Bulgária escolhe caças Gripen. (Imagem ilustrativa)

A Bulgária decidiu iniciar negociações com a Suécia para adquirir oito novos caças Gripen feitos pela SAAB, disse o vice-primeiro-ministro interino Stefan Yanev, na quarta-feira, quando o país busca substituir seu antigo caça MiG-29 soviético.

A Bulgária escolheu a oferta sueca em vez de uma oferta de Portugal de F-16 de segunda mão equipados com armamentos norte-americanos e uma oferta da Itália de caças Eurofighter Typhoon de segunda mão.

Estima-se que o valor do negócio seja de cerca de 1,5 bilhão de levs (US$ 836 milhões).

Uma comissão especial para as negociações deverá ser criada dentro de uma semana, disse Yanev. As negociações com a Suécia serão realizadas pelo próximo governo da Bulgária, que deverá entrar em funções na próxima semana.

(Imagem ilustrativa)

A oferta da Suécia está em primeiro lugar, seguida por Portugal e Itália“, disse o ministro interino de Defesa, Yanev. “É normal que as conversas comecem com o primeiro país classificado.

No ano passado, o parlamento da Bulgária aprovou um plano para adquirir oito caças novos ou usados ??entre 2018 e 2020 para melhorar a conformidade do país com os padrões da OTAN e substituir seus MiG-29. Um acordo final ainda precisa da aprovação parlamentar do país.


FONTE: Reuters


Nota do editor: Embora não especificado, parece que se trata de caças Gripen C/D, e não E/F. O que implicaria em reiniciar a linha que montagem encerrada em 2015.

Anúncios

23 COMENTÁRIOS

  1. Para reabrir a linha para míseros 8 unidades, então ela nunca foi fechada?

  2. Mas o pessoal que trabalhava até pouco tempo no Gripen C/D trabalha agora no E na mesma fábrica.

    E os ferramentais com certeza estão bem guardados… Não deve ser nenhum bicho de sete cabeças tocar a produção de 8 unidades. A SAAB não ofereceria C/D pra ficar no prejuízo. Com o projeto já maduro dos C/D, qualquer venda que surgir deve ser fácil obter lucro.

    Ainda existe interesse em exportar Gripen C/D https://pbs.twimg.com/media/C9nMB5NXcAAvNDk.jpg

    • Pq como na questão da Bulgária, o C/D encaixa melhor em alguns orçamentos e necessidades.

      A SAAB não faz como a Dassault, que matou o glorioso Mirage para vender Rafale e amargou bons anos vendendo porra nenhuma.

  3. Só mostra o quão foi equivocada a opção do Brasil em embarcar no projeto do Gripen E/F conforme proposto pela SAAB. Aliás, a própria SAAB propõe Gripens C/D com aviônicas modernizadas no padrão E/F. A própria Flygvapnet queria isto é só comprou os tais 60 E/F novos, porque queria indicar aos países em quais a SAAB participava de concorrência com esta aeronave, de que a força aérea dá Suécia também iria operar o mesmo modelo (apesar de que em off todos sabiam que não era isto que a Flygvapnet queria).

    Quem ganhou com tudo isto?! A SAAB, ponto! Conseguiu um bobo, que se acha esperto, para bancar o seu novo produto, mas não abriu mão de manter o produto antigo, afinal, vai que o novo avião não fosse assim tão atrativo?! Ao que parece, com os atrasos, elevação de preço (aquisição, operação e manutenção) e possíveis perdas de capacidade ante o modelo anterior por causa de um tal "ganho em autonomia", sendo que até o momento nem mesmo o primeiro protótipo decolou, pra quê trocar o certo pelo duvidoso?!?!

    Não gosto de bancar o chato, mas não foi por falta de aviso!!! "Eu te disse, não te disse?!" Rsrsrs

    • Discordo em gênero, número e grau.
      O NG é outro avião, iguala-lo ao C/D seria como comparar Tucano/Super tucano, Hornet/SH..
      Ganho de autonomia é só um entre os vários melhoramentos.

      • Pois então, o Honet teve muito mais vendas do que os Super Honets. O filme se repete. Rsrsrs
        Enquanto isto, o F-16 que não mudou muito no quesito célula, continua a vender até hoje e muito. E o que não falta é atualização das versões anteriores às atuais.

        • Não tem um argumento melhor, não?

          Dizer que Super Hornet e Gripen E são um erro pq deveriam estar usando um motor menos eficiente é ridículo.

        • Sim..
          Assim como o F-16 vendeu muito mais que o F-35 e o F-15 vendeu muito mais que o F-22.
          Isso não significa que os antigos são melhores do que os atuais.

    • Não tais bancando o chato, tais bancando a viúva que perdeu uma marido na primeira semana de casamento, onde tudo era lindo, maravilhoso, sem brigas, sem os filhos sonhados, etc… Nunca soube da M que o futuro poderia ou não lhe aguardar e agora não consegue mais olhar pra frente.

      A questão do atraso do Gripen não tem mistério nenhum, basta procurar, não esconderam o motivo.

      A SAAB está mexendo no Software, implementando melhorias e desvinculação da parte tática com a parte de voo.

      O Software de voo está sendo passado a limpo seguindo um rigoroso padrão civil, para demostrar transparência nos procedimentos que estão sendo feitos e minimizar ao máximo falhas via simulação.
      Nem Brasil nem Suécia pediram por isso, mas a SAAB resolveu levar esta proposta adiante, atrasando com consentimento dos compradores algumas partes do programa, como o primeiro voo. Esta mudança beneficiará a todos no futuro, operadores e a própria SAAB.

      As melhorias de software vão facilitar inclusive as integrações de armamento e os testes que estão por vir e no futuro as atualizações do caça, que serão mais baratas. A evolução do Software da aeronave sempre vai estar a frente do Hardware.

      Enquanto isso, segue a fabricação dos outros protótipos e os testes de Hardware com o protótipo já existentes. E o cronograma de entregas continua o que foi divulgado.

      As instalações para montagem das aeronaves por aqui estão no cronograma.

      O pessoal está sendo especializado e mexendo no F.

      Tudo corre razoavelmente bem.

      "Ahh… mas enquanto isto, temos que voar F-5EM forever…"

      Pois é. Aí faz falta aqueles C/D que não vieram para segurar as pontas, já que ainda hoje estamos a 2 anos da entrega da primeira aeronave e a 4 anos do IOC.

      Vai ser duro aguentar até lá só com F-5EM e choro pela morte da bezerra ad aeternum.

      • Xiiii, então piorou ainda mais. Ao invés de 'AMX 2, a missão continua', estão criando o 'F-35, a dor de cabeça não pára'. Rsrsrs

        Sugiro um desafio, até 2020 quem venderá mais, Gripen C/D, ou E/F? Lembrando que do E/F já existem 96 encomendas e do C/D, no momento, só a possibilidade destes 8 búlgaros.

        • Não precisa prever o futuro para saber que o C/D terá mais operadores… Até pq tem um monte de pais pelado decidindo pelo próximo caça. Bulgária, Eslováquia, Botswana, Croácia, todos talvez ainda este ano.

          Mas ai vem a Índia e compra trocentos Gripen E… Quem pode faturar mais? Quem terá mais unidades fabricadas?

          São caças para necessidades e compradores diferentes.

          Você tem o projeto dos C/D pronto, com custos de desenvolvimento já amortizados. Qualquer pais pelado que comprar uma dúzia representa lucro. Você vai deixar de ter esta aeronave no seu portifolio para abrir mercado para um FA-50 da vida, enquanto tenta empurrar uma dúzia de Gripen E para um pais de 3º mundo que não tem orçamento de defesa para operar um caça destes? A Dassault tentou isso com o Rafale, não deu muito certo e ainda por cima abriu espaço para o Gripen C/D e F-16…

          Você tem o projeto dos E/F em desenvolvimento, com 96 unidade contratadas e com possibilidade de vender TALVEZ mais 72 para o Brazil, talvez ~200 para a India e 24 para Suíça, com Bélgica, Colômbia e Canadá correndo por fora… Você faria M com um projeto desdes? Você tocaria com a barriga? Você enrolaria o primeiro comprador estrangeiro?

          A SAAB em um "Tucano" e um "Super Tucano" nas mãos… Bom pra ela se ela não fizer M com estes produtos.

  4. Ou esses Gripens podem ser usados dá força aérea sueca.
    Com a ativação dos novos Gripens não duvido nada que algumas unidades serão vendidas pra outros países.

  5. Seria o Gripen C/D o Uno Mille ( que permaneceu em produção por muitos anos depois que todos acreditavam que c/ o lançamento do Palio ele não seria mais fabricado ) da Saab ? Essa discussão me faz pensar que poderíamos ter mercado p/ um Gripen 'sub-NG', ou seja célula do NG ( c/ suas vantagens de maior autonomia e capacidade de carregar armamentos ) c/ padronização na fabricação, mas c/ aviônicos mais simples e baratos inclusive o radar da versão anterior, menos opções de integração de armamentos de última geração e até, quem sabe, uma motorização mais barata. O que acham ?

    • Seria justamente o contrário, células do C/D com mesma motorização e recheio novo, dos E/F. Isto ajudaria a manter os custos a patamares aceitáveis, como fez a Lockheed com o longevo F-16.

      • Engraçado que a Boeing não fez o mesmo com o Super Hornet…

        Aliás… Os últimos "blocks" dos F-16 não voam as mesmas versões de motores de antigamente.

        • Mas não mudou a célula para abrigar os novos motores. Se você pegar um F-16A bloco 15 (se estiver em boas condições e muitas horas de vida útil pela frente) e quiser colocar os mais novos motores e a mais nova aviônica (F-16V), você consegue. O mesmo acontece com os Honets A/B e C/D, mas não para o E/F. Agora tenta fazer o mesmo com o Gripen A/B!? Dá para fazer do A/B para C/D, mas não do C/D para o E/F.

          No frigir dos ovos, a SAAB cometeu o mesmo erro que a Boeing, a diferença é que a Suécia não é os EUA (com o seu esplendido mercado interno). É para diminuir a "burrada" que fizeram (entre aspas, pois acharam um "esperto" para financiar o projeto), resolveram manter a venda de Gripens com células C/D, mesmo que possam colocar uma nova aviônica, mas manterão os custos menores.

          • "Se você pegar um F-16A bloco 15…. e quiser colocar os mais novos motores e a mais nova aviônica…, você consegue."

            1) A F110 tem mais empuxo e precisa de mais ar em relação a F100, só a célula do F16C tem entrada de ar com área suficiente.

            2) Quem gera a energia elétrica da aeronave é o motor. Não é infinita a energia que abastecerá a eletrônica. Motor mais fraco, menos energia elétrica.

            3) O F16A e o Gripen A e C tem limitação de espaço físico. Fora a questão do peso.

            4) Um F16 A só vira um F16C se reencarnar. Um F16AMLU não é um F16C.

            5) O Gripen usa o mesmo sistema de modernização em blocos. A última foi a MS20. A MS21 será do E, mas o C continuará a ser modernizado de forma paralela.

      • Mas assim vc teria que manter 2 linhas de produção, lembrando que a Saab tem pedidos do NG e portanto tem que fabricá-los, já dos C/D, não – não sabemos realmente do que se trata essa negociação c/ a Bulgária, e mesmo que fossem dos antigos seriam só 8 und, não valeria a pena manter 2 linhas de produção ativas ( talvez não tenham nem espaço p/ isso ).

  6. A SAAB oferece o C/D como uma opção custo-befício. Para um país como a Bulgaria, é a melhor opção. Já uma Índia ou o Brasil devido às suas dimensões precisa de um caça com maior alcance, e dae a versão E/F.

    Nada demais.

    []'s

Comments are closed.