Caças F-16 da RNAF começaram a voar com biocombustível. (Imagem ilustrativa)

Caças F-16 da Força Aérea Real Holandesa (RNLAF) sediados na Base Aérea de Leeuwarden estão voando com biocombustível desde 14 de janeiro, anunciou o Ministério da Defesa holandês (MD) em seu site dois dias depois.

O ministério disse que a base aérea recebeu 400 mil litros de bio-querosene reciclado de óleo de cozinha durante a semana de 14 de janeiro.

O biocombustível é produzido pela empresa americana World Energy, que o MD holandês afirma ser o único produtor do mundo, fornecido pela SkyNRG e Shell Aviation, apoiado pela Dutch Defense Material Organisation e pelo Defense Fuel and Supply Service.


FONTE: IHS Jane’s

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Fosse uma produção local altenativa para tempos difíceis, ok.
    Da forma apresentada, frescura.

  2. A "frescura" é irreversível. Podem contar com isso. Já era, acabou. Quem ficar para trás vai perder dinheiro. Especialmente em um lugar que não produz petróleo, como Europa e Japão.

  3. E o desempenho? Uma coisa é usar biocombustível em um avião de transporte ou num avião civil outra é usar num caça de defesa aérea que exige um alto desempenho. Numa guerra em caso de bloqueio e falta de combustível pode até ser uma opção para situações emergenciais, mas seu uso no dia a dia num tipo de aeronave de alto desempenho pode ser arriscado. Quer ser ecologicamente correto, use biocombustíveis nas frotas de veículos terrestres, nos aviões de treinamento básico ( os aviões de treinamentos avançados poderiam de ficar de fora ), e nos aviões de transporte, com isso poderiam se mostrar comprometidos com o meio ambiente sem comprometer a defesa!

    • Acredito que todo e qualquer tipo de teste e análise técnica foi feita. Ninguém vai colocar um avião de milhões e um piloto altamente treinado e igualmente caro em risco.

Comments are closed.