Passagem dos quatro caças Eurofighters em Madri, no dia 12 de outubro de 2017, momentos antes do acidente com uma das aeronaves. (Foto: REUTERS / Sergio Perez)

Um jato de combate Eurofighter Typhoon, que pertencia a 14ª Ala localizada em Los Llanos, perto de Albacete, caiu quando chegava na base situada no sudeste da Espanha nesta quinta-feira (12), matando seu piloto, conforme informações divulgadas pelos serviços de emergência.

Os serviços de emergência locais receberam uma ligação às 10:09 GMT, informando-lhes que o jato havia caído numa área de plantação ao redor da base de Los Llanos, perto da cidade de Albacete, disse o porta-voz.

Local do acidente do Eurofighter, próximo da Base Aérea de los Llamos. (Foto: SILVIA AND JUANMI MONJE DE ALBACETE / via REUTERS)

O caça, um dos quatro que participaram do desfile, tinha participado de um desfile militar  em Madri para comemorar o feriado nacional da Espanha e caiu quando retornava para base, disse um porta-voz do Ministério da Defesa. O piloto não conseguiu escapar da aeronave antes que ele caiu

As causas do acidente estão sendo investigadas, o ministério adicionou em uma nota.

O desfile deste ano em Madri, atendido pelo Rei Felipe e a Rainha Letizia, está ocorrendo como um pano de fundo da crise política depois de um referendo de independência ilegal ter sido realizado na Catalunha em 1 de outubro.

14 COMENTÁRIOS

  1. É o segundo acidente em pouquíssimo tempo e para piorar matando o piloto. Paradoxalmente os Typhoon da RAF, frequentemente acionados para interceptar bombardeiros russos, possuem os melhores índices de segurança.

    • Na verdade, são 3 (três), dentro de um período de 1 mês!
      Além deste da Espanha e do acidente na Itália, teve um Typhoon da Arábia Saudita que caiu em uma missão no Yemen em setembro.

  2. Maré de azar pro Eurofighter Typhoon ao que parece. Uma pena a morte do piloto.

    • Certíssimo Giordani!! Eu tb apostaria nisso, ainda mais com o piloto não ejetando, o que me leva as seguintes teorias:
      – Não ejetou pq tentou salvar a aeronave e perdeu o ponto da ejeção (pouco provável)
      – Não ejetou pq o assento ejetor não funcionou (pouco provável e se constatado é uma falha – fora a da aeronave – gravíssima).
      – Não ejetou pq não estava consciente no momento do acidente.

      Pergunta: essas aeronaves não possuem tecnologia que reconhece uma queda iminente e automaticamente nivelam a aeronave evitando a queda?

      • Pelo o que sei, o Auto GCAS (se refere a esse sistema?) está implementado apenas em alguns F-16 dos EUA por enquanto. No futuro, vai estar nos F-35 também.

        • Por outro lado estes sistemas de autocorreção e alerta são desabilitados em exibições, pois tenderiam a interferir nas manóbras a baixa altura.

          • Creio na verdade o Auto GCAS só é ativado quando a aeronave está a caminho de se colidir com o solo e não há comando do piloto no stick/sidestick (ou seja uma situação do qual o piloto está inconsciente), o que normalmente não aconteceria em uma exibição aérea. Ou tem um funcionamento diferente?

            • Auto GCAS faz justamente isso. Ele detecta situações especificas onde existe uma colisão iminente caso não tenha intervenção do piloto ou dos com****dores. Num show aéreo o piloto não tira a mão do manche, principalmente em baixas altitudes. Não acredito que Auto GCAS vai tirar a o comando do piloto para evitar uma colisão, sabendo que o piloto está consciente e pilotando a aeronave.

              Caso o piloto, por alguma razão deixe a aeronave em uma atitude perigosa e ausência seja superior a periodo especifico de tempo, ai sim o Auto GCAS vai tomar controle da aeronave.

              Mas não acho que ficar tentando adivinhar a razão do acidente vai ajudar em algo. Acidente aéreo sempre é complicado, e precisamos esperar as agências responsáveis lançar uma nota oficial. Até lá, tudo é mera especulação.

    • Não acho que seja OBOGS, eles nem usam sistema de geração de oxigênio em baixa altitude.

  3. Estes pilotos que se acidentam por problemas de oxigenação tem problemas a grandes altitudes e altas cargas G, não em passagens baixas em exibições ao público.
    É cedo para se tirar conclusões, mas pode ser atribuido a muitos fatos relacionados a erro humano, em caso de falha material sobre área desabitada ejetariam.

  4. Não vai ser complicado esclarecer, era uma formação de 4 aeronaves, elas voam proximo não é, alguém viu.

  5. Realmente estranho o fato de o piloto não ter ejetado. Um mal súbito talvez.

  6. O estranho de tudo ai amigos é que ele caiu fazendo o pilofe. Tenho fotos se alguém quiser.

Comments are closed.