NADA em comum com o povo latino americano de colonização espanhola, nem os índios brasileiros tem muito em comum com os índios andinos….

    Pra mim é muito mais útil que um presidente vá a africa fazer negócios ou sequer uma visitinha, do que perder tempo com esse lixo que é o povo latino americano colonizado pelos espanhóis.

    Lembre-sem que quando o mundo entrar em declínio por falta de matérias primas, e a Africa que nos salvará.

    • "…Temos muito em comum com o povo africano e não temos NADA em comum com o povo latino americano de colonização espanhola…"

      É…Portugal e Espanha nunca foram uma só nação…ah, me esqueci da batalha de São Mamede e que Dom Afonso Henrique era neto de Afonso VI, Imperador da Espanha.

      Amigo,
      Venha até as Fronteiras do braZil e verás que temos mais em comum com a américa espanhola do que achas que sabe. Não se deixe levar pelas imagens carnavalescas do "cansástico"…

      • braZil?

        Pessoal ta apelando hein. Tem necessidade de desrespeitar nosso país dessa forma? Escrevendo em minúsculo e com Z?

        Ta certo que brincadeira não pega nada, mas essa depreciação sistemática e corriqueira com a nossa bandeira é desnecessária.

  9. precisamos desta maior amizade com os países lusófonos! Portugal nçao consegue devido a rancores históricos e a incapacidade econômica deste em fazer investimentos lá. O Brasil tem de fazer, sim, esse chamado aos países da áfrica negra que são de língua portuguesa. Ou somos nós, ou será a china. E o futuro, é cada vez mais palpável, será desses pretos, que foram tão humilhados pelos europeus. Eles terão as riquezas, mas não terão a expertise. Se não formos nós os que irão estender a mão, serão os chinas, que os explorarão, como já o fazem tanto e tanto hoje. E nós, que somos tão pretos como eles, vamos ficar de tergiversação? Dá logo os bandeirulhas, poxa! temos já os P-3AM, temos uma marinha em modernização, PODEMOS ter mais aviões de patrulha e PODEMOS ter aviões novos… quanto custará essa relação de amizade com uma nação amiga, independente e numa posição estratégica? menos que o custo de uma câmara de deputados de um estado qualquer trocar seus carros oficiais …

  10. E ainda tem muito bandeirante para doar e fazer política de amizade, afinal da frota atual, somente cerca da metade será modernizada…

    O resto a FAB já vai mesmo retirar de serviço, muito provavelmente é deste estoque de Bandeirantes "aposentados" pela FAB que surgirão as doações…

  11. E uma rota de patrulhamento aéro(P-3)/naval entre Natal, Fernando de Noronha e Cabo Verde é altamente estratégica, navios civis e militares vindos do norte, na superfície do oceano entre Cabo Verde (África) e Brasil, serão muito mais facilmente detectados pela FAB e Marinha brasileira.

  12. De acordo com o World Airliner Census 2011, a FAB possui 12 P-95A/B. Dessas, 10 estao sendo modernizados, sobrando dois. Acho pouco provavel essa doação ser feita agora. Depois da entrega dos modernizados P-95A/B, seria possivel um overhaul e posterior doação dessas 2 aeronaves.

  13. No romance Cobra, de Frederick Forsyth, há uma passagem de uma base de treinamento em Cabo Verde, gerenciada por oficiais da FAB e financiada pelos EUA (romance de 2010), com os ST. Olhem a vida imitando a arte.

    Realmente seria bom também – além de reservar algumas dessas aeronaves para escolas técnicas – ter algum acordo de cooperação militar/comercial/cultural não só com Cabo Verde, mas com países vizinhos e secundariamente, com quaisquer outros. Mas duvido que isso vire acordo: ou vai ser "venda debaixo dos panos" com alguém embolsando algo ou vai ser doação unilateral e não vai sair mais nada disso, só pra fazer média com alguém, uma pena. Para Cabo Verde deverá ser uma boa, mesmo com os gastos de operação (território pequeno, país pobre) e, em um futuro, tomara que o governo de lá pense em reservar uma dessas aeronaves para escolas técnicas quando eles não servirem mais. Ai quem sabe os alunos e técnicos cabo-verdianos possam vir arranjar emprego na área de manutenção aeronáutica aqui no Brasil….

Comments are closed.