Caça chinês Shenyang FC-31.

O primeiro porta-aviões desenvolvido na China permanece como objetivo para entrar em operação, já em outubro, e a próxima geração de porta-aviões já está em construção. Ainda assim, o desenvolvimento de novos esquadrões de caça do Exército de Libertação Popular (PLA) parece estar andando em marcha lenta.

Não é segredo que colocar o pesado J-15 a bordo do porta-aviões de Liaoning não foi nada fácil, já que a capacidade limitada de combustível e a velocidade de decolagem diminuíram a autonomia do J-15 quando embarcado. Perdas de aviões durante o treinamento também foram relatadas.

Atualmente a China utiliza os jatos J-15 embarcados no seu porta-aviões Liaoning.

Agora, o PLA pretende implantar o FC-31, mais leve e ágil, também conhecido como J-31, a bordo de porta-aviões como uma medida paliativa para compensar as muitas deficiências do J-15.

O FC-31 é um caça furtivo bimotor de porte médio desenvolvido pela estatal Aviation Industry Corp of China (AVIC). Foi originalmente planejado para exportação.

A mídia chinesa informou que o PLA está adquirindo peças furtivas, incluindo unidades fotoelétricas de aquisição de alvos com capacidade stealth, para o AVIC, a fim de montar mais jatos FC-31s. Por trás da nova unidade está o lançamento em outubro do Type 001A, o primeiro porta-aviões desenvolvido nacionalmente para o PLA que possui um hangar maior para acomodar mais caças.

Além disso, em uma entrevista com a mídia estatal da China já em 2015, o designer-chefe do FC-31, Sun Cong, expressou sua esperança de que a aeronave seria usada como o J-15 nos porta-aviões chineses.

Concepção artistica do FC-31 “navalizado”.

Um protótipo do FC-31 melhorado, com modificações em seus estabilizadores verticais, asas e sistema designador eletro-ótico, fez seu primeiro voo em dezembro de 2016.

O FC-31 pode transportar 8.000 kg de carga útil, tem um peso máximo de decolagem de 25.000 kg e os armamentos primários incluem o míssil de curto alcance PL-10 e o míssil ar-ar de médio alcance SD-10A. Tem um raio de combate de 1.200 quilômetros.

Acredita-se que o FC-31 use revestimentos furtivos, e que seria capaz de evitar a detecção por redes de radar de banda L e de banda Ku e ser difícil de detectar usando vários sensores de múltiplos espectros.

Outras mudanças e atualizações estão sendo feitas no FC-31 para prepará-lo para uso no Liaoning e seus navios irmãos, disse o jornal Global Times, de Pequim. Também é dito que o caça pode ser capaz de pouso vertical ou decolagem curta e é compatível com as catapultas eletromagnéticas supostamente instaladas no terceiro porta-aviões, que pode ter um convés plano.

Observadores acreditam que, uma vez que o FC-31 entre em serviço com um futuro grupo chinês de ataque, será um jato de combate de caças de quarta geração, como o F-15, F-16 e F/A-18E/F. O FC-31 contra os mais novos caças, como o F-35, dependeria de fatores como o número de aeronaves, a qualidade dos pilotos, bem como os sistemas de radar e outros sensores.

Os caça F-35B e F-35C, de fabricação norte-americana, são capazes de operar a partir de porta-aviões, e o Japão tem como objetivo atualizar seus destróieres de helicópteros classe Izumo como porta-aviões genuínos, equipando-os como F-35Bs importados.


Fonte: Asia Times

10 COMENTÁRIOS

  1. Mais um fake "istélfi". Apenas uma casca tentando copiar o design do F-22 e usando a mesma maquiagem jequiti da madame J-20. Não é adversário a altura nem do F-16V quanto mais do F-35. Pelo menos este talvez não sairá soltando escamas e se rebelando ao controle dos pilotos como o, segundo os chinos, peixe voador J-15.