Um F-35A do 4º Esquadrão de Caça Expedicionário, operando a partir da Base Aérea de Al Dhafra, Emirados Árabes Unidos, é reabastecido por um KC-10 Extender do 908º Esquadrão de Abastecimento Aéreo Expedicionário em um local não revelado. (Foto: U.S. Air Force / Staff Sgt. Chris Drzazgowski)

Caças F-35A das 388ª e 419ª alas de combate da USAF, sediadas na Base Aérea de Hill, e operando a partir da Base Aérea de Al Dafra, nos Emirados Árabes Unidos, realizaram ataques contra forças inimigas pela primeira vez. As imagens foram divulgadas hoje a tarde pelo Comando Central dos EUA (CENTCOM).

De acordo com um comunicado de imprensa da base, um par de F-35As com as duas alas de combate de Hill realizaram um ataque aéreo hoje, dia 30 de abril, em Wadi Ashai, no Iraque, em apoio à Força Tarefa Conjunta da Operação Inherent Resolve. Os F-35s estão operando em apoio à 380ª Ala Expedicionária Aérea (AEW) na operação e provavelmente substituindo ou trabalhando junto com os F-15C Eagles do 493º EFS “Grim Reapers” que estão também no teatro.

Os jatos conduziram o ataque aéreo usando bombas GBU-31 JDAM (Joint Direct Attack Munition), atingindo uma rede de túneis do Daesh e um esconderijo de armas existente há muito tempo em uma área remota das Montanhas Hamrin. De acordo com a Boeing, o JDAM é um kit de orientação de baixo custo que converte as bombas de queda livre não guiadas existentes em armas “inteligentes” de precisão e guiadas com precisão.

O pessoal de Hill está atualmente estacionado na Base Aérea de Al Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos, para apoiar a missão do Comando Central da Força Aérea dos Estados Unidos no Oriente Médio.

Um piloto do 4º Esquadrão Expedicionário de Caça cumprimenta um mantenedor do 380º Esquadrão Expedicionário de Manutenção de Aeronaves antes de decolar na Base Aérea de Al Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos. (Foto: USAF / SSgt Chris Drzazgowski)

Um total de 10 caças F-35As do 4º Esquadrão de Caça Expedicionária (EFS) “Fightin’ Fuujins” e sua unidade associada do Comando de Reserva da Força Aérea (AFRC) do 466º EFS “Diamondbacks” começaram a chegar em Al Dhafra, Emirados Árabes Unidos na noite de 15 de abril para a implantação do combate de estreia da USAF F-35A.

Além do pessoal dos dois esquadrões de caça, estão destacados os pilotos de reserva e do serviço ativo na 4ª Unidade de Manutenção de Aeronaves, bem como pessoal em outras funções de suporte. A USAF não revelou quando eles devem voltar para casa.

Os F-35As de Hill já se deslocaram para a Royal Air Force Lakenheath em abril de 2017, assim como para Base Aérea de Kadena, no Japão, no outono de 2017. Em fevereiro, um grupo de 12 F-35s e mantenedores, oficiais de inteligência, equipes de armas e o pessoal de apoio de Hill completou um exercício de combate de três semanas conhecido como “Red Flag” – um exercício destinado a reproduzir uma batalha contra inimigos simulados em potencial durante um conflito de grande escala.

Um KC-10A Extensor reabastece um F-35A acima de um local não revelado, no dia 30 de abril de 2019. (Foto: USAF / SSgt Chris Drzazgowski)

Os F-35s lançaram missões locais iniciais no teatro no dia 24 de abril, carregando trilhos de mísseis externos, mas sem armas anexadas. Isto foi aparentemente seguido pelas primeiras missões oficiais de combate do dia 26 de abril – completas com Sidewinders AIM-9X externos e ativos.

Os pilotos de Hill também realizaram numerosas outras missões de treinamento, incluindo voar dentro e fora da Área de Testes de Utah na zona de Treinamento no deserto oeste de Utah, mas o porta-voz de Hill, Micah Garbarino disse que o ataque marcou a primeira missão de combate real do F-35A Lightning II.

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS