O caça chinês J-31 no momento que chegava para pouso após seu primeiro voo no dia 31 de outubro.

O novo caça chinês de quinta feração J-31 efetuou com sucesso o seu primeiro voo e entrará na história como o primeiro exemplar de alta tecnologia militar a dever o seu aparecimento ao êxito na ciberespionagem.

As fontes de inspiração dos criadores da Corporação Aeronáutica de Shengyang foram evidentes logo que apareceram as primeiras imagens do segundo caça chinês de quinta geração. As fotos do seu primeiro voo, que mostram o caça de diferentes ângulos, não deixam dúvidas de que o seu design repete de uma forma bastante fiel os contornos do prometedor caça estadunidense F-35.

Não se pode dizer que o aparecimento do avião chinês inspirado no F-35 tenha sido uma grande surpresa. É largamente conhecido o fato de ter havido, em 2009, a partir de território chinês, uma infiltração nas redes informáticas de uma das empresas construtoras do F-35 com uma posterior entrada na rede do Pentágono e o roubo de uma grande quantidade de dados acerca desse avião. Antes se considerava, porém, que a informação roubada, apesar do seu grande volume, não seria suficiente para copiar o F-35, se bem que permitisse ter uma ideia bastante precisa do seu aspeto e capacidades, assim como preparar métodos para o combater. Por outro lado, pode ter havido outros episódios de roubo de dados sobre o F-35 que os serviços secretos norte-americanos não detetaram ou não divulgaram.

De qualquer forma, não se pode dizer que os chineses tenham copiado o F-35 de uma forma minimamente completa. Para isso seria necessário conhecer o fabrico do motor, do radar de bordo e do sistema de comando. O nível técnico desses e outros componentes está muito à frente das capacidades da indústria chinesa. No protótipo funcional do J-31, segundo tudo indica, estão instalados motores russos RD-93 dos que foram fornecidos à RPC para equipar o caça FC-1 de exportação.

Comparativo de imagens entre os caças de quinta geração.chineses e norte americanos.

Se isso for assim, então o mais recente avião de combate chinês tem um propulsor de um caça soviético de quarta geração que nem era o mais avançado, tendo o seu fornecimento à força aérea da URSS sido iniciado em 1983. Já há muitos anos que decorrem os trabalhos para a criação de um motor chinês análogo ao RD-93, conhecido por WS-13 Taishan, mas estarão longe, provavelmente, de estarem terminados. Neste momento faltam também à China outros componentes importantes para um caça de quinta geração, nomeadamente um radar moderno com uma matriz ativa faseada.

Assim, o J-31, tal como o J-20 que levantou voo um ano e meio antes, será mais provavelmente um demonstrador de tecnologia, um protótipo experimental, que ainda vai ter de ser durante muito tempo recheado com os aparelhos e sistemas necessários. Provavelmente, no início as necessidades de componentes e sistemas serão satisfeitas à custa de importações e com uma substituição gradual dos componentes importados por análogos nacionais. Contudo, se o J-20 é em geral um projeto original, já o J-31 copia o desenho exterior, os parâmetros principais e uma série de outras decisões estruturais de um protótipo estrangeiro.

Com um défice evidente de criatividade por parte dos construtores, o J-31 se torna no símbolo mais visível da entrada na era da espionagem informática. Apesar de o próprio fenómeno ter já cerca de 30 anos, para muitos ela foi durante demasiado tempo um conceito abstrato. Agora, porém, já existe algo para mostrar aos que ainda consideram a ciberespionagem como algo exótico.

De qualquer forma, o êxito parece ser evidente. Para a China, no entanto, este trabalho de imitação de soluções técnicas estrangeiras poderá não ser completamente inofensivo. O desenvolvimento baseado em tecnologias alheias (compradas ou roubadas) é inevitável numa determinada etapa, mas não pode ser olhado como uma estratégia de sucesso a longo prazo. Os hábitos de copiar anulam o potencial de inovação próprio e trava a acumulação de experiência na realização de projetos complexos autônomos. A URSS, que também tinha poderosos serviços de informação técnico-científicos e que roubava de forma ativa tecnologias ocidentais, demonstrou um maior atraso precisamente nas áreas onde a cópia de modelos estrangeiros tinha sido transformada na opção principal do seu desenvolvimento.

Fonte: A Voz da Rússia

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta
Anúncios

14 COMENTÁRIOS

  1. Deste assunto os russos entendem…

    Afinal estão mais que acostumados com os chineses copiando suas aeronaves…

  2. Do que adianta terem copiado a carcaça do F-35 se as gloriosas estatais xing ling até o presente não foram capazes de de desenvolver um turbofan decente,tendo que se virar com um propulsor russo já meio ultrapassado?

  3. Independente de se os Chineses estarem fazendo espionagem industrial, engenharia reversa, etc, eles estão avançando e rápido. O maior gargalo para eles são os motores de alto desempenho, mas e questão de tempo até eles terem autonomia full nessa campo também.

    J-20 e J-31 Demonstradores de Tecnologia? O F-22 também já foi e o PAKFA também não está tão mais avançado que o J-20.

    No mais, senti uma pontinha de despeito dos russos. 🙂

    []'s

  4. A duvida é: Em qual nível está essa eng. reversa?
    Copiar o desenho de uma aeronave não é complicado isso qualquer um com uma pequena indústria aeronáutica faz, o que é complicado é criar o "recheio" dessa aeronave, motor eletrônicos e armamentos, e nisso é certo que os xing-ling estão anos luz atrás dos EUA, não tem como, não se adquire essa tecnologia do dia pra noite, o que prova que essas aeronaves não passam de demostradores, quem sabe lá por 2020 veremos um modelos pronto, fruto dos engenheiros russos/ucranianos que os xing/ling "contrataram".
    Eng. reversa é nobre, respeitável e etc..mas não faz milagres…

    • Caro Galileu,

      O nível da engenharia reversa deles está no SU-27SM. 🙂

      O maior problema deles era o motor WS-10, se este foi resolvido, eles tem um caça no nível de um SU-30MK, sem as modernizações de um SU-35.

      Agora, o design deles está evoluindo rápido. É questão tempo mesmo.

      []'s

  5. Independente da qualidade dos aviões, pelo menos eles tem alguma coisa e pensam em firmar um lugar no cenário mundial como uma super potencia, bem diferente de uma "putensia" sul americana…

  6. Resta saber se os aviões chineses não vão falhar como os celulares Xing Ling. Mas o fato importante nisso tudo é que com ou sem ciber espionagem eles estão avançando muito, e rápido, pelo menos no quesito aeronave. Fica faltando a área de sistemas embarcados e proplusão. Porém não duvido que num prazo de uns cinco anos eles já estejam com a solução pronta. Eu pessoalmente acredito que eles estão onde estão por pura e simples obstinação e por estarem copiando "no olho" mesmo. Ou então teriam copiado os motores também.

  7. O fato é que o segundo 5G chinês despertou a atenção do mundo, já que esse é claramente um caça de porte médio destinado provavelmente a substituir os ou complementar os J 7/J 10, e provavelmente será produzido as centenas ou milhares se for de fato barato, o mesmo não podemos dizer do F35/F22/T50, esse caça gera um desequilíbrio na balança, e agora vai caber a Rússia e Eua criarem novos projetos 5G realmente viáveis em matéria de $$ para se contrapor a grande quantia em que esse caça será fabricado.

  8. Os ricos chineses ainda estão patinando nas áreas tecnológicas "internas" de um caça de 5a. geração (ou de 4a. +++ mesmo) porque ainda não encontraram e/ou falaram com as pessoas certas… Quem não lembra ou nunca soube a respeito, no passado, do sumiço de um estoque inteiro de peças do então F-14 da Us Navy — reaparecido no Irã? Quem disse que um escândalo, mesmo ramificado de outro (Irã-Contras) não pode se repetir? Outro caso, posterior, era o de uma empresa italiana que estaria fornecendo peças, além de consultoria técnica de alto nível e por debaixo dos panos, aos helicópteros Bell persas… Há fatos pontuais também muito curiosos: A-129 Mangusta ("copiado" em detalhes em 1985 e aprimorado no WZ-10) e o Lavi (que os israelenses juram não ter nada a ver com o J-10)… Isso é o pouco (?) que veio a público. Por fim, e a compra pura, simples e ilegal de projetos, além de a espionagem tradicional? Ainda não morreram totalmente. Empresas européias de países em grave crise (ou não — muito dinheiro seduz e corrompe até os "vestais" mais pueris da política, hoje hipócritas politicamente prostituídos) podem fornecer tecnologias, ainda não aplicadas na prática, no campo do TVC, supercruise, radares aeroembarcados AESA e materiais furtivos (ligas e tintas). Só imagino como os criativos chinas converteriam essa possível vetoração de empuxo tradicional, européia ou russa, num sistema também "furtivo". Eles tem centenas de milhares de engenheiros "cabeções" e montes de grana. Quem vai conseguir tomar conta de todo mundo ao mesmo tempo?

    • Ah, quando digo "européia e russa" não se trata de ter desaprendido a divisão política dos mapas. O negócio aqui é que todo mundo ê inteligente e observa o contexto…

  9. Os chinas não conseguem sequer concluir seus projetos na aviação civil, como o ARJ21 ou o Comac?
    Sua industria aeronáutica está anos luz atrasada em relação ao ocidente ou mesmo a russa, de quem conseguiram copiar alguma coisa.
    Me digam algum projeto recente de sucesso da aviação xing ling?

    Pra mim estes caças 5G xing ling são só fachada…

  10. Dificilmente os chineses conseguirão superar os americanos militarmente. Mesmo que produzam caças aos milhares, eles terão uma desvantagem tecnológica quanto a maioria dos caças ocidentais de mesma geração. Além do mais, os Americanos jogam muito melhor que os chineses. Enquanto a China tem desavenças com praticamente todos os paises em que faz fronteira, os americanos reforçam seus laços e criam alianças, cercando a China por todos os lados. Mesmo a Índia, uma grande potência regional, tem aumentado seu poder bélico não mais tendo o Paquistão como principal alvo, e sim a China.

Comments are closed.