O Boeing 777 da Ethiopian Airlines foi interceptado por dois caças F-16 indonésios. (Imagem ilustrativa)

Dois caças F-16 indonésios forçaram um Boeing 777 de carga da Ethiopian Airlines a pousar na segunda-feira em um aeroporto na ilha de Batam após o avião ter entrado em espaço aéreo indonésio sem permissão, disse um porta-voz da força aérea.

O Primeiro Marechal Novyan Samyoga disse em um comunicado que o 777 foi assegurado por pessoal da força aérea indonésia no aeroporto internacional de Hang Nadim em Batam, uma ilha ao sul de Cingapura.

O voo de carga ETH 3728 voava da capital etíope, Addis Ababa, para Hong Kong.

Funcionários da Ethiopian Airlines disseram que o avião fez um voo urgente e não programado para deixar um motor de avião em Cingapura para manutenção.

(O avião) estava cruzando o espaço aéreo indonésio de acordo com o Artigo 5 da Convenção de Chicago da ICAO, pelo qual um voo não programado pode sobrevoar o espaço aéreo de um país amigo sem permissão prévia”, disse a empresa.

A Ethiopian Airlines explicou para a Indonésia e a tripulação está descansando em um hotel antes de continuar seu voo, disse a companhia aérea.


FONTE: Reuters

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Missão real de interceptação deixa qualquer piloto de combate feliz. Os de caça, de forças aéreas que não criam ou não se metem em conflitos habitualmente, sonham com esse momento (eu conheci dois que ficaram muito satisfeitos em decolar à toda, alcançar e escoltar aviões de passageiros civis, perdidos, sem comunicação rádio, até um aeródromo seguro).

    Salvar centenas de vidas, sem ter que matar um oponente, me disseram, é bem mais interessante. Mas se necessário combater, faca nos dentes…

  2. Em 2013 pegaram um avião Dornier 328 (C-146A na USAF), o avião entrou no espaço aéreo da Indonésia e foi detectado por radar e perdendo altura para pousar no aeroporto Sultan Iskandar Muda na Província de Aceh , não houve necessidade de interceptação e para a surpresa era um Dornier 328 e a matricula era n 13075, sem identificação de país ou operador e os pilotos não tinham nenhum documento do avião e alegavam ser da USAF. Não tinha plano de voo do Sri Lanka para Aceh.

    Foram retidos enquanto as autoridades entravam em contato com a Embaixada Americana para maiores esclarecimentos, depois da confirmação de que era realmente da USAF e pertencente ao Air Force Special Operations Command, chegaram a um acordo, os dois pilotos e passageiros ficaram confinados dentro da aeronave aguardando a remessa da documentação referente ao avião e voo.

    A tripulação é composta de: Timothy Colton Tutle(piloto), Cynthia Ellizabeth Priest (co-pilot), Loren Mattjew Faire (técnico) e os passageiros David Antonio Moreno e Diego Sanchez Gaona. A tripulação e passageiros solicitaram autorização para desembarcar na Indonésia enquanto aguardavam o tramite legal e foi recusado, devendo deixar a Indonésia quando chegar a documentação.

    Depois de tudo esclarecido foram abastecidos e deixaram Indonésia rumo a Singapura. No entanto vai continuar o processo diplomático por parte de governo a governo, relacionado aos erros do avião.
    Pelo que eu entendi, fizeram um plano de voo Sri Lanka para Singapura, sem incluir o abastecimento em Aceh na Indonésia, pode ter sido um erro de planejamento, mas sem documentação do avião a coisa complicou.
    Os pilotos da USAF estavam pilotando o avião da USAF paisanos e sem inscrição clara dizendo ser da USAF e logo a imprensa disse que provavelmente era missão ligada a CIA, os EUA não deram explicações sobre a natureza do voo.
    . http://assets.kompas.com/data/photo/2013/05/20/21

Comments are closed.